Somos viciados em controle. Não podemos evitar. Acreditar que podemos nos controlar e controlar tudo nos faz sentir seguros. Isso nos dá a sensação de que o mundo é previsível. A incerteza desaparece. Ele nos fortalece e nos tranquiliza.

O problema é que isso é uma ilusão. E alimentá-lo pode ter efeitos devastadores.

Essa sensação de onipotência realmente nos deixa à mercê da adversidade e contratempos que não fomos capazes de prever porque estávamos muito ocupados chafurdando em complacência. Como resultado, quando o mundo desaba de surpresa, tomamos decisões impulsivas em pânico, angústia ou fadiga.

Na verdade, a maioria das decisões importantes na vida são tomadas em cenários incertos e sujeitos a grande pressão psicológica, sejam elas decisões sobre nossa saúde, um relacionamento ou trabalho. Em tais situações, o autocontrole que demonstramos pode ser extremamente frágil e permeável, pregando peças em ñós.

Se você acredita que se controla, você se exporá a mais tentações

Em 2009, Loran Nordgren investigou uma batalha interna que quase todos nós lutamos em algum momento. Ele recrutou um grupo de fumantes para assistir ao filme “Café e Cigarros” com um objetivo: se abster de fumar, pelo que receberiam uma recompensa em dinheiro.

Os participantes podiam escolher onde colocar o cigarro. Se eles deixassem o cigarro apagado na boca durante o filme, eles receberiam a maior recompensa, pois demonstrariam grande autocontrole. Eles também podiam segurar o cigarro nas mãos sem acendê-lo, deixá-lo em uma mesa próxima ou em outra sala, caso em que receberiam a menor recompensa porque a tentação era mínima. No entanto, eles só ganhariam o prêmio se não fumassem durante os 95 minutos do filme.

O “problema” foi que algumas pessoas foram informadas, antes da triagem, de que tinham um alto nível de autocontrole, enquanto outras foram informadas de que não eram capazes de controlar seus impulsos. Fumantes que acreditavam ter grande autocontrole foram expostos a muito mais tentações do que outros. Mas eles não conseguiram resistir. Eles acendiam seus cigarros três vezes mais do que aqueles que pensavam ter pouco autocontrole.

Nordgren concluiu que ” temos uma tendência a superestimar nossa capacidade de controlar os impulsos ” , um fenômeno conhecido como “ilusão de autocontrole” e que muitas vezes nos leva a tomar decisões muito ruins na vida.

Qual é a ilusão de autocontrole?

A ilusão de autocontrole é a tendência de superestimar nossa capacidade de controlar comportamentos impulsivos. Também conhecido como viés de restrição, baseia-se em pensamentos como: “Consigo resistir à tentação”, “Tenho tudo sob controle” ou “Consigo me controlar perfeitamente”.

O principal problema da ilusão de autocontrole é que acabamos nos expondo aos estímulos que desencadeiam os comportamentos que queremos evitar porque pensamos que podemos nos controlar. Isso explica por que muitas pessoas que tiveram um vício recaem depois de meses ou anos. Mas … por que caímos nessa armadilha?

A lacuna de empatia quente-fria

George Loewenstein descobriu que tendemos a subestimar o poder que as emoções exercem sobre nós e, em particular, os impulsos viscerais. Para ele, “os afetos têm a capacidade de nos transformar, como seres humanos, profundamente […] As transformações dramáticas forjadas pelos afetos têm consequências importantes na tomada de decisões ”. Ele chamou esse viés de lacuna de empatia quente-fria.

Essa lacuna ocorre principalmente quando estamos no que ele chamou de “estado frio”; isto é, quando estamos emocionalmente equilibrados e nossas necessidades básicas são satisfeitas. Enquanto estamos nesse estado, subestimamos a influência desses fatores em um “estado quente”. Na prática, achamos difícil imaginar a força que os impulsos viscerais podem exercer e o poder que têm para quebrar nossa força de vontade e autocontrole.

Por exemplo, quando nos sentimos saciados, superestimamos nossa capacidade de resistir a um saboroso bolo de chocolate. Da mesma forma, quando entramos em um “estado de calor” de carência, como a fome, é difícil entendermos até que ponto esse impulso visceral determina nosso comportamento e pode, por exemplo, nos deixar de mau humor e brigar com alguém.

Loewenstein explica que temos uma memória restrita para a experiência visceral, o que significa que podemos nos lembrar do estado impulsivo, mas não somos capazes de recriar a sensação do estado impulsivo, o que nos leva a cometer o mesmo erro repetidamente, caindo assim a ilusão de autocontrole.

Não sermos capazes de prever como iremos reagir aos impulsos viscerais, pensando que podemos controlá-los como se estivéssemos em um estado de equilíbrio emocional perfeito, nos mergulha numa espécie de cegueira psicológica. Também nos impede de nos preparar para futuras tentações e obstáculos que inevitavelmente surgirão. Como não somos capazes de evitar essas distrações, caímos mais facilmente em suas redes.

Como escapar da ilusão de autocontrole?

Para manter bons hábitos e tomar decisões menos impulsivas, precisamos de uma estratégia, de preferência uma estratégia que preveja que nem sempre seremos capazes de manter o autocontrole.

Um bom ponto de partida começa com um exercício de introspecção. Trata-se de nos conhecermos melhor para detectar aqueles estados que nos fazem perder a calma e nos levam a tomar decisões erradas. O resultado pode nos surpreender. Haverá pessoas que tomarão decisões piores por raiva, outras por tristeza ou frustração. Alguns serão mais afetados pela fome e outros pela falta de sono.

Conhecer nossos “estados de calor” nos permitirá ativar nosso “alarme interno” quando estivermos em tais situações, de modo que tenhamos mais consciência de que corremos maior risco de tomar decisões impulsivas das quais nos arrependeremos mais tarde.

Afinal, a atenção está intimamente relacionada ao controle dos impulsos. Quanto menos atenção prestamos a algo, menos controle temos sobre o que estamos fazendo. É por isso que focar a atenção em nós mesmos pode melhorar nosso autocontrole.

A segunda etapa é desenvolver planos de comportamento alternativos. Trata-se de dar crédito à famosa lei de Murphy: ” se algo pode dar errado, dará errado ” ou de se preparar para o pior da melhor maneira, como aconselharam os filósofos estóicos.

Portanto, trata-se de buscar planos alternativos que possamos ativar sem pensar muito quando surgirem obstáculos, para que tenhamos um comportamento atencioso ao qual recorrer. Você pode ensaiar, por exemplo, o que vai dizer quando alguém lhe oferecer aquele pedaço de bolo que não deveria fazer parte da sua dieta. Dê um passo adiante e pense no que você dirá para rejeitá-lo duas vezes quando eles insistem – porque eles sempre insistem.

Por último, mas não menos importante, devemos evitar a complacência. Quando você progredir e seu diálogo interior lhe disser que já desenvolveu autocontrole o suficiente para se expor à tentação, ignore-o e não baixe a guarda. Às vezes, apenas um pouco – um contratempo, uma notícia ruim ou um dia ruim – é suficiente para destruir o que nos custou tanto para conseguir.

Adaptado de Rincón de la Psicología / Créditos da imagem: Miguel Montaner

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.