Em Assim falou Zaratustra, o personagem principal sai de casa aos 30 anos de idade e se retira para as montanhas na esperança de encontrar a iluminação. Lá, “6000 pés além do homem e do tempo”, Zaratustra permanece por 10 anos, e em sua solidão seu espírito cresce e ele penetra no enigma do homem e da existência. Certa manhã, cansado de sua solidão e transbordando de sabedoria, ele se levanta ao amanhecer e fala ao sol:

“Grande estrela! Qual seria a sua felicidade, se você não tivesse aqueles por quem você brilha?!”

Você subiu aqui para a minha caverna por dez anos: você teria se cansado de sua luz e desta jornada, sem mim, minha águia e minha serpente …

Contemple! Estou cansado da minha sabedoria, como uma abelha que recolheu muito mel; Eu preciso de mãos estendidas para pegá-la. ”( Nietzsche, Assim falou Zaratustra )

Zaratustra decide que é hora de se desprender de sua consciência elevada e, como o sol poente, descer de sua montanha para esvaziar sua sabedoria no mundo dos homens comuns.

“Eu devo descer para as profundezas: como você faz à noite, quando você vai atrás do mar e traz luz para o submundo também, estrela superabundante!

Como você, eu devo ir …

Contemple! Esta taça quer ficar vazia outra vez, e Zaratustra quer ser homem outra vez. ”( Nietzsche, Assim falou Zaratustra )

Durante a descida de Zaratustra, ele encontra um velho solitário que lhe pergunta  o que ele tem com a humanidade. Zaratustra responde que ama a humanidade e lhes traz o dom de sua transbordante sabedoria. O velho adverte Zaratustra de que a humanidade não aceitará amavelmente sua oferta, mas responderá com ridicularização e ódio. Mas Zaratustra deixa de lado a advertência do velho e continua sua missão.

Ele logo se depara com uma cidade onde uma multidão está reunida, aguardando o desempenho de um equilibrista de corda bamba. Aproveitando a oportunidade de espalhar sua sabedoria, ele começa ensinando à multidão seu princípio cósmico de evolução criativa.

“Eu te ensino o Übermensch. O homem é algo que deve ser superado. O que você fez para superá-lo? Todas as criaturas até agora criaram algo além de si mesmas: e você quer ser o fluxo desta grande maré e retornar aos animais em vez de vencer o homem? ”( Nietzsche, Zaratustra )

O princípio cósmico da evolução criativa de Zaratustra, em contraste com a evolução darwiniana, propõe que a evolução não é guiada por mutações e adaptações acidentais, mas por uma força teleológica que regula o desenvolvimento da vida de um estado espiritual inferior para um superior. Essa força é diretamente sentida pelos seres humanos como aspiração e, ao abraçar essa aspiração, de acordo com Zaratustra, o indivíduo pode superar a si mesmo e evoluir.

Os ensinamentos da igreja cristã reprimiram essa aspiração espalhando a idéia de que buscar a autonomia e agir a serviço dos próprios interesses é pecado, sacrificar-se e admitir a dependência de Deus como o bem maior. Como tal, impulsos animalescos como a luxúria sexual, o orgulho e o desejo de poder eram considerados maus elementos a serem domados e erradicados. O indivíduo foi ensinado pela igreja cristã a não se superar, mas negar a si mesmo e enfraquecer seu corpo por causa de sua alma.

“A igreja combate a paixão com excisão em todos os sentidos: sua prática, sua“ cura ”é o castratismo. Ela nunca pergunta: “Como alguém pode espiritualizar, embelezar, deificar um desejo?” Sempre colocou o estresse da disciplina na extirpação (da sensualidade, do orgulho, da luxúria para governar, da avareza, do vingimento). Mas um ataque às raízes da paixão significa um ataque às raízes da vida: a prática da igreja é hostil à vida. ” (Nietzsche, Crepúsculo dos Ídolos)

Zaratustra exorta a multidão a descartar os ensinamentos da igreja e, em vez disso, criar um novo significado para a terra; um que abraça o desejo do indivíduo de realizar e afirmar-se, e promove o desenvolvimento de um corpo forte no qual os instintos naturais são vistos como fontes de energia a serem canalizadas e sublimadas em prol da auto-superação. Esse novo significado, Zaratustra anuncia ser o Super-homem.

“Uma vez você disse ‘Deus’ quando contemplou mares distantes; mas agora eu te ensinei a dizer “Super-homem” (Nietzsche, Thus Spoke Zarathustra)

Ao terminar o discurso, os que estavam na multidão, acreditando que Zaratustra era o andarilho que estavam esperando, riram e gritaram: “Agora ouvimos o suficiente do andador de corda bamba; vamos vê-lo também! ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra) O andador de corda bamba, assumindo esses chamados da multidão para ser sua deixa, sai de sua torre e começa sua performance. Sem se incomodar com sua aparente confusão, Zarathustra continua seu discurso e usa a aparência do andarilho como uma metáfora para o relacionamento do homem com o Super-homem.

“O homem é uma corda”, Zarathustra grita para a multidão, “preso entre o animal e o Super-homem – uma corda sobre um abismo” (Nietzsche, Zaratustra Assim Falou)

O desempenho do equilibrista na corda bamba é perigoso, pois ele deve atravessar uma corda suspensa sobre um abismo profundo. Assim também, ao trazer o Super-homem, o homem deve viver perigosamente. Ele deve assumir grandes riscos e nunca permanecer estagnado, mas, apesar dos perigos, sempre vive por causa da autotransformação. Como Zaratustra explica, aqueles que vivem dessa maneira são os indivíduos destinados a ser os arautos do Super-homem.

“Eu amo todos aqueles que são como gotas pesadas caindo sozinho da nuvem escura que paira sobre a humanidade: eles profetizam a vinda do relâmpago e como profetas eles perecem.

Eis que sou um profeta do relâmpago e uma pesada queda da nuvem; mas este relâmpago é chamado Super-homem. ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra)

Quando Zaratustra termina seu discurso, a multidão explode em gargalhadas mais uma vez. Acreditando na falha em sua abordagem, ele tenta uma tática diferente; Ele apela para o orgulho da multidão, alertando-os que a cultura ocidental está em declínio, prejudicada por uma deficiência de valores. Ele informa que esse declínio está criando “o homem mais desprezível”, O Último Homem, o contra-ideal do Super-homem.

“É hora de o homem consertar seu objetivo. É hora de o homem plantar a semente de sua maior esperança.

Seu solo ainda é rico o suficiente para isso. Mas este solo será um dia pobre e fraco; não mais uma árvore alta poderá crescer a partir dele …

“Eu lhe digo: é preciso ter o caos em um, para dar à luz uma estrela dançante. Eu lhe digo: você ainda tem caos em você.

“Ai! Está chegando a hora quando o homem não dará mais luz a estrelas.

Contemple! Eu te mostrarei o último homem … ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra)

O Último Homem é o indivíduo que não se especializa em criação, mas em consumo. No meio de prazeres básicos saciantes, ele afirma ter “descoberto a felicidade” em virtude do fato de que ele vive na era tecnologicamente mais avançada e materialmente luxuosa da história humana.

Mas essa auto-paixão do Último Homem esconde um ressentimento subjacente e desejo de vingança. Em algum nível, o Último Homem sabe que, apesar de seus prazeres e confortos, ele está vazio e infeliz. Sem aspiração e sem objetivos significativos a seguir, ele não tem nada que possa usar para justificar a dor e a luta necessárias para superar-se e transformar-se em algo melhor. Ele está estagnado em seu ninho de conforto e miserável por causa disso. Essa miséria não o torna inativo, mas, pelo contrário, o obriga a buscar vítimas no mundo. Ele não pode suportar ver aqueles que estão florescendo e incorporando valores mais elevados, e assim ele inocuamente apóia a completa individualização de cada pessoa em nome da igualdade. A utopia do Último Homem é aquela na qual a igualdade total é mantida não de fora, por uma classe dominante opressora, mas de dentro, através do “olho maligno” da inveja e do ridículo.

“Nenhum pastor e um rebanho. Todos querem a mesma coisa, todos são iguais: quem pensa de outra maneira vai voluntariamente para o manicômio. ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra) a)

Ao terminar seu discurso sobre o Último Homem, a multidão grita: “Faça-nos a este último homem! Você pode ser o Super-homem! ”(Nietzsche, Assim Falou Zaratustra) Ao ouvir a ridicularização deles, o aviso do velho na floresta soa na cabeça de Zaratustra. Ele tinha vindo para a humanidade por amor e com um presente, mas eles lhes responderam com ridícularização e desprezo, assim como o velho havia previsto:

“E agora eles olham para mim e riem: e rindo, eles ainda me odeiam. Há gelo em suas gargalhadas. ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra)

Percebe-se em Zaratustra que a massa de homens é incapaz de compreender o significado de suas palavras. E assim ele formula uma nova missão. Ele não vai trazer seu presente e amor para a humanidade, mas para um seleto grupo de indivíduos com potencial para se elevar acima do rebanho, e que, nas palavras de Zaratustra, “me seguem porque querem seguir a si mesmos – e querem ir aonde quero ir. ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra) Com um otimismo e esperança recém-descobertos, Zaratustra deixa a cidade em busca de novos companheiros a quem possa conceder sua sabedoria.

Ao partir em sua jornada, Zaratustra testemunha um presságio no céu. Com o sol no auge do meio-dia, ele vê uma águia pairando no ar com uma cobra enrolada em volta do pescoço, não como presa, mas como amiga. Esta é uma visão estranha, já que historicamente a águia, um símbolo das mais altas aspirações do espírito, tem sido retratada como inimiga da cobra, um símbolo do desejo e do mal animalesco. A união da águia e da cobra representa assim para Zaratustra a seguinte injunção: para o pleno desenvolvimento do eu, devemos não apenas abraçar nossas maiores possibilidades, mas também tirar nossa sombra de suas profundezas psicológicas e reconhecer nossa capacidade para o mal. Como Zaratustra elabora em um dos seus últimos discursos aos seus companheiros:

“É o mesmo com o ser humano que com a árvore. Quanto mais alto eles sobem na altura e luz, mais fortemente suas raízes se esforçam para a terra, para baixo, para a escuridão, as profundezas – para o mal. ”(Nietzsche, Assim falou Zaratustra)

 

Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) Nietzsche and Thus Spoke Zarathustra: The Last Man and The Superman

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.