Desde a manhã de domingo que familiares, amigos e moradores de toda Goiânia vem ajudado como podem na busca pela adolescente Luana Marcelo Alves, de 12 anos. A jovem desapareceu ao deslocar-se de sua casa para a padaria que fica a menos de 500 metros de sua casa.

A mãe de Luana, diarista Jheiny Hellen, de 31 anos, disse à reportagem que a sua filha saiu de casa para ir à padaria com apenas R$ 10 reais e que de pronto estranhou a demora da filha. Bem comportada, ela nunca saía de casa sem avisar e não passava, segundo a mãe, por qualquer problema de saúde.

As autoridades policiais começaram as buscas ainda no domingo, sem, contudo, encontrar a menina.

Pelas imagens das câmeras de segurança ao longo da rua que ela percorreu a caminho da padaria, podemos notar que ela sai da padaria com uma sacolinha na mão, entrando, em seguida, na rua de sua casa. São as últimas imagens de Luana.

Na manhã de hoje, um dos suspeitos confessou o crime e deu a localização do corpo. O ajudante de pedreiro Reidimar Silva confessou à Polícia Civil, nesta terça-feira (29), que matou a menina Luana Marcelo Alves, de 12 anos, enforcada e detalhou como a convenceu a entrar no carro dele: dizendo que devia dinheiro aos pais dela e iria fazer o pagamento. Luana estava desaparecida após sair para comprar pão e não voltar para casa, em Goiânia.

Reidimar, de 31 anos, levou os policiais ao quintal de casa, nesta terça-feira (29), onde disse ter enterrado o corpo de Luana. Sendo gravado pela equipe da polícia, ele disse que não violentou a menina, mas usou drogas antes do assassinato.

“Falei para ela que estava devendo dinheiro aos pais dela e que iria passar o dinheiro para ela. Falei que ia levar ela na casa dela. Eu matei ela enforcada“, detalhou o suspeito.

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.