Arqueólogos escavando no sul de Israel podem ter encontrado o nome de Jerubbaal, flagelo dos midianitas, em um fragmento quebrado de um pote de barro da era dos Juízes.

A inscrição em escrita alfabética primitiva da época dos juízes bíblicos foi encontrada em Khirbat er-Ra’i, perto de Kiryat Gat, no sul de Israel. A inscrição extremamente rara, escrita em tinta em um fragmento de panela de barro, aparentemente leva o nome de “Jerubbaal”.

Qualquer outra coisa que o pote possa ter dito está perdido nas brumas do tempo, mas esse é um nome conhecido do livro bíblico dos Juízes e a inscrição é aproximadamente da época dos juízes – cerca de 3.100 anos atrás, a Autoridade de Antiguidades de Israel relatou Segunda-feira. A coincidência é intrigante.

O fragmento com a rara escrita antiga foi encontrado em um poço de armazenamento subterrâneo que foi revestido com pedras, diz o IAA. A embarcação era bastante pequena, com capacidade para cerca de um litro (um quarto de galão). Os arqueólogos, portanto, especulam que ele continha um líquido precioso, como um perfume ou uma mistura médica, e que pode ter pertencido a um homem chamado Jerubbaal, tornando-o o pote de Jerubbaal.

Desenho do fragmento com as letras antigas yod, resh, aposta, ayin e lamed Crédito: Dafna Gazit / Antiguidades de Israel

Khirbat er-Ra’i está sendo escavado sob a direção do Prof. Yossi Garfinkel da Universidade Hebraica, Sa’ar Ganor na Autoridade de Antiguidades de Israel e Dr. Kyle Keimer e Dr. Gil Davis da Universidade Macquarie em Sydney, Austrália.

O silo pavimentado com pedra onde foi encontrada a inscrição de Jerubbaal.
Crédito: Yossi Garfinkel, Universidade Hebraica de Jerusalém[

O nome foi escrito em uma escrita alfabética antiga, derivada da escrita alfabética mais antiga conhecida (em oposição a cuneiforme ou hieróglifo), que aparentemente foi inventada por mercadores cananeus ou escravos que trabalhavam no ou com o Egito antigo há cerca de 4.000 anos, durante o Idade Média do Bronze. A teoria é que eles inventaram as letras fonéticas porque aprender a escrever em hieróglifos na idade adulta era muito oneroso.

Muito poucas inscrições de tais partes distantes da história foram encontradas, mas um punhado existe desde a Idade do Bronze Final – principalmente da cidade de Lachish, a meros 4 quilômetros (2,5 milhas) de Khirbat el Ra’i.

A escrita foi decifrada pelo especialista epigráfico Christopher Rollston, da George Washington University, que discerniu as letras yod (embora quebradas no topo), resh , beit , ayin , lamed – YRBA’L, ou seja, Jerubbaal. A inscrição original era mais longa, mas está perdida, supõem os arqueólogos.

Quanto a quem Jerubbaal pode ter sido, não está claro – ele poderia ter sido qualquer pessoa. Mas, com base no momento e na localização, os arqueólogos presumem que ele pode ter sido ninguém menos que a figura bíblica Gideão (também conhecido como Jerubbaal), filho de Joás, o abiezrita, cujas atividades são descritas detalhadamente no livro de Juízes.

Escavando uma jarra da época dos juízes bíblicos em Khirbat er-Ra’i Crédito: Saar Ganor / Israel Antiquiti
Vista aérea de Khirbat er-Ra’i Crédito: Emil Aladjem, Israel Antiguidades

Vale a pena acrescentar que as inscrições do período dos juízes, 3.100 anos atrás, são extremamente raras. É a primeira vez, afirmam os arqueólogos, que o nome Jerubbaal é encontrado em um contexto arqueológico. Também vale a pena acrescentar que a inscrição estava na escrita cananéia e é possível que Jerubaal, o suposto dono do pote, fosse, simplesmente, um cananeu.

De qualquer forma, a história bíblica (Juízes 6) conta a história de um anjo que se juntou a Gideão sob um terebinto de propriedade de seu pai, Joás. Gideão pressiona o anjo sobre o fato de o Senhor ter abandonado o povo de Israel e abandonado ao governo dos midianitas. O anjo explica que o Senhor deseja que Gideão salve Israel dos midianitas. O homem contestou que era a pessoa menos significativa de sua família, que pertencia ao clã menos significativo, Manassés, mas foi garantido que o Senhor estaria com ele “e ferirás os midianitas como um só homem”.

Gideão oferece carne e pão ao Senhor, que o aceita. E naquela noite, o Senhor disse a ele:

“Pega o novilho de teu pai, o segundo novilho de sete anos de idade, e derruba o altar de Baal que teu pai possui, e corta o bosque que está ao lado dele” (Juízes 6:25; bosque sendo traduzido por alguns como “Asherah” – estatueta, imagem de madeira, poste de Asherah e mais).

E isso, Gideão fez, queimando anedoticamente o touro como uma oferenda usando a madeira da estatueta. Os cidadãos enfurecidos exigiram a cabeça de Gideão, mas Joash sugeriu que Baal fosse deixado para se defender – o que, como sabemos, não aconteceu.

“Portanto, naquele dia, foi chamado de Jerubaal, dizendo: Baal contenda contra ele, porque derribou o seu altar” (Juízes 6:32).

Este, então, é o suposto Jerubbaal. Se o pote pertencia a ele, não podemos saber, mas é uma teoria intrigante.

Sa’ar Ganor da Autoridade de Antiguidades de Israel tende à teoria de que sim, com base em sua interpretação de que as sílabas “Jeru” derivam da antiga raiz de “rav” no sentido de “luta” (não rabino); e com quem ele lutou? Baal.

“Ele quebrou o altar de Baal”, aponta Ganor, de acordo com a narrativa bíblica. Ou alternativamente – poderia ser interpretado como “Baal o julgará”, o que obviamente não aconteceu.

Fonte: The Jerusalem Post

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.