Para que seu filho diga a verdade, é melhor não puni-lo ou ameaçá-lo quando ele mente. Foi isso que foi descoberto em um experimento recente, liderado pela professora Victoria Talwar, do Departamento de Educação e Aconselhamento Psicológico da Universidade McGill, na qual participaram 372 crianças entre 4 e 8 anos de idade.

O experimento foi assim: um pesquisador entrou com cada criança em uma sala onde havia uma câmera escondida. Ele lhe disse que havia um brinquedo atrás dele, mas ele não deveria se virar por um minuto em que estivesse do lado de fora.

Ao retornar, os pesquisadores perguntaram às crianças se elas haviam obedecido às instruções. Os resultados foram os seguintes: pouco mais de dois terços do total virou para ver o brinquedo (251 crianças de 372, ou seja, 67,5%), sendo as de mais idade as que menos se viraram.

Quando perguntados se eles haviam obedecido às instruções, 167 das 251 crianças que ignoraram disseram que sim (equivalente a 66,5%). O mais interessante para os pesquisadores foi que as crianças mostraram menos propensão a dizer a verdade quando sentiram medo de serem punidas. Por outro lado, quando solicitados a dizer a verdade simplesmente agradando os adultos, ou porque era a coisa certa, as crianças ficavam mais confortáveis e com mais ânimo em ser sinceros.

Por outro lado, verificou-se que quanto mais jovens as crianças, mais se concentravam em dizer a verdade para agradar aos adultos, enquanto as crianças mais velhas demonstravam ter normas de comportamento internalizadas, o que as fazia dizer a verdade porque consideravam ser correto. “O castigo não promove a busca da verdade. De fato, a ameaça da pena pode ter um efeito oposto ao reduzir a probabilidade de as crianças dizerem a verdade quando foram incentivadas a fazê-lo ”, afirmou Victoria Talwar.

Fonte: McGill

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.