Ao enfrentar uma possível pena de morte, Nelson Mandela falou da doca na culminação do Julgamento Rivonia em abril de 1964.

Durante a minha vida, dediquei-me a esta luta do povo africano. Eu lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra. Eu apreciei o ideal de uma sociedade democrática e livre na qual todas as pessoas vivam juntas em harmonia com a igualdade de oportunidades. É um ideal pelo qual espero viver e ver realizado. Mas, se necessário, é um ideal para o qual estou preparado para morrer.

Em sua libertação de 27 anos de prisão, dirigindo-se a multidões da sacada da Prefeitura da Cidade do Cabo no domingo, 11 de fevereiro de 1990

Saúdo-vos todos em nome da paz, da democracia e da liberdade para todos. Eu estou aqui diante de vocês não como um profeta, mas como um humilde servo de vocês, o povo. Seus sacrifícios incansáveis ​​e heroicos tornaram possível para mim estar aqui hoje. Portanto, coloco os anos restantes da minha vida em suas mãos.

Sobre o racismo – de sua autobiografia, Longa Caminhada até a Liberdade, publicado em 1994

Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor da pele, do passado ou da religião. As pessoas devem aprender a odiar, e se elas podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar, pois o amor vem mais naturalmente para o coração humano do que o oposto.

Sobre a liberdade, de sua autobiografia

Ser livre não é apenas se livrar das correntes que lhe prendem, mas viver sendo capaz de respeitar e engrandecer a liberdade dos outros.

Sobre ter coragem, de sua autobiografia

Aprendi que a coragem não é a ausência do medo, mas o triunfo sobre ele. Senti medo mais vezes do que consigo lembrar, mas escondi atrás de uma máscara de ousadia. O homem destemido não é aquele que não sente medo, mas aquele que conquista esse medo.

Sobre o retorno da África do Sul ao cenário mundial, em sua posse em Pretória, maio de 1994

Que nunca, nunca, nunca mais esta bela terra experimente novamente a opressão de um pelo outro e sofra a indignidade de ser a escória do mundo. Que a liberdade reine!

Sobre um futuro democrático, em discurso à Assembléia Geral das Nações Unidas, Nova York, setembro de 1998

Enquanto me sento em Qunu e cresço tão antiga como as suas colinas, continuarei a nutrir a esperança de que tenha surgido um quadro de líderes no meu próprio país e região, no meu Continente e no mundo, o que não permitirá que qualquer um ser-lhes negada a liberdade como nós éramos, que qualquer um deveria ser transformado em refugiado como nós éramos, que qualquer um deveria ser condenado a crescer com fome como nós éramos, que qualquer deveria ser despojado de sua dignidade humana como nós éramos.

Enquanto eu estiver em Qunu , a minha aldeia, envelhecendo com as montanhas,
vou continuar alimentando a esperança de que surgiu um grupo de líderes, no meu país e região, no meu continente e no mundo, que não vão permitir a negação da liberdade como foi negada a nós, que ninguém seja transformado em refugiado como nós fomos,; e que ninguém seja condenado à fome como nós éramos, que ninguém esteja despido da dignidade humana como nós estivemos.

Sobre o ataque liderado pelos EUA ao Iraque, setembro de 2002

Estamos realmente chocados e desaprovamos qualquer país, seja uma superpotência ou um país pequeno, que esteja fora da ONU e atente contra países independentes. Nenhum país deve ter permissão para tomar a lei em suas próprias mãos.

Sobre os EUA (ainda indignado com a ação norte americana contra o Iraque)

“Se há um país que cometeu atrocidades indescritíveis no mundo, são os Estados Unidos da América. Eles não se importam com seres humanos”. (CBSNews)

Sobre Israel
“Israel deveria desistir de todas as áreas que ganhou dos árabes em 1967, e em especial Israel deveria desistir completamente das Colinas de Golã, do Sul do Líbano e da Cisjordânia.” (JWeekly.com)

Sobre morrer, em entrevista ao documentário de 1996, indicado ao Oscar, Mandela disse:

A morte é algo inevitável. Quando um homem fez o que ele considera ser seu dever para com seu povo e seu país, ele pode descansar em paz. Creio que fiz esse esforço e, portanto, é por isso que vou dormir para a eternidade.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.