Adaptado do Nos Pensées

Freqüentemente, partimos em mil pedaços para que os outros permaneçam inteiros, para não abrir feridas ou não permitir que outros acentuem as feridas ainda abertas.

Fazemos isso sem perceber, ou melhor, sem prestar atenção.

Quando nos acostumamos a dar sem receber , acabamos pensando que cuidar de si mesmo é egoísta, mas não há nada mais errado.

A troca é essencial em qualquer relacionamento e para todos como um ser emocional.

Amar a si mesmo é algo que precisamos cultivar dia após dia para nos manter inteiros. Assim, desmontar em pedaços pequenos causa diretamente sofrimento, o que nos impedirá de, eventualmente, dar o melhor de nós mesmos

Quando nos quebramos em mil pedaços?

• Quando desistimos de cuidar de nós mesmos.

• Quando evitamos fazer coisas que realmente gostamos.

• Quando paramos de cuidar de nós mesmos ou sempre adiamos nossos interesses.

• Quando já não nos ouvimos, precisamos de ajuda.

• Quando colocamos as necessidades dos outros antes das nossas .

• Quando competimos para ser “perfeitos” e deixarmos de ser nós mesmos.

• Quando tentamos agradar e inventar nossa realidade ou nossa opinião.

• Quando esquecemos nosso equilíbrio e nos forçamos a colocar os desejos dos outros em primeiro lugar.

• Quando transformamos sacrifício em obrigação.

• Quando acreditamos nas pessoas erradas, porque estamos tentando levantar a cabeça, respirar e fugir de uma atmosfera abafada.

• Quando cedemos à chantagem reivindicando favores e impedindo nosso desenvolvimento.

• Quando sacrificamos nosso bem-estar e nos deixamos levar pela inércia da pessoa que nos acompanha, afastando assim o que gostamos, para que os outros se sintam bem.

É complicado. É por isso que devemos escolher o equilíbrio entre paixões, cuidado e dedicação a si e aos outros. Se conseguirmos, lucraremos com toda uma essência, sem exceções.

Às vezes temos que esquecer como nos sentimos para lembrar o que merecemos

Quando não alcançamos a reciprocidade , tornamo-nos agressivos em relação ao princípio do equilíbrio, que devemos manter para permanecermos inteiros e não nos separarmos em mil pedaços.

É importante lembrar que relacionamentos afetivos não são apenas uma interação simples , porque também exigem uma troca equilibrada e satisfatória que compensa nosso equilíbrio emocional e social.

Em outras palavras, não podemos compor nossas interações apenas com o verbo “dar”, porque também devemos garantir que haja um equilíbrio graças ao verbo “dar”.

Esta não é uma reação egoísta, mas, pelo contrário, enriquecedora.

Quem dá tudo pelos outros não recebe nada em troca e não cuida de si. E acaba se sentindo vazio e dolorido.

Não podemos deixar de lado nossa autoestima para semear a felicidade dos outros , porque acabaremos nos tornando o carrasco de nossa vida.

É possível se cuidar sem deixar os outros de lado, ou seja, mantendo o equilíbrio equilibrado, na mesma linha e sob a mesma interseção.

Dar e receber fazem parte do mesmo quebra-cabeça, porque nos faz sentir capazes de amar e nos faz entender que merecemos amor e reconhecimento.

Com base nisso, devemos ser capazes de:

• Manter nossos direitos: um dia você pode não estar muito bem por causa de algo ou simplesmente não quer fazer algo. É neste exato momento que você deve reivindicar o seu direito de ter um espaço pessoal.

• Cultivar nossos interesses e nossas paixões: essa é a base da satisfação, felicidade e desenvolvimento pessoal.
É importante nunca parar de cuidar de si mesmo e não alimentar nossas preocupações.

Lembre-se de que grandes mudanças são sempre acompanhadas por um forte abalo.

Mesmo que a mudança o machuque ou incomode, saiba que este é o começo de um grande momento emocional.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.