“A emergência do coronavírus é grave, mas vamos superá-la. O que me preocupa são outras crises da humanidade: guerra nuclear e aquecimento global”.

Noam Chomsky, linguista, filósofo, cientista cognitivista, teórico da comunicação, ativista acadêmico e político, fala a TV DiEM25 e faz uma longa reflexão sobre a situação atual que o mundo está passando e sobre o ataque neoliberal ‘que deixou os hospitais despreparados’.

“O coronavírus é sério e não deve ser subestimado – explica Chomsky -, mas é preciso lembrar que existem duas ameaças muito maiores, piores do que qualquer outro horror na história da humanidade. A primeira é a ameaça da guerra nuclear e a outra do aquecimento global “, explica ele.

Noventa e um anos, analista político americano, antes da entrevista, ele é apresentado como astro convidado, um homem que influenciou o pensamento de muitas gerações.

“O coronavírus é horrível, pode ter consequências terríveis, mas haverá uma recuperação. Embora as outras duas ameaças não sejam interrompidas, acabou “, explica ele. Seu pensamento gira em torno de um dado: “O ataque neoliberal deixou os hospitais despreparados. Um exemplo para todos: as camas foram cortadas em nome da eficiência “.

Segundo Chomsky, as ameaças globais foram intensificadas precisamente pela abordagem das políticas neoliberais. O que acontecerá no final desta crise? “Ou haverá mais autoritários ou será necessária uma reconstrução da sociedade”.

Como analista político, ele mora nos Estados Unidos, um país que impõe sanções e obriga outros estados a seguir o exemplo.

“A Europa também segue o professor. Mas o irônico no momento é que Cuba está ajudando a Europa, enquanto a Alemanha não pode ajudar a Grécia ”, explica Chomsky, lembrando também milhares de imigrantes e refugiados que morreram no Mediterrâneo.

“Em um mundo civilizado, os países ricos dariam assistência àqueles que precisam, em vez de estrangulá-lo. Agora, talvez, com a emergência, é hora de entender que tipo de mundo queremos “. E condena o fato de que ainda não foram tomadas medidas de mobilização semelhantes à guerra. “Precisamos dessa mentalidade para superar essa crise de curto prazo, que pode ser enfrentada pelos países ricos”.

Pressionado sobre a questão neoliberal, o filósofo volta ao assunto, explicando que a crise se deve justamente ao fracasso do mercado. “Há muito se imagina que pandemias teriam ocorrido. Eles poderiam ter trabalhado com vacinas, desenvolvendo proteção para possíveis pandemias de coronavírus e, com pequenas alterações, poderíamos ter as vacinas disponíveis hoje. Desta vez, em comparação com o passado, poderia ter sido feito, mas a praga neoliberal interrompeu tudo “.

Outra certeza de Chomsky é que ” não há credibilidade na alegação de que o vírus foi deliberadamente espalhado” .

“Países como China, Coréia do Sul e Taiwan começaram a fazer algo e parece que conseguiram conter pelo menos a primeira onda de crise. Mesmo na Europa, até certo ponto, isso aconteceu. A Alemanha, que havia se mudado bem a tempo, tem um bom sistema hospitalar e agiu de maneira egoísta, sem ajudar os outros, mas pelo menos implementou contenção razoável para si mesma. Outros países simplesmente o ignoraram, como o pior deles, o Reino Unido. Mas o pior de tudo são os Estados Unidos. “

O que restará dessa situação depois que a emergência terminar?
“Existe a possibilidade de as pessoas se organizarem, se comprometerem e chegarem a um mundo diferente e melhor, capaz de enfrentar problemas como guerra nuclear e catástrofe ambiental, antes que seja tarde demais”. Mas se chegamos a um momento crítico da existência, não é apenas por causa do coronavírus. “Estamos em uma situação de isolamento social que pode ser superada, ajudando aqueles em dificuldade, fazendo planos para o futuro, encontrando respostas para problemas globais”, diz Chomsky, lançando uma mensagem final: “Isso pode ser feito. Não será fácil, mas os humanos enfrentaram tantos problemas no passado. “

Fonte: DiEM25 TV / Via GreenMe

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.