People drew maps of body locations where they feel basic emotions (top row) and more complex ones (bottom row). Hot colors show regions that people say are stimulated during the emotion. Cool colors indicate deactivated areas.

Feche os olhos e imagine a última vez que você se apaixonou. Talvez você estivesse caminhando ao lado de sua namorada(o) em um parque ou olhando nos olhos um do outro enquanto tomavam um café com leite.

Onde você sentiu o amor? Talvez você tenha sentido um friozinho na barriga ou seu coração tenha disparado de excitação.

Quando uma equipe de cientistas na Finlândia pediu às pessoas que mapeassem onde sentiam diferentes emoções em seus corpos, eles descobriram que os resultados eram surpreendentemente consistentes, mesmo entre as culturas.

As pessoas desenharam mapas de localizações corporais onde sentem emoções básicas (linha superior) e outras mais complexas (linha inferior). Cores quentes mostram regiões que as pessoas dizem serem estimuladas durante a emoção. Cores frias indicam áreas desativadas.
Imagem cortesia de Lauri Nummenmaa, Enrico Glerean, Riitta Hari e Jari Hietanen.

As pessoas relataram que a felicidade e o amor despertavam atividades em quase todo o corpo, enquanto a depressão tinha o efeito oposto: amortecia as sensações nos braços, pernas e cabeça. O perigo e o medo desencadearam fortes sensações na área do peito, disseram os voluntários. E a raiva foi uma das poucas emoções que ativou os braços.

Os cientistas esperam que esses emoticons corporais possam um dia ajudar os psicólogos a diagnosticar ou tratar distúrbios de humor.

“Nosso sistema emocional no cérebro envia sinais ao corpo para que possamos lidar com nossa situação”, disse Lauri Nummenmaa , psicólogo da Universidade Aalto que liderou o estudo.

“Digamos que você veja uma cobra e sinta medo”, diz Nummenmaa. “Seu sistema nervoso aumenta o oxigênio para os músculos e aumenta a frequência cardíaca para que você possa lidar com a ameaça. É um sistema automatizado. Não precisamos pensar nisso.”

Essa ideia é conhecida há séculos. Mas os cientistas ainda não concordam se essas mudanças corporais são distintas para cada emoção e se esse padrão serve como uma forma de a mente identificar conscientemente as emoções.

Para tentar descobrir isso, Nummenmaa e sua equipe realizaram um experimento simples de computador com cerca de 700 voluntários da Finlândia, Suécia e Taiwan.

A equipe mostrou aos voluntários duas silhuetas em branco de uma pessoa em uma tela e, em seguida, disse aos participantes para pensar em uma das 14 emoções: amor, nojo, raiva, orgulho, etc. Os voluntários então pintaram áreas do corpo que foram estimuladas por isso emoção. Na segunda silhueta, eles pintaram áreas do corpo que são desativadas durante aquela emoção.

“As pessoas acham o experimento muito divertido. É muito divertido”, Nummenmaa diz ao Shots. “Mantivemos as perguntas online para que você faça o experimento sozinho.” (Você pode tentar aqui .)

Nem todo mundo pintou cada emoção da mesma maneira. Mas quando a equipe fez a média dos mapas juntos, padrões de assinatura surgiram para cada emoção. A equipe publicou esses mapas de sensações na segunda-feira no Proceedings of the National Academy of Sciences .

A equipe ainda não sabe como essas sensações auto-relatadas combinam com as respostas fisiológicas que ocorrem com a emoção.

Mas estudos anteriores encontraram mudanças marcantes nas sensações corporais nos transtornos de humor, diz Nummenmaa. “Por exemplo, com depressão, às vezes as pessoas têm dor no peito.”

E há até alguma evidência de que quando você muda sua própria linguagem corporal – como sua postura ou postura – você pode mudar sua mente.

O neurocientista Antonio Damasio , que não esteve envolvido neste estudo, diz estar “encantado” com as descobertas de Nummenmaa porque elas oferecem mais suporte para o que ele vem sugerindo há anos: cada emoção ativa um conjunto distinto de partes do corpo, ele pensa, e o reconhecimento da mente desses padrões nos ajuda a identificar conscientemente essa emoção.

“As pessoas veem as emoções como algo em relação às outras pessoas”, diz Damásio, que é professor da University of Southern California. “Mas as emoções também têm a ver com a forma como lidamos com o meio ambiente – ameaças e oportunidades.” Para esses, Damásio diz, você precisa de seu corpo tanto quanto de sua mente.

Adaptado do site npr.org

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.