Do site La Mente es Maravillosa

Não levantando a voz fará sermos melhor entendidos. O grito assola e humilha, tornando-se assim um tipo de comunicação agressiva bastante comum em muitas dinâmicas familiares . O grito não educa ou constrói um relacionamento saudável, pelo contrário, o grito muitas vezes se torna o tipo mais comum de abuso invisível.

Albert Mehrabian é um psicólogo especialista em comunicação não verbal. Na maioria de seus trabalhos sobre o assunto, ele enfatiza a relevância do tom ao manter um diálogo empático e ao mesmo tempo assertivo. Tanto que, em qualquer processo comunicativo, apenas 7% do significado se deve às palavras, o resto depende do tom da voz e da linguagem corporal.

Uma voz cheia de raiva e desprezo nunca compreenderá a dominação sutil daquela voz clara que sabe ser entendida com respeito e delicadeza. A comunicação é uma arte que nem todos sabem usar.

Acreditamos ou não todos cometemos erros ao nos comunicarmos . As ironias, os duplos sentidos, os gritos e a incapacidade de fazer uso efetivo da comunicação emocional são, sem dúvida, os fatos mais comuns. Nós convidamos você a refletir sobre isso.

Nós nunca devemos levantar a voz a uma criança

O estilo comunicativo com o qual uma criança é educada geralmente tem uma grande implicação em seu desenvolvimento pessoal e emocional. É comum, por exemplo, nos encontrarmos em salas de aula com alunos retraídos caracterizados por baixa auto-estima, devido aos pais que habitualmente exercem uma comunicação agressiva baseada em comandos e ameaças.

Não é a coisa certa. Agora, um fato que devemos levar em conta é que, muitas vezes, podemos perder a paciência e acabar aumentando o tom para com os pequenos. Não é necessário “ser pais autoritários” para cometer o erro de recorrer a um grito para a criança obedecer. Todos nós sabemos disso e sempre tentamos que algo assim não aconteça.

Consequências de gritar com as crianças

Especialistas em terapia comportamental infantil nos dizem a necessidade de não gritar com nossos filhos ou alunos pelas seguintes razões:

• Toda vez que você vai realizar um comportamento, pare para pensar sobre as conseqüências que isso pode causar na criança. Nós somos o seu modelo para imitar.

• Educar com gritos fará a criança se amedronte e obedeça a princípio, mas pouco a pouco uma “tolerância” será gerada. Teremos que gritar mais e, muito provavelmente, eles também gritarão para nós.

• O grito acaba se tornando um modelo de comunicação que nossos filhos vão assumir ao longo do tempo.

• O uso abusivo do grito traz outras conseqüências: a criança deixará de relacionar aquele tom alto à raiva, deixará de ter empatia com as pessoas e entenderá quando alguém estiver com raiva ou quando falarem com ele normalmente.

• Os gritos são um tipo de abuso, devemos ter isso claro. A comunicação persistente baseada em gritos em muitos casos gera baixa autoestima e depressão em adolescentes, como revelado em um estudo realizado na Universidade de Michigan (Estados Unidos).

Abaixe o tom, melhore seu argumento

Num casal, os gritos podem ser agulhas reais que estão presas dentro de nós para ferir nossa integridade e sangrar a auto-estima. É um comportamento destrutivo que não devemos tolerar. Porque quem te ama te respeita, quem te ama não te ataca e a comunicação agressiva é abuso real.

Também é verdade que às vezes há alguém que se acostumou a elevar a voz, pensar que só gritando sempre imporá sua verdade e sua razão, por isso, é necessário que reflitamos sobre a necessidade de diminuir o tom, melhorar o argumento e fazer uso de comunicação emocional. Estes seriam os pilares básicos:

Descreva comportamentos e não pessoas

O simples fato de que nos comparem com outras pessoas é sem dúvida uma falta de habilidade emocional e comunicativa: (você é como o primo de fulano, tão bobo, você é como meu colega de trabalho, tão falso)

Não é apropriado, não faça ou permita que seja feito com você. É mais construtivo saber argumentar e definir comportamentos: “Eu não acho que você está sendo sincero comigo, você não precisa atacar a minha integridade psicológica, física ou moral, basta expor seus argumentos”.

Faça uso de verbos que te permitam se conecte emocionalmente

As emoções são contagiosas e as palavras são uma autêntica canalização de emoções positivas que todos temos à nossa disposição. Por que não as usamos?

• Eu gosto que…

• Eu penso que …

• Eu gosto de como

• Sinto que…

• Parece-me que…

Um tom que traga calma

Com um tom apropriado, você pode seduzir, acalmar, oferecer confiança e criar uma proximidade apropriada. Um choro, ao contrário, fará com que você gere raiva, desconfiança e medo em seu interlocutor. Não é construtivo ou respeitoso e, portanto, você deve gerenciar suas próprias emoções e ter controle sobre esse aspecto. As palavras calorosas, relaxadas e dotadas de um bom argumento e respeito, são laços que nos unem às pessoas que amamos.

A verdadeira comunicação não ocorre falando ou gritando, a comunicação sempre começa a saber ouvir do coração.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.