Os incêndios que devastam a Austrália há vários meses resultaram na morte e ferimentos de várias pessoas, na destruição de casas e edifícios e na perda de milhões de hectares de floresta.

Além disso, as chamas também causaram a morte de um grande número de animais . Embora seja muito difícil estabelecer quantos espécimes perderam a vida nos incêndios, estima-se que cerca de meio bilhão de mamíferos, aves e répteis morreram de setembro a hoje.

Entre as espécies mais afetadas estão certamente coalas , mas também cangurus, gambás, wombats e morcegos são dizimados.

O calor tórrido e a falta de fontes de alimentos estão, por exemplo, pressionando a população de morcegos , importantes polinizadores noturnos: a associação Native Wildlife Rescue resgata centenas deles todos os dias, mas, infelizmente, muitos estão morrendo pelos incêndios.

Um vídeo angustiante mostra dezenas de cangurus fugindo das chamas : o grupo foi filmado enquanto percorria as pastagens perto da vila de Bredbo, numa tentativa desesperada de encontrar abrigo.

Muitos animais nas fazendas também foram feridos ou mortos por causa dos incêndios.
Steve Shipton, criador de Coolagolite, foi forçado a matar 20 de suas vacas gravemente feridas devido às chamas que atingiram sua propriedade.

O agricultor, após ter verificado junto com um veterinário a gravidade das queimaduras relatadas pelos espécimes do rebanho, decidiu atirar nos animais para evitar mais sofrimentos.

Quanto à vida selvagem, de acordo com Mike Letnic, professor de biologia da Universidade de Sydney, não há certeza de que os animais que sobreviveram aos incêndios serão capazes de recolonizar a área .

Muitos dos incêndios continuam fora de controle devido ao clima particularmente seco e aos ventos fortes, e somente quando o fogo estiver completamente extinto será possível calcular os danos à vida selvagem e prever a capacidade de recuperação das espécies.

Fonte: GreenMe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.