Ele marcou o gol que deu ao Egito a classificação para a Copa do Mundo na Rússia depois de 28 anos sem marcar presença no torneio de futebol mais importante do mundo.

“You Will Never Walk Alone”, o hino oficial do Liverpool da Premier League inglesa, não foi a única coisa que os fãs desta equipe cantaram no lendário estádio Anfield Road na temporada passada. Eles também gritaram alguns dos 42 gols que o atacante egípcio Mohamed Salah marcou em favor deste time no campeonato inglês e na Liga dos Campeões.

Isso o levou a lutar pela Chuteira de Ouro (reconhecimento dado ao artilheiro em um ano nas ligas européias), polegada a polegada, com outra trinca, o argentino Lionel Messi FC Barcelona. No final, o último foi o vencedor, mas Salah deslumbrou o mundo inteiro, implantando um futebol espetacular, uma habilidade que poucos defensores podiam parar e uma fome de vitória que parecia voraz em cada jogo. Sua atuação no Liverpool foi totalmente contrária à primeira aventura que ele teve na Inglaterra quando jogou pelo Chelsea, no qual ele teve poucas oportunidades e brilhou pouco.

Qual é a história do atacante nascido em 15 de junho de 1992 em Gharbia, no Egito, uma cidade localizada a cerca de 130 quilômetros do Cairo, dentro de uma família de classe média, e que muitos chamaram de “Messi egípcio”?

Desde muito jovem, Mohamed foi atraído pelo futebol e em particular por três jogadores: o brasileiro Ronaldo Nazario, o francês Zinedine Zidane e o italiano Francesco Totti. Depois de passar por várias equipes para crianças e jovens, o clube Al Mokawloon percebeu seu enorme talento e o fez debutar em 2010 na Premier League do Egito antes de atingir a maioridade.

Do Egito para a Europa

Seu bom desempenho atraiu a atenção de vários telespectadores e, alguns anos depois, Salah deu o salto para a Europa graças ao Basel da Suíça, que o levou para suas fileiras cativado por sua habilidade e capacidade de golear. Mas o desempenho fora de seu país natal foi modesto: 9 gols em 47 aparições.

No entanto, o egípcio chamou a atenção de um gigante do continente: o Chelsea, que na época era dirigido pelo português José Mourinho. Salah aceitou a oferta e voou para Londres, mas os três gols marcados na temporada 2013-14 não foram suficientes para uma liga tão exigente quanto à inglesa, então regressou ao Basel.

Neste período foi quando Salah se tornou pai com o nascimento de sua filha Makka (o nome refere-se a Meca – Meca em árabe – o lugar mais sagrado do mundo islâmico por ser o berço de Maomé). Mohamed é um devoto islamista, assim como sua esposa Maggi.

A segunda temporada na Suíça foi um pouco melhor para o canhoto: 12 gols em 31 jogos. O Chelsea não desistiu e queria tirar um pouco mais do habilidoso garoto: o pediu novamente na atribuição para a temporada 2014-2015, mas Salah ficou em branco nesta segunda tentativa, jogando apenas oito jogos. O quadro de londrino procurou alojamento em outro lugar. Disposto a seguir sua carreira em uma liga de renome, Mohamed Salah saltou para a Liga da Itália com o time da Fiorentina, um clube que dependia de seu talento.

Foi na Itália que o egípcio encontrou seu melhor futebol: em 26 jogos com o “Fiore”, ele marcou nove vezes. Seus dons abriram as portas de um grande do país: a poderosa Roma, que precisava de um jogador que definiu, mas também contribuiu dando passes para o gol. Em dois anos no quadro da capital italiana, o jogador fez 32 gols. Em Roma, ele deu vários dos melhores jogos de sua vida e conquistou os fãs, que o construíram como um dos seus grandes ídolos. Ele também teve a oportunidade de compartilhar camisas com Francesco Totti, emblema da instituição romana e um dos jogadores mais admirados pelos africanos.

No entanto, isso não foi suficiente para Salah manter a lealdade à mesa romana e acabou se rendendo à oferta milionária de 42 milhões de euros de outro grande da Inglaterra: Liverpool, cujo técnico Jürgen Klopp queria ter o egípcio em sua nova equipe, como o jogador de referência na frente.

Enquanto isso, em 2017, a BBC reconheceu-o como o melhor jogador Africano do ano. Durante a cerimônia de premiação, Salah, que sempre se destacou como um tipo tranquilo e discreto, declarou que seu objetivo era se tornar o melhor jogador egípcio da história.

Para a conquista da Inglaterra

Ansioso por uma revanche com ele mesmo na Premier League da Inglaterra, Salah retornou à ilha britânica para vestir a camisa do Liverpool e brilhar como nunca antes em sua carreira. Sua chegada em Anfield Road causou uma revolução: no final da temporada, ele foi premiado com o prêmio de artilheiro, foi nomeado como o melhor jogador do ano e seus objetivos significaram alegrias e vitórias importantes para a equipe de Jürgen Klopp, que antes do início da temporada, havia dito: “Eu não quero ver você nos lados criando oportunidades para seus companheiros de equipe. Eu quero que você seja o homem principal. Você será o artilheiro desta equipe, então você deve atacar do centro. ”

Entre as inúmeras memórias que o jogador e os fãs têm da temporada 2017-18, há sem dúvida as semifinais da Liga dos Campeões contra sua antiga equipe, a Roma, na qual “o faraó” contribuiu com dois excelentes gols e duas assistências para dar a sua equipe o passe para a final contra o Real Madrid.

Neste jogo final desenvolvido na cidade de Kiev, na Ucrânia, o Liverpool seria derrotado em frente ao time espanhol. Deixando de lado o resultado, o destaque foi a lesão do egípcio em uma jogada controvertida com o zagueiro Sergio Ramos, que aparentemente lesionou intencionalmente o atacante, causando sua substituição no jogo. No Egito, milhares de fãs não só pediram uma sanção para o espanhol como ameaçaram acabar com sua vida.

Salah, o herói nacional

Egito e Congo empatavam em 1 a 1 no Estádio Nacional, no Cairo. A festa era sofrida e cheia de suspense. Aos 95 minutos, o árbitro marcou um pênalti em favor dos egípcios que causou a euforia entre os torcedores. Salah levou a bola e com ela a responsabilidade de levar seu país para uma Copa do Mundo após 28 anos de ausência. O egípcio foi delineado diante dos olhos expectantes de sua nação e com a perna esquerda ele mandou a bola para o fundo do gol. Com isso, “os faraós” receberam a tão esperada passagem para a Rússia.

Fonte: Cultura Colectiva

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS