Ao longo de grande parte da história, os seres humanos se perceberam como
superiores a todas as outras criaturas. Mitos de nossa origem divina e nosso
lugar na coroa da criação são encontrados em religiões que remontam a
milhares de anos. Mesmo em nossos tempos “cientificamente esclarecidos”,
essa convicção da supremacia de nossa espécie não foi abalada. Por enquanto
somos mestres da terra, o auge da evolução – as únicas espécies racionais e
morais em um mundo de criaturas inconscientes “vermelhas em dentes e garras”.

Mas nem todos concordaram com esse sentimento. Alguns de fato viram a
humanidade sob uma luz muito diferente. O filósofo Friedrich Nietzsche, por
exemplo, acreditava que, se você olhasse profundamente para a psique humana,
descobriria que por baixo de nossa vaidade e máscaras que exibimos, somos o
único animal separado de nossos instintos e, portanto, a espécie mais doente
que já andou esta terra.

“Aprendemos melhor. Nós nos tornamos mais modestos em todos os aspectos.
Já não traçamos a origem do ser humano em “espírito”, na “divindade”,
colocamos de volta entre os animais… E mesmo afirmando que afirmamos
demais: o ser humano é, relativamente falando, o mais estropiado de todos os
animais, o mais doente, o mais perigosamente desviado de seus instintos. Mas,
apesar de tudo, ele é, naturalmente, o mais interessante ”. – Nietzsche, o Anticristo

Como nós, as mais astutas de todas as criaturas, nos tornamos o animal
sofredor por excelência? Para responder a essa pergunta, a mente de Nietzsche
recuou muitos milhares de anos para uma época em que a disposição civilizada
de nossa espécie ainda precisava se desenvolver. Nessas eras pré-históricas,
os seres humanos eram impulsionados principalmente por seus instintos. Eram,
segundo Nietzsche, “metade dos animais que estavam bem adaptados ao
deserto, à guerra, à ronda e à aventura” (Nietzsche, A genealogia da moral).

Uma transformação dramática na psique desses “meio animais” ocorreu quando
eles se mudaram do deserto para a civilização. Dentro desses “limites da
sociedade e da paz” (Nietzsche), os seres humanos se viram, pela primeira vez,
sujeitos a leis e costumes apoiados pela ameaça de punição e, portanto, não
mais governados apenas por instintos.

Esses padrões sociais nos condicionaram a uma existência mais civilizada, mas
também nos enfraqueceram e intensificaram nosso sofrimento. Pois, ao sermos
suprimidos e forçados à clandestinidade, nossos instintos animais não
desapareceram, ao contrário, eles “voltaram-se para trás, contra o próprio
homem” (Nietzsche, A genealogia da moral). Eles produziram uma doença
na psique que Nietzsche chamou de “má consciência” – uma “vontade de se
atormentar” (Nietzsche) – marcando assim o começo daquela terrível tendência
humana de infligir dor a si mesmo. Como Nietzsche explicou:

“O homem que … foi forçado a uma estreiteza opressiva e regularidade de
costume, se rasgou impacientemente, se perseguiu, roeu a si mesmo, ficou
aborrecido e se feriu … Com ele foi introduzida a maior e mais estranha doença,
da qual os seres humanos até hoje não se recuperaram, o sofrimento do homem
de sua própria natureza, de si mesmo, uma conseqüência da separação forçada
de seu passado animal … uma declaração de guerra contra os velhos instintos,
na qual, até aquele ponto, seu poder, alegria e a capacidade de inspirar medo foi
baseada ”.

Nietzsche, sobre a genealogia da moral

Dentro das paredes fechadas da civilização, uma “má consciência” não é tudo o
que nos aflige, como Nietzsche explicou, “com a ajuda da moralidade dos
costumes e da camisa-de-força social, o homem era realmente calculável”
(Nietzsche, em A Genealogia da moral). O medo da lei e da punição eram as
ferramentas de domesticação que enfraqueciam nossa conexão com nossos
instintos e tornavam nosso comportamento mais previsível, seguro e semelhante
a um rebanho:

“… o significado de toda cultura”, escreveu Nietzsche, “é a redução da besta “
homem ”a um animal manso e civilizado, um animal doméstico.” (Nietzsche,
A genealogia da moral) Enquanto esse processo de domesticação era
necessário para a criação da civilização, veio à custa de transformar o ser
humano de um animal forte, inocente e livre em uma criatura dominada pela
culpa, manipulável e mansa, dependente de um pastor para liderá-lo.

“Chamar a domesticação de um animal é uma“ melhoria ”em nossos ouvidos,
quase uma piada. Quem sabe o que se passa nos zoológicos acha duvidoso se
os animais neles são mesmo “melhorados”. Eles são enfraquecidos, tornam-se
menos nocivos, tornam-se animais doentios através da emoção depressiva do
medo, da dor, das lesões, da fome. – Não é diferente com o ser humano
domesticado … – (Nietzsche, Crepúsculo dos Ídolos)

Como resultado desse processo milenar de domar e enfraquecer nossos
instintos, nos tornamos muito dependentes de nossa consciência, segundo
Nietzsche, nosso “órgão mais fraco e mais falível” (Nietzsche). Nós nos
transformamos em um animal ruminante que disseca todos os detalhes a um
grau que pode fomentar a dúvida perpétua e o cinismo da vida. Mas ainda pior,
essa tendência nos separou de nossos “velhos líderes”, os impulsos
inconscientes dominantes (Nietzsche) que guiaram nossos ancestrais com
segurança por centenas de milhares de anos em meio aos terrores e perigos da
natureza.

“… Ele perdeu e destruiu seu instinto, e não pode mais confiar no ‘animal divino’
e soltar as rédeas quando sua compreensão falha e seu caminho leva através
dos desertos.” – Nietzsche, Meditações Inoportunas

Nietzsche exortou seus leitores a diminuir sua confiança na consciência e a se
reconectar com seus velhos e amigáveis ​​guias inconscientes. Pois quando as
grandes dores da vida aparecem, muitas vezes são apenas esses antigos
instintos que podem fornecer a força e a sabedoria necessárias para persistir.

“Chega a cada homem uma hora em que ele se pergunta maravilhado:“ como
alguém é capaz de viver? E ainda assim, alguém vive! ”- Uma hora em que ele
começa a entender que ele possui uma inventividade do mesmo tipo que ele
admira em plantas, que sobem e entram e finalmente ganham alguma luz e um
pedaço de terra e assim criam para si mesmas, sua parcela de alegria em
terreno inóspito. ”(Nietzsche)

No entanto, Nietzsche percebeu que um perigo acompanha aqueles que tentam
reviver esses “velhos líderes”. Pois, no processo, podemos desencadear sem
querer nossas paixões viciosas e primitivas. Em outras palavras, ao reparar
nossa separação de nossos instintos, devemos estar prontos para enfrentar a
“besta interior” (Nietzsche).

“Você aspira a liberar alturas, sua alma tem sede das estrelas. Mas seus
instintos perversos também têm sede de liberdade. Seus cães selvagens
querem liberdade; eles latem de alegria em seu porão quando seu espírito
planeja abrir todas as prisões. – (Nietzsche, Assim Falou Zaratustra)

Para nos ajudar a administrar nossa natureza primitiva, Nietzsche olhou para os gregos antigos – os “modelos de todas as futuras nações cultas” (Nietzsche). Em vez de negar seus instintos, os gregos os aceitaram e “devotaram festivais a todas as paixões e más inclinações” (Nietzsche). A função desses festivais era servir como mecanismos culturalmente sancionados para ajudar os gregos a transformar suas paixões primordiais em forças culturais produtivas e veículos de criação e afirmação da vida.

Mas no mundo moderno nos falta qualquer dispositivo social desse tipo. E, portanto, Nietzsche instou seus leitores a criarem seus próprios festivais em comemoração às paixões primordiais, de modo a promover sua modificação em formas mais férteis e espirituais. “Certa vez você tinha cães ferozes em seu porão: mas eles finalmente mudaram para pássaros e cantores doces.” ( Nietzsche, Assim falou Zaratustra )

Ou como ele elaborou em uma nota inédita:

“Para sermos capazes de criar, devemos nos dar maior liberdade do que nos foi dado antes; ao mesmo tempo, liberação da moralidade e alívio através de festivais (premonições do futuro! celebre o futuro; não o passado! componha o mito do futuro! viva na esperança!) Momentos felizes! E depois encobrir a cortina novamente e voltar nossos pensamentos para objetivos fixos e próximos. ”(Nietzsche)

Nietzsche foi tão inflexível em se reconectar aos nossos instintos animais porque percebeu que nunca podemos nos livrar desses elementos fundamentais de nosso ser. Nós os reconhecemos e os utilizamos de maneira construtiva e criativa. Ou nós os negamos e os forçamos à clandestinidade. Mas esta última tática nos divorcia de nossos “velhos líderes”, transforma nossos instintos contra nós mesmos e gera uma “má consciência”, e perpetua nosso comportamento de rebanho e dependência de pastor para nos mostrar o caminho. “A sociedade doma o lobo em um cachorro. E o homem é o animal mais domesticado de todos. ”(Nietzsche, Assim Falou Zaratustra )

Em seu livro Humano, demasiado Humano, Nietzsche usou o mito grego antigo de Circe como o símbolo para esse retorno às fundações animais. Pois assim como as poções da deusa Circe tinham o poder de transformar o humano em animal, Nietzsche também achava que honestidade em relação a nossa natureza e origem pode nos ajudar a restaurar nossa conexão com nossos instintos, pôr fim à nossa domesticidade e nos fornecer com a sabedoria e a força de vontade para criar novos valores culturais que sirvam de base para a ascensão de “homens sem preconceitos, independentes e autoconfiantes, os verdadeiros pilares de uma civilização forte”. ( Nietzsche, The Dawn of Day ) como ele escreveu:

“Verdade como Circe. Erro transformou animais em homens; Pode a verdade ser capaz de transformar o homem em um animal novamente? – Nietzsche, Humano, Demasiado Humano

Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) Nietzsche and The Human Animal: The Domesticated and The Strong

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.