O ciclo de coleta, afastamento e tratamento de esgoto em Jundiaí termina com saldo mais que positivo: o lodo de esgoto, rico em nutrientes, é transformado em fertilizante orgânico para a agricultura. Isso ocorre durante o processo de tratamento na Estação de Tratamento de Esgoto do Jardim Novo Horizonte, a ETE Jundiaí.

Utilizando um sistema de compostagem termofílica do lodo de esgoto, o material é misturado às podas urbanas picadas geradas na cidade, ao bagaço de cana-de-açúcar e a cascas de eucalipto, entre outros resíduos orgânicos, submetidos ao revolvimento mecânico e oxidação promovida por uma intensa atividade de microorganismos.

Como o processo ocorre em temperaturas acima de 55ºC por mais de 30 dias, todo o material é higienizado, eliminando organismos causadores de doenças aos homens e animais e dando origem ao composto orgânico de lodo de esgoto. O material ainda recebe enxofre (importante micronutriente) e calcário, que evita odores e enriquece o composto com cálcio.

Leia também: Comunidades afastadas terão energia solar

Como resultado, o material resultante do tratamento passa a ser denominado de fertilizante orgânico composto classe D, registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento como produto de uso seguro na agricultura.

“Este fertilizante pode ser utilizado em diversas culturas, sendo contraindicado apenas para hortaliças, pastagens, raízes e tubérculos”, ressalta.

O fertilizante orgânico é fornecido para paisagistas e produtores de citros, eucalipto, cana-de-açúcar, flores, café, frutíferas, árvores, flores e gramados.

Fontes: Prefeitura de Jundiaí / Ciclo Vivo

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.