Um novo estudo do uso disfuncional da tecnologia inteligente descobre que as funções mais viciantes dos smartphones compartilham um tema comum: elas aproveitam o desejo humano de se conectar com outras pessoas. As descobertas, publicadas na Frontiers in Psychology , sugerem que o vício em smartphones pode ser hiper-social, não anti-social.

“Há muito pânico em torno deste tópico”, diz o professor Samuel Veissière , do Departamento de Psiquiatria da Universidade McGill, no Canadá. “Estamos tentando oferecer boas notícias e mostrar que é nosso desejo pela interação humana que é viciante – e existem soluções bastante simples para lidar com isso”.

Todos conhecemos pessoas que, aparentemente incapazes de viver sem a tela brilhante do telefone por mais de alguns minutos, estão constantemente enviando mensagens de texto e verificando o que os amigos estão fazendo nas mídias sociais.

Estes são exemplos do que muitos consideram o comportamento anti-social causado pelo vício em smartphones, um fenômeno que chamou a atenção da mídia nos últimos meses e levou investidores e consumidores a exigir que os gigantes da tecnologia resolvam esse problema.

Mas e se estivéssemos olhando as coisas da maneira errada? Poderia o vício em smartphones ser hiper-social, não anti-social?

O professor Veissière, um antropólogo cognitivo que estuda a evolução da cognição e da cultura, explica que o desejo de observar e monitorar os outros – mas também de ser visto e monitorado por outros – está profundamente presente em nosso passado evolutivo. Os seres humanos evoluíram para se tornar uma espécie exclusivamente social e exigem contribuições constantes de outras pessoas para buscar um guia para um comportamento culturalmente apropriado. Essa também é uma maneira de encontrar significado, objetivos e um senso de identidade.

Juntamente com Moriah Stendel, também do Departamento de Psiquiatria de McGill, o professor Veissière revisou a literatura atual sobre o uso disfuncional da tecnologia inteligente através de uma lente evolutiva. Os pesquisadores descobriram que as funções mais viciantes dos smartphones compartilhavam um tema comum: elas aproveitam o desejo humano de se conectar com outras pessoas.

Os desejos saudáveis ​​podem se tornar vícios doentios

Enquanto os smartphones atendem a uma necessidade normal e saudável de socialidade, o professor Veissière concorda que o ritmo e a escala da hiper conectividade empurram o sistema de recompensas do cérebro para correr em excesso, o que pode levar a vícios não saudáveis.

“Em ambientes pós-industriais, onde os alimentos são abundantes e prontamente disponíveis, nossos desejos de gordura e açúcar esculpidos por pressões evolutivas distantes podem facilmente entrar em excesso insaciável e levar a obesidade, diabetes e doenças cardíacas (…) as necessidades pró-sociais e recompensas [do uso do smartphone como meio de conexão] também podem ser sequestradas para produzir um teatro maníaco de monitoramento hiper-social ”, escrevem os autores em seu artigo.

Desativar notificações e configurar horários apropriados para verificar seu telefone podem ajudar bastante a recuperar o controle sobre o vício em smartphones. Pesquisas sugerem que as políticas do local de trabalho “que proíbem os e-mails noturnos e nos fins de semana” também são importantes.

“Em vez de começar a regular as empresas de tecnologia ou o uso desses dispositivos, precisamos começar a conversar sobre a maneira apropriada de usar smartphones”, conclui o professor Veissière. “Pais e professores precisam estar cientes de quão importante isso é.”


Fonte:

Frontiers Science News: We’re not addicted to smartphones, we’re addicted to social interaction

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.