Toda a história do homem é um esforço para quebrar sua solidão.” (Norman Cousins, Modern Man is Obsolete)

No mundo de hoje, com todas as tecnologias construídas para nos conectar, a solidão, alguém poderia pensar, seria facilmente quebrada. Mas quanto mais somos atraídos para os mundos virtuais das mídias sociais, pior nos sentimos. Para explicar isso, sugere-se que o meio é o problema. Nós nos tornamos excessivamente confiantes na conexão através de nossos dispositivos, em detrimento de formas mais tradicionais de interação social. Mas, embora haja alguma verdade nessa afirmação, neste artigo vamos expor o argumento de que é um vazio interior, ou a falta de um senso de si bem definido e efetivo, que é a causa raiz do problema da solidão experimentada por muitos em nossos dias.

O senso de si mesmo pode ser visto como existente em um espectro. De um lado desse espectro estão aqueles com um forte senso de identidade, tais pessoas sentem que têm um lugar no mundo, sabem o que querem com suas vidas e tomam as ações necessárias para se mover na direção de seus objetivos. Do outro lado do espectro estão aqueles com um fraco senso de identidade, estes são os homens e mulheres vazios. Esses indivíduos carecem de uma concepção clara do que querem com sua vida, não têm objetivos de longo prazo para estruturar seus dias e, assim, sentem-se impotentes para influenciar positivamente sua situação. Essas pessoas tendem a se deslocar pela vida de maneira passiva, seguem o caminho da menor resistência e são frequentemente prejudicadas por dúvidas existenciais.

Esse problema do vazio, que hoje aflige tantos no Ocidente, é um sintoma de uma sociedade em um período de fluxo. Pois o próprio eu, ou a falta dele, é influenciado pelas estruturas sociais do próprio dia. No Ocidente, muitas das instituições que no passado ajudaram as pessoas a encontrar o seu lugar no mundo caíram para o lado do caminho. O declínio do cristianismo, por exemplo, deixou o Ocidente carente de um mito religioso ou cultural ao qual as pessoas podem recorrer para encontrar um lugar neste mundo e um significado para sua vida. O crescimento do estado também tem sido uma força que contribuiu para essa patologia do vazio. Pois a ascensão do Estado levou à destruição de comunidades menores e à degradação da unidade familiar, que durante milênios foram forças integrais no desenvolvimento da individualidade de alguém.

Mas o que realmente exacerbou esse problema para as gerações mais jovens são condições econômicas desfavoráveis. Pois mesmo se alguém se esforçasse para encontrar um significado mais profundo para a sua vida em meados do século 20, pelo menos poderia recair no chamado sonho americano e estabelecer uma carreira estável, comprar uma casa e criar uma a família poderia desenvolver um senso de auto mais ou menos adequado. Mas, na maior parte, esse sonho está morto e a confluência de todas essas forças criou uma sociedade cheia de homens e mulheres ocos.

Uma sociedade infligida por uma patologia do vazio também é uma sociedade cheia de indivíduos ansiosos. Pois, se nos sentimos incapazes de exercer controle sobre nossa vida e incertos de nossa capacidade de enfrentar os desafios de nosso ambiente, então a ansiedade é uma resposta natural. E para o homem oco esta ansiedade é mais fortemente sentida durante períodos de solidão. Se não temos outras pessoas por perto para nos apoiar, ou para nos distrair, então nossos pensamentos se voltam para dentro e isso faz com que o vazio entre nós se torne consciente de seu vazio interior. Portanto, ao contrário de um indivíduo com um senso de self forte e individualizado, para quem períodos de solidão podem ser rejuvenescedores, a solidão para o homem oco é experimentada como uma solidão dolorosa e algo de que ele deve fugir.


Em gerações passadas, o homem oco se voltava para o conforto e a segurança de amigos e familiares, ou participava de eventos sociais, para evitar a ansiedade que era desencadeada em momentos de solidão. Mas, nos dias de hoje, nem precisamos deixar o conforto de nossa casa para encontrar as conexões sociais necessárias para bloquear a consciência de nosso vazio. Em vez disso, precisamos apenas nos voltar para o brilho reconfortante de nossos telefones e nos imergir nos mundos virtuais das mídias sociais. Podemos até chegar a construir um pseudo-eu para mascarar nossa natureza vazia. Ao publicar seletivamente pequenas informações sobre nossa vida on-line, podemos fingir ser alguém que não somos e nos alimentarmos da validação social oferecida pelos outros que participam desse jogo.

Esse mecanismo defensivo, usado pelo homem ou mulher oco, por meio do qual eles fogem para o conforto da multidão para evitar a ansiedade desencadeada em momentos de solidão, também é utilizado por indivíduos pré-psicóticos na tentativa de evitar uma ruptura psicótica. Em seu magnus opus Interpretation of Schizophrenia, Silvano Arieti descreve como esse processo se desdobra no caso dos esquizofrênicos:

“Em alguns casos, a esquizofrenia começa com um período de confusão, excitação e agitação. O paciente parece estar ansioso para fazer contatos, para alcançar todas as pessoas que ele conhece, para se reconectar com o que lhe parece um mundo em fuga. Ele procura algo que não consegue encontrar. ”(Silvano Arieti, Interpretation of Schizophrenia)

O que o esquizofrênico está procurando também é o que falta ao homem oco – um senso seguro de si mesmo. “Em sua forma extrema”, escreve o psicólogo Rollo May, “esse medo de perder o [próprio] é o medo da psicose”. ( Rollo May, A Busca do Homem para Si Mesmo)A virada externa para a segurança do mundo social geralmente falha em proteger alguém à beira de uma ruptura psicótica, e assim também a virada para o mundo das mídias sociais acaba por falhar em proteger o homem oco de sua ansiedade e solidão.

Essa solução é como colocar um band-aid em um ferimento à bala, já que a validação social que é obtida através do uso de mídia social é tão vazia quanto as pessoas que o concedem. Pois, como Rollo May observou em seu livro Man’s Search for Himself, o vazio entre nós “está fadado a se tornar mais solitário, não importa o quanto eles“ se apoiem ”; para pessoas ocas não tem uma base para aprender a amar. ”( Rollo May, A Busca do Homem para Si Mesmo ) Mas o que torna essa defesa contra o vazio particularmente prejudicial é que ela impede que as pessoas tomem as medidas necessárias para lidar com a falta de um eu.

“O ser humano não pode viver em uma condição de vazio por muito tempo: se ele não está crescendo em direção a algo, ele não meramente estagna; as potencialidades reprimidas se transformam em morbidez e desespero, e eventualmente em atividades destrutivas. ”( Rollo May, A Busca do Homem para Si Mesmo )


O verdadeiro antídoto para um vazio interior é descobrir o que realmente queremos com a nossa vida e tomar as ações necessárias para trazer esse eu e a vida à existência. Para conseguir isso, devemos estar dispostos a enfrentar nossa solidão e a ansiedade que a acompanha – pois a solidão, como Edward Edinger colocou em seu livro Ego and Archetype (Arquétipo), é “um precursor da experiência positiva da solidão” (Edward Edinger). E é em períodos de solidão que podemos começar a aprender quem somos e o que queremos com a nossa vida. Este processo é resumido pelo arquétipo da jornada do herói, ou como Joseph Campbell explica:

“O chamado é deixar uma certa situação social, entrar em sua própria solidão e encontrar a jóia, o centro que é impossível encontrar quando você está envolvido socialmente. . Esta é a partida quando o herói sente que algo se perdeu e vai encontrá-lo. . O primeiro passo, o desapego ou a retirada, consiste em uma transferência radical de ênfase do mundo externo para o interno. . .uma retirada dos desesperos da terra devastada para a paz do reino eterno que está dentro. Mas esse domínio, como sabemos da psicanálise, é precisamente o inconsciente infantil. É o reino em que entramos no sono. Nós carregamos dentro de nós para sempre. . . todas as potencialidades de vida que nunca conseguimos trazer para a realização adulta, aquelas outras partes de nós mesmos, estão lá; porque tais sementes de ouro não morrem. ”(Joseph Campbell, um Joseph Campbell Companion: reflexões sobre a arte de viver )

Enfrentar nossa solitude e cultivar as sementes douradas de nosso ser não é tarefa fácil, pois exige que tomemos o passo corajoso de diminuir nossa necessidade de validação social. Para desenvolver um forte senso de identidade, devemos nos distinguir psicologicamente de nossos pares. Cada um de nós é único, temos diferentes talentos inatos, gostos e desgostos, e assim, à medida que fortalecemos nosso senso de identidade, é inevitável que nos tornemos menos parecidos com aqueles que nos rodeiam.

Mas não devemos pensar que esse processo nos transformará em forasteiros que rejeitam o mundo social. Em vez disso, aqueles que cultivam um forte senso de si só melhoram suas habilidades sociais e enriquecem seus relacionamentos. Pois uma pessoa que possui a força interior associada a um eu bem definido não será retida em suas interações sociais pela ansiedade ou pela necessidade de validação. Em vez disso, um forte senso de identidade nos libertará para nos comportarmos com a espontaneidade, que é uma das características humanas mais atraentes. E como a etimologia da palavra implica, agir espontaneamente significa agir de acordo com a nossa vontade, algo que só é possível depois de termos desenvolvido um forte senso de identidade.

Se nos atrevermos a fazer essa jornada, nem todos irão aprovar e algumas das pessoas que consideramos amigas podem até nos tratar com desdém. Pois ver um homem mover-se além das correntes de seu vazio só torna o homem oco mais consciente de sua natureza estéril.

“Injustiça e imundície eles lançam atrás do solitário: mas, meu irmão, se você fosse uma estrela, você não deve brilhar menos para eles por causa disso. E cuidado com os bons e justos! Eles gostam de crucificar aqueles que inventam suas próprias virtudes – eles odeiam os solitários. ”( Nietzsche, Zaratustra )

 

Esse artigo é uma transcrição traduzida do vídeo Social Media and The Psychology of Loneliness do canal Academy of Ideas

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.