Diego Armando Maradona e Eduardo Galeano compartilhavam uma admiração mútua que não tiveram medo de expressar , fato que pode ser visto em diferentes declarações públicas e nas múltiplas referências à estrela argentina que o escritor uruguaio refletiu em suas obras.

Um dos mais ressonantes e lembrados aparece em seu livro Cerrado por Fútbol (2017), em que Galeano descreve “10” como “o mais humano dos deuses” , definição que já havia avançado no programa Los Días de Galeano .

“Maradona se tornou uma espécie de Deus sujo, o mais humano dos deuses. Isso talvez explique a veneração universal que conquistou, mais do que qualquer outro jogador. Um Deus sujo que se parece conosco: mulherengo, falador, bêbado, ganancioso, irresponsável, mentiroso, fanfarrão ” , disse Galeano.

Na mesma passagem, o escritor uruguaio referiu-se ao preço da fama e ao sucesso que Diego teve de suportar, por ser o melhor da história do futebol: “Mas os deuses não se aposentam, por mais humanos que sejam. Ele nunca foi capaz de voltar para a multidão anônima de onde ele veio. A fama, que o salvou da miséria, fez dele um prisioneiro ” , acrescentou Galeano.

“ Exitoin é uma droga muito mais devastadora do que a cocaína, embora não seja traída por exames de sangue ou urina”, concluiu o escritor no vídeo em movimento.

Em vida, cada um deles foi declarado fã do outro. Estavam unidos por ideais, pensamentos que sempre defenderam.

Em 2015, quando o “10º” soube que Galeano havia morrido, dedicou-lhe uma mensagem calorosa: “Obrigado por lutar como um 5 no meio do campo e por marcar gols contra os poderosos como um 10. Obrigado por me entender também. Obrigado Eduardo Galeano: o time precisa de muitos como você. Eu vou sentir sua falta ”.

Este 25 de novembro vai para a memória dos argentinos pela morte de Maradona. O que muitos acreditavam ser impossível finalmente aconteceu ao meio-dia de quarta-feira.

Portanto, é preciso lembrar o dia em que Galeano caiu a seus pés.

Texto de Galeano:

“Nenhum jogador consagrado tinha denunciado sem papas na língua os amos do negócio do futebol. Foi o esportista mais famoso e popular de todos os tempos quem rompeu barreiras na defesa dos jogadores que não eram famosos nem populares.

Esse ídolo generoso e solidário tinha sido capaz de cometer, em apenas cinco minutos os dois gols mais contraditórios de toda a história do futebol. Seus devotos o veneravam pelos dois: não apenas era digno de admiração o gol do artista, bordado pelas diabruras de suas pernas, como também, e talvez mais, o gol do ladrão, que sua mão roubou.

Diego Armando Maradona foi adorado não apenas por causa de seus prodigiosos malabarismos, mas também porque era um deus sujo, pecador, o mais humano dos deuses. Qualquer um podia reconhecer nele uma síntese ambulante das fraquezas humanas: mulherengo, beberrão, comilão, malandro, mentiroso, fanfarrão, irresponsável.

Mas os deuses não se aposentam, por mais humanos que sejam.

Ele jamais conseguiu voltar para a anônima multidão de onde vinha.

A fama, que o havia salvo da miséria, tornou-o prisioneiro.

Maradona foi condenado a se achar Maradona e obrigado a ser a estrela de cada festa, o bebê de cada batismo, o morto de cada velório.

Mais devastadora que a cocaína foi a sucessoína. As análises, de urina ou de sangue, não detectam essa droga.”

* * *

Adaptado de Página 12

Créditos da imagem de capa: Wikimedia Commons

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.