A startup colombiana de energia renovável E-Dina desenvolveu uma luz sem fio que converte água salgada em eletricidade como uma alternativa mais confiável às lâmpadas solares em comunidades fora da rede.

O aparelho portátil, denominado WaterLight, precisa ser enchido com 500 mililitros de água do mar – ou urina em situações de emergência – para emitir até 45 dias de luz.

Atuando como um mini gerador de energia, o dispositivo também pode ser usado para carregar um telefone celular ou outro dispositivo pequeno por meio de sua porta USB integrada.

O WaterLight possui uma caixa tubular de madeira

Criado em colaboração com a divisão colombiana da agência de criação Wunderman Thompson , o projeto foi concebido como um substituto para a energia solar, que é frequentemente usada para fornecer locais remotos, mas que depende do clima.

“WaterLight pode ser mais eficiente do que lanternas de energia solar porque se regenera instantaneamente”, disse Pipe Ruiz Pineda, diretor executivo de criação da Wunderman Thompson Colômbia.

“Uma vez cheias de água, a entrega de energia é imediata, enquanto as lanternas solares precisam transformar a energia solar em energia alternativa para carregar as baterias e só funcionam se houver sol.”

A lâmpada movida a água salgada pode ser usada para pesca noturna

WaterLight funciona 24 horas por dia por ionização, que vê os eletrólitos no líquido salino reagir com placas de magnésio e cobre no interior da lâmpada para produzir eletricidade.

Embora este seja um processo estabelecido há muito tempo, a E-Dina desenvolveu uma maneira de sustentar a reação química por um período prolongado de tempo para que possa ser usada para alimentar uma fonte de luz.

“Eles patentearam uma forma de ionização que dura mais do que qualquer tecnologia anterior”, disse Pineda a Dezeen.

A lâmpada pode conter meio litro de água

Ao longo de sua vida, uma luz pode fornecer cerca de 5.600 horas de energia, o que equivale a dois a três anos de uso, dependendo da frequência com que ela é necessária.

A luminária possui uma caixa cilíndrica de madeira de Urapán com um circuito integrado em sua base e uma tampa perfurada na parte superior que permite que a água flua para o dispositivo enquanto o gás hidrogênio gerado durante o processo de ionização pode escapar.

Após a evaporação das partículas de sal, a lâmpada pode ser esvaziada e recarregada enquanto a água usada pode ser reutilizada para lavagem ou limpeza.

A luz pode ajudar artesãos Wayúu a trabalhar à noite

Esta iteração atual da lâmpada foi projetada especificamente para o povo Wayúu, uma tribo indígena que vive no extremo norte da América do Sul, onde a Colômbia encontra a Venezuela.

“E-Dina é uma empresa colombiana e queríamos começar com uma comunidade local com o problema de falta de acesso à eletricidade”, explicou Pineda.

“Escolhemos a comunidade Wayúu porque é uma população esquecida pelo governo”.

Cada alça de transporte foi tecida à mão por uma artesã local

Durante séculos, os Wayúu ocuparam a paisagem remota e deserta da península de Guajira. Embora afastada do resto da sociedade, a área é cercada por todos os lados pelo Mar do Caribe, que oferece um recurso abundante para abastecer o WaterLight.

Wunderman Thompson trabalhou para integrar a rica herança cultural da tribo no design das luzes, com símbolos e padrões tradicionais esculpidos em seu invólucro de madeira e as tiras coloridas tecidas por artesãs locais usando uma técnica que remonta aos tempos pré-coloniais .

“Essa geração do WaterLight foi inspirada nessas tradições e os artesãos Wayúu faziam as tiras com as próprias mãos”, disse Pineda.

Assim que chega ao fim de sua vida útil, Wunderman Thompson afirma que a lâmpada pode ser totalmente reciclada.

O objetivo é lançar uma versão reduzida e produzida em massa do WaterLight em todo o mundo para abastecer os 840 milhões de pessoas que atualmente vivem sem eletricidade.

Pineda espera que o projeto seja particularmente útil em lugares como Síria, Serra Leoa e Somália, que não têm uma rede elétrica abrangente, mas têm acesso direto ao litoral.

A lâmpada também pode ser usada para carregar telefones celulares

Com um objetivo semelhante, o projeto Little Sun do artista Olafur Eliasson tem fornecido pequenas lâmpadas solares para pessoas com acesso limitado a energia confiável desde 2012.

E no ano passado, a empresa irmã do Google , Loon, implantou 35 balões movidos a energia solar em áreas remotas do Quênia para fornecer serviço de Internet à comunidade local.

Adaptado de Dezeen

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.