Há pessoas cruéis disfarçadas de boas pessoas. São seres que prejudicam, que agridem mediante chantagens emocionais maquiavélicas baseadas em medo, agressão e culpa. Elas podem aparentar ser amáveis e bondosas, mas por trás dessa aparência, às vezes escondem interesses escusos e profundas frustrações.

Muitas vezes é dito que “aquele que fere é porque em algum momento de sua vida ele também foi ferido”. Aquele que foi machucado, machuca. No entanto, embora exista uma base verdadeira para essas idéias, há outro aspecto que nem sempre gostamos de admitir. O mal existe. Pessoas cruéis às vezes têm certos componentes biológicos que as inclinam para certos comportamentos agressivos.

“Não há maldade mais cruel do que aquela nascida das sementes do bem”
-Baldassare Castiglione-

O cientista e divulgador Marcelino Cereijido nos conta algo interessante. “Não há gene maligno, mas existem certas circunstâncias biológicas e culturais que podem causar isso.” O mais complexo deste tópico é que, muitas vezes, tendemos a procurar rótulos e patologias para comportamentos que, simplesmente, não se enquadram nos manuais de psicodiagnóstico.

Os atos maus podem ocorrer sem a necessidade de uma doença psicológica subjacente. Todos nós, em algum momento, encontramos uma pessoa com esse tipo de perfil. Seres que nos dão elogios e cortesias. Pessoas que caem bem, com sucesso social, mas em particular, delineiam uma sombra escura e muito longa. No abismo de seus corações respira crueldade, falta de empatia e até agressividade.

Propomos refletir sobre isso.

Pessoas cruéis e a molécula moral

Como apontamos, até hoje ninguém foi capaz de identificar a existência do gene do mal. No entanto, nos últimos anos, os estudos aumentaram em um aspecto fascinante: a chamada “molécula moral”. Para entender melhor o que é essa estrutura, nos colocaremos no contexto com uma história real. Uma história terrível, que, infelizmente, acontece com muita frequência.

Hans Reiser é um programador americano famoso por ter criado os arquivos do ReiserFS. Atualmente, e desde 2008, ele está na prisão de Mule Creek por assassinar sua esposa. Ele não tinha escrúpulos em se declarar culpado e revelador onde havia enterrado o corpo de Nina Reiser. Como um fato curioso, vale a pena mencionar que este especialista em programação possui uma inteligência prodigiosa, a ponto de iniciar seus estudos universitários ainda na adolescência.

Depois de um julgamento rápido e de ser ingressado na prisão de San Quentin, ele decidiu preparar o seu próprio recurso. Através de 5 folhas manuscritas, ele argumentou que seu cérebro funcionava de maneira diferente. Reiser estava familiarizado com os estudos que estavam sendo realizados com a ocitocina e usou-a como argumento. Segundo ele, havia nascido com esse problema: seu cérebro não produzia a chamada molécula da moralidade. Ele não tinha empatia.

Obviamente, e como era de se esperar, este argumento não o impediu de cumprir a pena perpétua. No entanto, o tema sobre a origem da maldade voltou a entrar em debate. Nos dias de hoje, dá-se pleno valor ao fato de que a oxitocina é o hormônio que faz de nós seres “humanos” na sua vertente mais autêntica. Pessoas educadas e preocupadas em ajudar, cuidar e empatizar com os nossos semelhantes.

Como nos defender da crueldade camuflada

Em nossas vidas diárias, nem sempre nos relacionamos com pessoas tão cruéis quanto a mencionada acima. No entanto, somos vítimas de outros tipos de interações: a da falsa bondade, da agressividade encoberta, da manipulação, do egoísmo sutil, da ironia mais danosa, etc.

“O mundo não é ameaçado por pessoas más, mas por aqueles que permitem o
mal”
-Albert Einstein-

Esses comportamentos podem resultar de vários aspectos. Falta de Inteligência Emocional, um ambiente não afetivo em que a pessoa cresceu ou até mesmo por que não, um déficit na liberação de ocitocina. Tudo isso determinaria, talvez, que a agressividade fosse mais ou menos disfarçada. Seja como for, não podemos esquecer que, agressivamente, não nos referimos exclusivamente ao abuso físico.

Agressões emocionais, lesões agravadas instrumentais ou verbais são menos denunciadas pela necessidade de experimentá-las, mas mais todos os dias em que devemos nos defender. Nós explicamos como.

Pessoas cruéis: Como reconhecê-las e evitá-las

Todos nós podemos ser vítimas de pessoas cruéis. Não importa a idade, o status ou nossas experiências anteriores. Esses perfis vivem no núcleo da família, em ambientes de trabalho e em qualquer cenário. No entanto, podemos identificá-los de maneiras diferentes. A pessoa de coração ruim vai nos cativar com a mentira. Vestir-se-ão com belas palavras e nobres ações, mas pouco a pouco a chantagem surgirá. Mais tarde, a geração de medo, culpa e violência mental.

-Nesses mecanismos existe apenas uma opção: a não tolerância. Não importa se é nossa irmã, nosso parceiro ou aquele colega de trabalho. A perturbação da calma e do equilíbrio só busca uma coisa: desligar a nossa auto-estima para ter controle.

-Temos a sensação clara de que não há saída. Que eles nos têm sob suas redes. No entanto, devemos lembrar de algo ” é mais poderoso aquele que é dono de si mesmo” . Então, devemos romper o jogo de dominação e agressão com contundência.

Os jogos de dominação e agressão encoberta são muito intrincados. No entanto, é necessário agir rapidamente desmontando armadilhas e reagindo a ameaças veladas. No momento em que sentimos desconforto ou preocupação com determinados comportamentos, há apenas uma opção sensata: a distância.

Do site despiertacultura

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.