Maya Angelou, poeta e ativista afro-americana, juntou-se oficialmente a um seleto grupo de americanos para aparecer na moeda do governo dos Estados Unidos, anunciaram nesta segunda-feira autoridades norte-americanas.

Angelou, autora de “I Know Why the Caged Bird Sings” (Eu sei por que o pássaro canta na gaiola), será a primeira figura comemorada pelo American Women Quarters Program, que foi assinado em janeiro de 2021.

A Casa da Moeda dos EUA “começou a enviar as primeiras moedas” com a imagem de Angelou na moeda americana, uma moeda de 25 centavos, de acordo com um comunicado de imprensa da agência.

“É uma honra apresentar as primeiras moedas em circulação de nossa nação dedicadas a celebrar as mulheres americanas e suas contribuições para a história americana”, disse o vice-diretor da Mint, Ventris Gibson.

“Cada trimestre de 2022 é projetado para refletir a amplitude e a profundidade das realizações que estão sendo celebradas ao longo deste histórico programa de moedas. Maya Angelou, apresentada no verso desta primeira moeda da série, usou palavras para inspirar e elevar.”

O programa orienta a Casa da Moeda dos EUA a emitir trimestres a cada ano entre 2022 e 2025, apresentando cinco diferentes mulheres pioneiras que contribuíram para o país.

Nos últimos 90 anos, o trimestre mostrou o primeiro presidente do país, George Washington, de um lado, e uma águia do outro.

Os novos quartos – que foram cunhados na Filadélfia e Denver – mostram Washington de um lado e Angelou do outro.

As outras figuras a receber a honraria em 2022 são: Sally Ride, a primeira mulher americana no espaço, Wilma Mankiller, a primeira chefe feminina da Nação Cherokee; Nina Otero-Warren, uma líder sufragista do Novo México e Anna May Wong, uma estrela de cinema sino-americana.

Angelou, que nasceu no Missouri em 1928, foi um conhecido ensaísta e poeta que trabalhou com Martin Luther King Jr. e Malcolm X durante o Movimento dos Direitos Civis.

Angelou, que entregou o poema na primeira posse do ex-presidente Bill Clinton, morreu em 2014.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, também sinalizou apoio ao reconhecimento da ex-escrava e abolicionista Harriet Tubman na moeda americana.

O ex-presidente Barack Obama lançou um projeto para colocar o rosto de Tubman na nota de US$ 20, mas ficou paralisado sob o governo de Donald Trump.

Colocar Tubman, uma mulher negra que escapou da escravidão e se tornou líder do movimento abolicionista pré-Guerra Civil, na nota de US$ 20 seria uma “honra”, mas projetar notas leva tempo, disse Yellen em setembro.

Informações ESTADÃO

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.