Friedrich Nietzsche foi destinado, como seu pai e seu avô antes dele, a se tornar um ministro luterano. Desde seus primeiros dias ele estava mergulhado em um ambiente cristão, crescendo em uma casa de mulheres hipócritas que o encorajou a ler a Bíblia e as obras dos teólogos protestantes. Ele até adquiriu o apelido de “pastorzinho” por causa de sua piedade óbvia. Quem poderia ter previsto que esse jovem devoto cresceria e se tornaria o oponente mais feroz do cristianismo, e autor de um livro com o título provocador O Anticristo ?

Embora tenha sido a busca incansável do próprio Nietzsche pelo conhecimento que, em última análise, levou à sua ruptura com sua educação piedosa, uma causa seminal de sua rejeição à religião foi sua decisão sobre os escritos do filósofo Arthur Schopenhauer (1788-1860). Enquanto estudante na Universidade de Leipzig, no outono de 1865, Nietzsche comprou uma cópia de O mundo de Schopenhauer como Vontade e Representação em uma livraria de segunda mão. “Eu não sei o que o daimon sussurrou para mim: ‘Leve este livro para casa’”, ele escreveria anos depois, mas a leitura mudou sua vida. “De volta a casa”, continuou ele, “me joguei no canto de um sofá com meu novo tesouro e comecei a deixar esse gênio dinâmico e sombrio trabalhar em mim”. O que Nietzsche encontrou foi uma visão de mundo que nunca havia considerado antes. um que era completamente ateu. De fato, Nietzsche chamaria Schopenhauer de o primeiro ateu honesto da filosofia moderna.

Enquanto o próprio Schopenhauer estava morto há cinco anos (felizmente para Nietzsche, já que o velho não encorajava os acólitos e provavelmente responderia a qualquer carta de elogio com o desprezo e sarcasmo pelos quais ele era famoso), havia muitos admiradores na Alemanha. que compartilhava da alta estima de Nietzsche. O mais notável deles foi o polêmico compositor Richard Wagner (1813-1883), que ficou encantado ao saber do interesse do jovem no filósofo cujas obras ele dizia ler todas as noites. Wagner, que enviara a Schopenhauer algumas de suas próprias composições musicais, teve a sorte de não saber do pouco respeito por elas; por exemplo, quando Wagner escreveu em um ponto da partitura “a cortina cai”, Schopenhauer rabiscou ao lado disso “e nem um pouco cedo demais”.

No entanto, o inquieto Nietzsche não deveria permanecer como um seguidor de Schopenhauer ou amigo de Wagner. Em 1876, surpreendeu Cosima Wagner, a esposa do compositor, com uma carta declarando que ele havia rejeitado os ensinamentos de Schopenhauer. Em particular, Nietzsche rompeu com o próprio aspecto da filosofia de Schopenhauer, que foi tão inspirador para os Wagner – a ênfase na compaixão.

É compaixão, ou mitleid (companheirismo), que Schopenhauer argumenta ser a base real da moralidade, em vez de regras racionais ou mandamentos dados por Deus. O comportamento moral consiste em um reconhecimento intuitivo de que somos todos manifestações da vontade de viver. Todas as grandes religiões, ele sentiu, foram tentativas de expressar essa realidade metafísica, mas todas elas perderam de vista isso devido a suas intermináveis ​​disputas doutrinárias. O que nos une a todos é a percepção de que a própria vida consiste em sofrimento sem fim através da busca de objetivos que nunca podem ser satisfeitos. Essa perseguição acaba resultando em uma morte sem sentido.

Seria melhor não viver, afirmou Schopenhauer, mas, como estamos vivos (por causa do incessante desejo da vontade cega de perpetuar a espécie), temos pelo menos uma obrigação moral de não aumentar o sofrimento. Devemos ser pacientes e tolerantes e mostrar caridade para com outros seres que sofrem de pecados. Uma atitude comovente, mas bastante inconsistente com as ações de um homem que se deliciava em espetar seus oponentes na mídia impressa, que brigou tão violentamente com sua própria mãe que ela cortou todo o contato com ele e que foi acusada de pressionar sua proprietária. descendo um lance de escadas. Ainda assim, como o próprio Schopenhauer apontou, deve-se julgar uma teoria por seus próprios méritos, não pelas falhas de seus praticantes.

Nietzsche, embora inicialmente se referisse a Schopenhauer como “o único moralista sério”, sentiu a necessidade de se afastar de sua doutrina da compaixão, que ele chegou a considerar uma forma inaceitável de ascetismo. Ele concordou que existe uma vontade de vida subjacente a toda a existência (que ele preferiu chamar de “a vontade de poder”), mas, ao contrário de Schopenhauer, ele não se esquivou dela. Nietzsche chegou a ver a compaixão como uma fraqueza, não como uma virtude a ser cultivada.

Para Nietzsche, era uma pena que precisava ser superada. Mostrar pena pelos outros é tratá-los com desprezo. É melhor incentivá-los a enfrentar suas dificuldades e lutar contra elas da melhor maneira possível. Na opinião de Nietzsche, o cristianismo, em particular, era uma religião de piedade, baseando-se na imagem de uma divindade que sangra e sofre. Ele contrastou isso com as religiões pagãs da antiga Grécia e Roma, com seus deuses heróicos que tiveram prazer em se engajar em guerras e casos de amor.

Não está de forma alguma claro que o que Nietzsche denunciou como piedade fosse a mesma coisa que Schopenhauer chamava de compaixão, e tentativas foram feitas para reconciliar seus pontos de vista. Mas olhando para o próprio desenvolvimento de Nietzsche como filósofo, era necessário que ele se afastasse do que considerava ser a negação doentia da vida de Schopenhauer, bem como sua resignação pessimista de que o sofrimento era um mal. Para Nietzsche (cuja falta de saúde, falta de reconhecimento público e pobreza certamente lhe causaram mais sofrimento pessoal do que o experimentado pelo robusto, famoso e abastado Schopenhauer), o sofrimento foi um resultado inevitável da luta pela realização.

Ainda assim, apesar de todas as suas ferozes críticas a Schopenhauer (um estilo que Schopenhauer certamente teria apreciado, já que ele também era um notável usuário da arte dos ataques ad hominem), Nietzsche continuou a se referir a ele como seu “grande professor”. Ele sempre dava crédito a esse ateu de olhos claros por ajudá-lo a se afastar da teologia e por mostrar a ele que havia outros caminhos que alguém poderia seguir na busca de conhecimento. De maneira oblíqua, Nietzsche faz uma homenagem a esse rabugento rabugento em sua obra-prima, Assim Falou Zaratustra (1883-1885). O sábio Zaratustra encoraja seus seguidores a deixar seu santuário e aventurar-se por conta própria, e até questionar o que ele mesmo lhes disse. “ retribui mal um professor”, diz Zaratustra, “se alguém permanece apenas um aluno”. Nietzsche honrou seu grande professor Schopenhauer desafiando seus pontos de vista e, assim, criando sua própria filosofia única.

 

Artigo originalmente publicado em PhilosophyNow

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS