Errata: A princípio publicamos esse poema como sendo de autoria do poeta uruguaio Mario Benedetti, o que não se pode confirmar como verdade, pois, embora atribuído a ele, esse poema não consta em nenhum de seus livros, portanto não existe comprovação nenhuma de que seja ele o autor. 

O fato de não ser uma obra escrita pelo grande poeta uruguaio não diminui a beleza da composição, por isso, ao sermos informados que a atribuição dos créditos poderia estar equivocada, optamos apenas por descreditar a autoria, mantendo aqui o poema.  Vamos creditar como de “*autoria desconhecida”, porém estamos abertos a dar os créditos ao verdadeiro autor, caso haja essa reivindicação de autoria comprovada.    

Em seguida, vamos ler um belo poema:

Não te rendas, ainda estás a tempo
de alcançar e começar de novo,
aceitar as tuas sombras
enterrar os teus medos,
largar o lastro,
retomar o voo.

Não te rendas que a vida é isso,
continuar a viagem,
perseguir os teus sonhos,
destravar os tempos,
arrumar os escombros,
e destapar o céu.

Não te rendas, por favor, não cedas,
ainda que o frio queime,
ainda que o medo morda,
ainda que o sol se esconda,
e se cale o vento:
ainda há fogo na tua alma
ainda existe vida nos teus sonhos.

Porque a vida é tua, e teu é também o desejo,
porque o quiseste e eu te amo,
porque existe o vinho e o amor,
porque não existem feridas que o tempo não cure.

Abrir as portas,
tirar os ferrolhos,
abandonar as muralhas que te protegeram,
viver a vida e aceitar o desafio,
recuperar o riso,
ensaiar um canto,
baixar a guarda e estender as mãos,
abrir as asas
e tentar de novo
celebrar a vida e relançar-se no infinito.

Não te rendas, por favor, não cedas:
mesmo que o frio queime,
mesmo que o medo morda,
mesmo que o sol se ponha e se cale o vento,
ainda há fogo na tua alma,
ainda existe vida nos teus sonhos.
Porque cada dia é um novo início,
porque esta é a hora e o melhor momento.
Porque não estás só, por eu te amo.

(*Autor desconhecido)

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.