Imagine uma superestrada da informação que acelera as interações entre uma população grande e diversificada de indivíduos, permitindo que indivíduos que possam estar amplamente separados se comuniquem e se ajudem.

Quando você anda na floresta, tudo isso está acontecendo sob seus pés. Não, não estamos falando da internet, estamos falando de fungos. Como resultado de um crescente corpo de evidências, muitos biólogos começaram a usar o termo “wood wide web” para descrever os serviços de comunicação que os fungos fornecem às plantas e outros organismos.

Enquanto pesquisava sua tese de doutorado há mais de 20 anos, a ecologista Suzanne Simard descobriu que as árvores comunicam suas necessidades e se enviam nutrientes através de uma rede de fungos entrelaçados enterrados no solo – em outras palavras, ela descobriu que elas “conversam” entre si .

Simard mostrou como as árvores usam uma rede de fungos no solo para comunicar suas necessidades e ajudar as plantas vizinhas.

Desde então, ela foi pioneira em pesquisas sobre como as árvores “conversam”, incluindo como esses filigranas de fungos ajudam as árvores a enviar sinais de alerta sobre mudanças ambientais, procurar parentes e como elas transferem seus nutrientes para as plantas vizinhas antes de morrerem.

Todas as árvores em todo o mundo formam uma associação simbiótica com fungos subterrâneos. Estes fungos são benéficos para as plantas e exploram o solo. Os fungos enviam micélio , uma massa de fios finos, através do solo. O micélio coleta nutrientes e água, os traz de volta para a planta e troca os nutrientes e a água por um açúcar ou outra substância produzida pela fotossíntese da planta.

É essa rede que conecta um sistema de raízes de árvores a outro sistema de raízes de árvores, para que possam trocar nutrientes e água entre elas.

A palavra ” micorriza ” descreve as relações mutuamente benéficas que as plantas têm nas quais os fungos colonizam suas raízes. As micorrizas conectam plantas que possam estar amplamente separadas.

Embora os cogumelos sejam a parte mais familiar de um fungo, a maioria de seus corpos é composta de micélio. Esses fios agem como um tipo de internet subterrânea, agora chamada de “rede de madeira”, que liga as raízes de diferentes plantas e espécies diferentes.

Ao vincular à rede de fungos, eles podem ajudar seus vizinhos, compartilhando nutrientes e informações ou sabotando plantas indesejadas, espalhando produtos químicos tóxicos pela rede.

As redes de fungos também aumentam o sistema imunológico de suas plantas hospedeiras. Simplesmente conectar-se a redes miceliais torna as plantas mais resistentes a doenças.

Árvores grandes ajudam as pequenas e mais jovens a usar a internet fúngica. Sem essa ajuda, Simard acha que muitas mudas não sobreviveriam. Ela descobriu que as mudas na sombra, que provavelmente têm falta de comida, recebiam carbono de outras árvores.

A revelação da existência da Wood Wide Web e o aumento da compreensão de suas funções levantam grandes questões – sobre onde as espécies começam e terminam; sobre se uma floresta pode ser melhor imaginada como um superorganismo único, em vez de um agrupamento de individualistas independentes; e sobre o que troca, compartilhamento ou mesmo amizade pode significar entre as plantas.

Este vídeo da BBC News, do animador e ilustrador 2D Jules Bartl, explica.

Fontes: Bright vibes / The New Yorker / The kids hould see this

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.