Uma das obras mais famosas e célebres de José Saramago é Ensaio sobre a Cegueira, romance que convida a uma reflexão profunda sobre a alma humana e sobre o que aos nossos olhos parece invisível.

José Saramago foi a voz mais autoritária da literatura portuguesa. O refinamento de sua escrita lhe valeu o Prêmio Nobel, mas não menos importante foi seu compromisso do ponto de vista político e social. Obras como “Ensaio sobre a cegueira” são um meio excepcional de catarse, um ponto de partida para a reflexão filosófica, um convite claro para “acordar”.

De José Saramago diz-se frequentemente que ele era um agitador de consciências. Ele nunca desistiu de denunciar as injustiças e sempre assumiu uma posição clara contra os conflitos de sua época. Em uma de suas palestras, ele se definiu como um escritor apaixonado, impulsionado pela necessidade de levantar cada pedra, mesmo sabendo que monstros reais poderiam estar escondidos embaixo.

A busca da verdade e o desejo de estimular a mente eram os ingredientes de um estilo literário único. Suas parábolas, construídas com imaginação, ironia e compaixão, desenham uma realidade que ninguém pode permanecer indiferente.

Vários anos após sua morte, os trabalhos de Saramago continuam sendo reimpressos em diferentes idiomas. E nem mesmo as novas gerações permanecem insensíveis ao encanto de uma personalidade tão multifacetada, um homem que chegou a pensar em completar a Declaração Universal dos Direitos Humanos com sua Carta de Deveres e Obrigações. .

Foi o escritor mais brilhante que Portugal nos deu, ao lado de outros nomes ilustres como o de Fernando Pessoa e Eça de Queiroz . Sua provocativa, mágica e perturbadora obra nos convidou a analisar o presente através de seus olhos.

“Os três males do homem moderno são a ausência de comunicação, a revolução tecnológica e uma vida centrada no triunfo pessoal”.

-José Saramago-

Biografia de José Saramago, um estudioso de origens humildes

José de Sousa Saramago nasceu em 16 de novembro de 1922 na Golegã, Portugal. Seus pais eram José de Sousa e María da Piedade, um casal de agricultores de origem humilde que ganhavam a vida com o trabalho duro da terra. Quando o pequeno José tem apenas dois anos, os dois decidem emigrar para Lisboa em busca de melhor sorte.

Na capital portuguesa conseguem alcançar uma certa estabilidade econômica. O pai começa a trabalhar como policial e José tem a oportunidade de receber educação primária. Por alguns anos ele frequentou um Instituto Técnico, mas foi forçado a sair quando seus pais não podiam mais pagar a ele o ensino médio.

Por esse motivo, o jovem José não tem escolha senão começar a trabalhar em uma fundição. Ao realizar essa atividade, com a qual ele ganha a vida, ele também usa outras roupas: as de erudito . Na verdade, ele nunca para de ler, aprendendo sozinho e, acima de tudo, escrevendo . Assim, em 1947, aos 25 anos, publicou seu primeiro romance, Terra del Peccato . Nesse mesmo ano nasceu sua filha Violante, fruto do primeiro casamento.

Maturidade como escritor e jornalista comprometido

A partir de 1955, José Saramago começou a traduzir as obras de Hegel e Tolstoi para a editora Estúdios Cor. Ao mesmo tempo, ele se esforça para tornar seu estilo de escrita mais maduro, e está empenhado em buscar novas oportunidades para alcançar o sucesso com seus romances. No momento, na verdade, apesar do talento inquestionável, nenhum editor está disposto a publicar seus trabalhos.

Depois de ver o novo romance rejeitado, Claraboia (que será publicado somente após sua morte), Saramago leva vários anos para decidir tentar novamente. Teremos que esperar até 1966, com Poemas Possíveis e uma segunda coleção de poemas, Provavelmente Alegria

Tendo alcançado o sucesso literário, Saramago sente a necessidade de embarcar em uma nova carreira no mundo do jornalismo. Começou a trabalhar para o jornal Diário de Notícias, onde mais tarde retornou como vice-diretor. Mais tarde trabalhou como comentarista político no Diário de Lisboa.

Em 25 de abril de 1974, a chamada Revolução dos Cravos explode em Portugal e, desde então, Saramago tomou a decisão de dedicar-se exclusivamente à escrita. Agora é uma figura conhecida e respeitada, e o que ele quer é deixar mais obras, mais livros para o mundo. Desde 1976 publica Os Apontamentos, obras teatrais como A Noite (1979) e livros de histórias como Objecto quase (1978).

O Prêmio Nobel

Nos anos 80, José Saramago é agora um escritor mundialmente famoso. Memorial do Convento (1982) consagra-o definitivamente como um autor internacionalmente apreciado. Alguns anos depois, ele consolidou seu sucesso com A Jangada de Pedra (1986), o polêmico O Evangelho segundo Jesus Cristo (1991) e, em particular, Ensaio sobre a cegueira (1995).

Seu estilo agora é mais procurado e seus livros são mais engajados, de modo que, em 1998, o Comitê de Estocolmo (Suécia) deu a ele o maior prêmio por um escritor: o Prêmio Nobel de Literatura. Naquela época, José Saramago dividia sua vida entre duas terras: Lisboa e Lanzarote (Ilhas Canárias). Neste último lugar, ele passou os últimos anos de sua vida com sua terceira esposa, Maria del Pilar del Rio Sánchez, jornalista e tradutora espanhola.

Ele morreu em 18 de junho de 2010 depois de lutar por um longo tempo contra a leucemia. Ele tinha 87 anos e acabava de começar um novo romance , dos quais existem apenas as primeiras 30 páginas.

Ensaio sobre cegueira

“Nós não somos cegos, mas nós não vemos”. Essas palavras resumem bem a metáfora argumentativa de uma das obras mais perturbadoras de Saramago. Em Cegueira, falamos sobre a incapacidade dos seres humanos de reconhecer o próximo. As pessoas de repente se transformam em criaturas mesquinhas, seres cegos que precisam da orientação dos outros para entender as coisas e sobreviver.

O romance é uma profunda reflexão sobre a alma humana. É um conto distópico, que mantém você preso até pela curiosidade de descobrir por que essa estranha forma de cegueira afetou a população e continua a se espalhar como uma infecção. As coisas precipitam quando o governo decide colocar em quarentena os doentes, sujeitando-os a formas estritas de controle.

Entre os protagonistas da história, só se pode ver: uma mulher que acompanha o marido naquela prisão, emprestando-lhe, por sua vez, seus olhos para ajudá-lo em tudo o mais. No entanto, todo o cenário não é menos opressivo. A higiene é escassa, os soldados não hesitam em atirar em quem chega perto demais e a degradação começa a se espalhar. Lentamente, a situação assume a forma de uma verdadeira ditadura. O caos reina e a esperança é consumida inexoravelmente.

Uma obra em que nos é mostrada a cegueira interna do ser humano. Essa incapacidade de reconhecer um ao outro e que evoca egoísmo, perda de razão, conflito e medo. Um cenário perturbador, através do qual Saramago convida a uma reflexão moral corajosa.

Ensaio sobre a Cegueira é um livro chocante, um marco na literatura contemporânea que vale sempre a pena redescobrir ou descobrir pela primeira vez.

Adaptado de lamenteemeravigliosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.