É muito frequente confrontar-se com relacionamentos que mostram que o que um homem tenta encontrar em sua parceira é mais parecido com o que ele esperaria de uma mãe do que o tradicionalmente associado a uma mulher como companheira.

A mulher, por sua vez, em alguns casos, sente-se satisfeita em atender às necessidades maternas de seu parceiro, sentindo-se sua principal provedora de afeto e suprindo os requisitos vitais. Geram laços de dependência e se tornam indispensáveis ​​para seus parceiros.

Em outros casos, há outro perfil de uma mulher que só quer ser mãe de seus filhos, caso os tenha, e que pretende uma relação mais equilibrada em termos de responsabilidades e papéis. Normalmente, esse tipo de mulher será aquela que exige tempo para si, aquela que é economicamente independente, aquela que ocupa seu tempo em atividades que a preenchem.

Isso não significa que esse tipo de mulher não participe, não consinta ou não se preocupe com o parceiro. Só que isso pode diferenciar seu papel de mulher e seu papel de mãe.

Não poderia se generalizar quanto às causas que faz com que o homem vá atrás de uma mãe substituta, porque há muitas justificativas:

• Ele não teve em sua vida a presença de uma mãe cuidadora ou que lhe tenha dedicado um tratamento de qualidade, ou pelo menos essa é a sua crença.

• Ele vem de uma casa de consentimento e, talvez, com uma predominância de comportamentos machistas, onde recebia tudo o que precisava das figuras femininas em sua casa e isso era natural.

• Ele não sabe como cuidar de si mesmo.

• Ele prefere que alguém cuide dele, inclusive quando o restante das responsabilidades é compartilhado.

• Se sentem eternamente filhos e só buscam substitutos do cuidado e do afeto materno.

Cada um é a consequência de suas crenças, de sua formação, de sua educação, dos valores e princípios que lhe instilaram e adquiriram ao longo do caminho. Para todas as pessoas que emanam uma vibração, existe uma alma colaborativa que está disponível para materializar o seu desejo e nós não tentamos julgar ou criticar qualquer posição.

O que vale a pena lembrar é que as mulheres não devem se tornar mães de seus parceiros, menos freqüentemente ocorre o contrário, o que também não é saudável para um relacionamento. As ligações devem ser baseadas em coisas diferentes ao que alimenta uma relação mãe-filho e o homem que está procurando alguém para substituir sua mãe deve avaliar o que se perde por não procurar uma mulher que o acompanhe e o apoie a cada dia a todos ser um homem melhor e talvez não um filho melhor (pelo menos não dela).

Por: Sara Espejo – Rincon del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.