No final de 2017, o Salvator Mundi, considerado como o Santo Graal no mundo da arte, foi leiloado por 450,3 milhões de dólares para se tornar o trabalho mais caro da história.

Sem dúvida, é um grande reconhecimento para aquela criança que nasceu no século XV, filho ilegítimo de um notável embaixador da República de Florença com uma menina humilde chamada Caterina. No entanto, as pinturas não foram a única contribuição que Leonardo Da Vinci deu ao mundo.

Da Vinci incorporou, como nenhum outro, a palavra “Renascimento”, uma vez que ele não era apenas um excelente artista, mas também um prolífico inventor que se aventurou em diferentes áreas da ciência. Ele era um gênio, sem dúvida. No entanto, o que impulsionou essa genialidade?

Walter Isaacson, que escreveu a biografia “Leonardo Da Vinci”, acredita que esta genialidade vem das experiências que ele teve ao longo de sua vida, motivado por uma curiosidade insaciável. Da Vinci imaginou, perguntou, aprendeu e fez coisas comuns de uma maneira extraordinária. Na verdade, costumava pegar coisas que já existiam e tentava elevar seu conceito o mais longe possível. Ele afirmou que ” assim como o ferro oxida devido à falta de uso, a inatividade também destrói o intelecto “.

É claro que não podemos replicar suas experiências, mas podemos aplicar seu método e cultivar a curiosidade como uma maneira de desenvolver a criatividade e ver o mundo de uma maneira original. Como conseguir isso?

1. Observe como um polímata

Se olharmos através das lentes da história e analisarmos a vida de muitos grandes inventores e criadores, encontraremos um fio comum que se repete com bastante frequência: muitas das contribuições mais importantes vêm de pessoas que estavam na intersecção entre ciência e a arte.

Isso significa que, no fundo, uma especialização profunda não é suficiente, mas é necessário iniciar a criatividade humana para fazer coincidir diferentes campos e perspectivas aparentemente desconectadas. Da Vinci é um dos maiores exemplos desse tipo de interseção, era um polímata.

O mais interessante sobre essa mentalidade é que Da Vinci e muitos outros grandes gênios nunca consideraram que havia uma distinção, uma grande separação entre os campos. Ele simplesmente observava, notava e contextualizava as coisas como quisesse.

Ao mesmo tempo em que abordamos o conhecimento com ideias preconcebidas e estabelecemos distinções e limites entre os diferentes campos, estamos fechando um caminho para a criatividade. O mundo que observamos e no qual vivemos é um, as ciências são uma divisão humana para facilitar seu estudo e compreensão, mas o gênio nasce quando uma mentalidade multidisciplinar e global é assumida.

Isso significa que, se quisermos ver o mundo como ele é e descobrir suas maravilhas, devemos ampliar nossa perspectiva e nos libertar desse viés. Quanto mais soubermos sobre diferentes campos, melhor entenderemos o mundo e melhor equipado será nossa mente para criar algo maravilhoso.

2. Questione o mundano e o óbvio

Temos mais de 4.000 páginas dos famosos cadernos Da Vinci, mas acredita-se que seja apenas um quarto do volume que ele escreveu. Mesmo assim, elas fornecem uma visão incrível de gênio porque contêm registros de seu tempo em Florença e Milão, revelam suas dúvidas e inseguranças e fornece um vislumbre de como eram seus relacionamentos com amigos e colegas.

No entanto, o mais interessante do ponto de vista psicológico são as questões que foram levantadas nessas notas. Não apenas aqueles que lidam com questões transcendentes, mas também aqueles que se referem a questões aparentemente insignificantes e inconseqüentes. Essas perguntas mostram que Da Vinci era fascinado, literalmente, por qualquer coisa. Em suas próprias palavras:

“Por que o trovão dura mais do que o que o causa, e por que, imediatamente em sua criação, o relâmpago se torna visível aos olhos enquanto o trovão requer tempo para viajar? Como os vários círculos de água se formam ao redor do local que foi atingido por uma pedra, e por que um pássaro fica no ar? Essas perguntas e outros fenômenos estranhos comprometem meu pensamento ao longo da minha vida ”.

A maioria de nós não perde tempo fazendo perguntas desse tipo porque parecem irrelevantes. No entanto, esquecemos que até o óbvio ou o menor pode conter um tesouro se o explorarmos em profundidade. Muito poucas coisas são interessantes quando nos limitamos à sua superfície, temos que cavar.

Muitas dessas questões não contribuíram com nada imediatamente para as obras de Da Vinci, mas adicionaram à riqueza com que o artista e o inventor viram o mundo, e que a riqueza contribuiu para suas criações.

Existe um mundo de coisas que valem a pena, mas você deve procurá-las. Volte para o simples, recupere a capacidade de se maravilhar e uma nova porta para a criatividade se abrirá diante de você. Lembre-se sempre de uma frase genial: “a simplicidade é a sofisticação final “.

3. Experimente com a mentalidade de um aprendiz

O perfeccionismo é uma tendência cada vez mais comum. No entanto, é extremamente prejudicial porque alimenta o medo e a dúvida, até mesmo nos paralisando. No caso dos artistas, o perfeccionismo pára a produção e a criação. Isso impede que eles progridam.

Não há dúvida de que Da Vinci também tinha um lado muito perfeccionista. Na verdade, ele não terminou alguns dos trabalhos que começou e outros passaram anos, embora também pudesse ser porque ele se entediava com relativa facilidade depois de ter concebido o trabalho mentalmente.

No entanto, esse gênio não queria melhorar apenas seu trabalho, mas queria melhorar outra coisa. Ele assumiu a pintura como um experimento em progresso porque sabia que poderia sempre dominar novas técnicas. Sabe-se que demorou anos para terminar a Mona Lisa, e é provável que ele não a considerasse completa quando deu a última pincelada. Na tabela, ele fez ajustes e aplicou novos métodos.

Isso não significa que não devemos terminar os projetos adicionando mais e mais detalhes, mas que devemos assumir a vida como um experimento em desenvolvimento contínuo. A realidade não é estática e nem nossas decisões e produções.

Podemos melhorar com o tempo, continuamente experimentando e incluindo novas perspectivas e maneiras de fazer as coisas. A mentalidade do aprendiz é fundamental para fugir da monotonia e abraçar o novo. Quando ficamos estagnados e nos apegamos a um único modo de pensar ou fazer as coisas, morremos um pouco a cada dia.

 

Traduzido de Rincón de la Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS