Todas as crianças mentem em algum momento, mas é importante entender por que o fazem e tomar as medidas adequadas se isso começar a se tornar um problema.

Como pais, gostaríamos que nossos filhos nunca mentissem para nós, tivessem plena confiança em nós e sempre falassem com a verdade. Para transformar isso em realidade, é essencial incutir neles alguns hábitos, além de sempre agir pelo exemplo.

Primeiro de tudo, você precisa entender que as mentiras fazem parte do desenvolvimento mental de uma criança. No entanto, quando se trata de uma criança pequena, o seguinte risco deve ser levado em consideração: se perceber que alterar a realidade obtém um benefício, aprenderá que está livre de suas responsabilidades, algo que, atingindo a adolescência, pode têm implicações muito mais sérias, sem mencionar o que aconteceria ao atingir a idade adulta.

Por que as crianças mentem?

Segundo o psicólogo infantil Juan Pedro Valencia, essas são as razões pelas quais uma criança conta mentiras, de acordo com a idade:

Menos de 3 anos
Nesta fase, as crianças não mentem, mesmo quando dizem coisas que não são verdade, porque para elas, o que dizem é verdade e isso lhes basta.

Entre 3 e 5 anos
As mentiras não são conscientes, mas fazem parte de seus jogos e histórias cheias de fantasia. Nesta fase, a mentira nada mais é do que um elemento adicional do jogo e não devemos dar grande importância a ela, a menos que se mova para seu comportamento habitual ou se torne uma maneira de obter o que deseja.

Outras vezes eles contam mentiras apenas por imitação. Lembre-se de que as crianças são como esponjas e absorvem muito do que vêem em nosso comportamento, incluindo o fato de mentir.

Também é frequente que, como pais, elevemos muito alto nosso nível de exigência, o que pode influenciar de tal maneira que, não podendo cumprir, eles mintam para evitar nos decepcionar.

5 anos ou mais
Nessa idade, eles começam a mentir conscientemente, porque já sabem distinguir entre o que é verdadeiro e o que é falso, embora ainda não estejam claros que a mentira é errada. Mentiras podem ser causadas por insegurança, falta de auto-estima – algo que eles tentam esconder através de mentiras – ou ver as reações dos adultos e ver até onde podem ir.

Mentiras também podem ser um sintoma que nos fala sobre a personalidade de nosso filho. Estes seriam alguns exemplos disso:

• A criança tímida que mente por não poder enfrentar uma realidade desconfortável

• A criança agressiva que mente para causar danos a alguém

• A criança medrosa que mente tentando fugir de alguma situação ameaçadora (real ou fictícia)

Como saber se a criança mente?

Muitas vezes, é muito difícil para os pais saberem se as crianças estão dizendo a verdade, no entanto, deve-se considerar o seguinte: quando dizem a verdade, geralmente ficam relaxadas e suas expressões faciais correspondem a isso.
Quando mentem, sua expressão facial pode refletir ansiedade. Como pais, devemos ser muito cuidadosos e atentos ao ouvir o que nossos filhos dizem. Existem contradições no que eles dizem? Suas palavras fazem sentido? O que eles dizem é credível? Se seu filho está dizendo a verdade, as palavras dele não parecerão ter sido ensaiadas; se o que ele disser parecer que ele ensaiou, é melhor fazer algumas perguntas para ver como ele reage.

O que fazer se meu filho mentir?

Antes de tudo, é importante descobrir por que ele faz isso, para que possamos corrigir algo em nós mesmos que possa estar influenciando seu comportamento. Se a tendência a mentir é um tanto excessiva, devemos considerar a opção de recorrer a um profissional para analisar o problema em profundidade e nos guiar na maneira de resolvê-lo.

O próprio Juan Pedro Valencia nos dá as seguintes recomendações para evitar, tanto quanto possível, as mentiras de nossos filhos:

• Que eles nos vejam como pessoas honestas. Como tentamos convencê-los a dizer a verdade se eles veem que mentimos regularmente? Ações tão simples como dizer “Se for para mim, diga que não estou”, quando nos toca o telefone, ou mesmo atender o celular e dizer que está em outro lugar, são suficientes para gerar confusão em nossos filhos, se mais tarde o censurarmos por fazer algo semelhante.

• Gere em casa um clima de harmonia e confiança, no qual você tenha certeza absoluta de que pode conversar sobre qualquer assunto com tranquilidade.

• Explique o mais claramente possível a diferença entre verdade e mentira. Isso é particularmente importante em idades precoces.

• Reconheça e reforce os momentos em que ele diz a verdade, especialmente aqueles nos quais ele responde com mais dificuldade por implicar no risco de uma possível punição. No entanto ensine que: é algo muito positivo que confesse ter agido mal, mas isso não significa que não mereça punição. É muito importante separar claramente quais são as conseqüências do comportamento inadequado e do reconhecimento por ter tido a coragem de dizer a verdade.

• Evitemos reações excessivas quando descobrirmos que a criança nos mentiu e tentar discutir com ela o acontecido em privado.

• Explicar o mais claramente possível o que esperamos dele no que se refere ao cumprimento das normas. Asseguremos que ele tenha conseguido entender muito bem a relação entre seu comportamento e as consequências.

• Encontre uma maneira de criar oportunidades para ele agir honestamente.

• Cuidar para que as consequências de um comportamento inadequado sejam as correspondentes: uma punição excessiva por um comportamento errado pode ser tão inconveniente quanto recompensar um comportamento positivo.

• Contar mentiras nem sempre é algo que devemos punir; às vezes é melhor saber as razões pelas quais ele mentiu; Isso nos dá a oportunidade de explicar o valor da sinceridade.

• Vamos manter a calma. O medo de que nosso filho nos tenha mentido pode nos levar a reagir com ansiedade excessiva, o que pode ser contraproducente.

Fonte: Todo papas – via Psicologia para niños

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.