do site La Mente es Maravillosa

Às vezes, ignorar é responder com inteligência. É uma sabedoria que se adquire ao longo do tempo e com experiências e que, sem dúvida alguma, é adaptativa. Por quê? Porque é bem sabido que nossos relacionamentos nem sempre nos trazem coisas positivas, mesmo que a desejemos e tenhamos esperança.

Então, às vezes ignorar é mais uma questão de saúde emocional e proteção do nosso equilíbrio mental do que uma decisão consciente e ponderada sobre nosso desempenho e nossa abordagem de relacionamentos com certas pessoas.

Mas normalmente não percebemos facilmente que alimentamos trocas tóxicas por uma recompensa emocional que não virá. Em outras palavras, sacrificamos nosso bem-estar através de relacionamentos insanos que não nos dão boas emoções.

Você tem que aprender a ignorar para começar a viver tranquilamente

É por isso que devemos ignorar situações que nos incomodam e doar nossa ausência quando nossa presença não é valorizada. Então, para palavras tolas, ouvidos inteligentes. Mas quando?

• Quando as críticas não são construtivas e não pedimos uma opinião.

• Quando notamos que nas ações ou comentários dos outros há más intenções.

• Quando o próximo a nós se esforça para criar inseguranças e frustrações em nosso plano de vida.

• Quando nos fazem se preocupar com coisas que não podemos controlar.

• Quando os outros excedem sua autoconsciência com clara intenção de esfregar seus sucessos e nos diminuir.

• Quando nos impedem de crescer e se desenvolver como resultado de interesses estrangeiros ou egoísmo.

Desconsidere o que você pretende anular

Palavras, comentários, atos, sentimentos, emoções … Há situações que, por causa de sua hostilidade ou por causa de sua toxicidade, podem ser altamente prejudiciais para nós. Às vezes, até mesmo o equilíbrio emocional pode ser inclinado para o lado do nosso bem-estar e o sofrimento pode ser inevitável.

No entanto, temos que administrar as distâncias, dar a nossa mente e ao nosso corpo a oportunidade de descarregar e não anular a si mesmo. Podemos escapar se trabalharmos nosso diálogo interior do que nos bloqueia.

Perdão para “explosões” das pessoas

É difícil perdoar palavras ofensivas que são ditas em momentos de raiva ou calor, como geralmente acontece. Há momentos de euforia que fazem com que nossa linguagem saia do controle e acabe tendo consequências terríveis.

É bem conhecida a história em que um pai pede aseu filho, ante à incredulidade deste último, para pregar alguns pregos em uma bela madeira lisa, porque ele precisa ensinar-lhe alguma coisa. O pai, pacientemente, espera que o menino complete a tarefa para fazê-lo remover cada uma dos pregos e expressar a moral.

O tabuleiro nunca retornará ao seu estado original, mesmo que tentemos reparar o dano e removendo os pregos. É por isso que é essencial que façamos um esforço para evitar causar dor aos outros com nossas más ações ou maus comportamentos.

Devemos ter cuidado com o perdão e deixar bem claro que o perdão não dá direito a ninguém de nos prejudicar novamente. É importante enfatizar isso, porque habitualmente “nos acostumamos” a perdoar quem nos machuca, da mesma forma que podemos nos acostumar a ser perdoados por quem machucamos, e, assim, continuarmos, por descuido, tanto a magoar, como a ser magoado.

Também temos que saber perdoar a nós mesmos porque causamos desconforto, conflito e dor àqueles que queremos bem. Precisamos reconhecer nossos erros e aceitar o que não podemos mudar e o que podemos aprender com as diferenças e viver sem remorso, culpa e ódio.

Quando não perdoamos a alegria e a paz, elas desaparecem de nossas vidas e nos tornamos escravos do ressentimento e dos sentimentos ruins, nos irritando facilmente e promovendo rivalidades. Algo que certamente podemos escapar se nos atrevermos a ignorar e perdoar quando apropriado.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.