Essa é uma das principais conclusões de uma equipe de cientistas da Austrália, Suíça e Reino Unido, que alertou que o combate ao consumo excessivo deve se tornar uma prioridade. Seu relatório, intitulado Scientists ‘Warning on Affluence, explica que a verdadeira sustentabilidade exige mudanças significativas no estilo de vida , em vez de esperar que o uso mais eficiente dos recursos seja suficiente.

“Não podemos confiar apenas na tecnologia para resolver problemas ambientais existenciais – como mudança climática, perda de biodiversidade e poluição”, escreve o principal autor do relatório, Professor Tommy Wiedmann, da University of New South Wales Engineering, em um artigo da Phys.org. “Também temos que mudar nosso estilo de vida afluente e reduzir o consumo excessivo, em combinação com mudanças estruturais.”

Um desafio global crescente

Há uma aceitação generalizada de que o planeta enfrenta um ponto de inflexão ecológico. “Para cuidar da humanidade, devemos cuidar da natureza”, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, no Dia Mundial do Meio Ambiente, em junho. Ele enfatizou a importância de fazer mudanças conforme o mundo se recupera da recente pandemia: ” Enquanto trabalhamos para reconstruir melhor, vamos colocar a natureza onde ela pertence – no centro de nossa tomada de decisão.”

Aproximadamente metade do PIB global está ligado ao mundo natural, de acordo com a ONU. Além dos muitos milhões de empregos que dependem da natureza, também há bilhões de pessoas intimamente conectadas e totalmente dependentes de remédios e remédios naturais.

Além disso, o uso de programas de plantação de árvores e reflorestamento poderia reduzir o impacto das emissões globais e ajudar a atender a meta de Acordo de Paris para manter aumento da temperatura global abaixo de 1.5C .

Chamada para mudanças sistêmicas

A ameaça de danos ambientais causados ​​pelo homem foi destacada no Relatório de Risco Global 2020 do Fórum Econômico Mundial, onde está entre os 10 maiores de risco mais provável e de maior impacto .

O principal problema apontado pelo relatório é que quaisquer ganhos em eficiência de recursos e proteção ambiental oferecidos por soluções de base tecnológica foram ultrapassados ​​pelo crescimento do consumo. O relatório também postula que pode ser hora de repensar as idéias tradicionais sobre oferta e demanda

Nas sociedades capitalistas, a teoria diz que a necessidade do consumidor impulsiona o resto da economia – as empresas só produzirão coisas para as quais haja demanda. Mas a realidade do capitalismo global do século 21 é um pouco mais complexa do que isso – alguns economistas argumentam que o próprio crescimento é o problema .

É hora de um grande reset

Escrevendo pouco antes do Dia Mundial do Meio Ambiente, o fundador e presidente executivo do Fórum, Professor Klaus Schwab, pediu uma grande reinicialização do capitalismo na esteira da pandemia do coronavírus . Sua visão do grande reset inclui a criação de uma economia de stakeholders, onde o mercado busca resultados mais justos para todos, sustentado por mudanças nas políticas tributárias, regulatórias e fiscais, e novos arranjos comerciais.

Schwab também exige investimentos que promovam metas compartilhadas, como igualdade e sustentabilidade. Isso é algo que já está ocorrendo em partes do mundo onde programas de estímulo econômico estão sendo implementados.

Além disso, a Schwab nos exorta a enfrentar os desafios sociais e de saúde com as inovações possibilitadas pela Quarta Revolução Industrial. Isso significa mais colaboração público / privada na busca do bem público.

A pandemia devastou famílias e paralisou importantes economias. Porém, ao direcionar recursos para sistemas e processos novos e aprimorados, em vez de reforçar os existentes, Schwab acredita que uma mudança duradoura para melhor é possível.

Essa crença é corroborada pelo relatório dos cientistas, que mostra que a afluência é “realmente perigosa e leva à destruição em escala planetária”, diz a coautora Julia Steinberger, professora de Economia Ecológica da Universidade de Leeds. “Para nos proteger do agravamento da crise climática, devemos reduzir a desigualdade e desafiar a noção de que as riquezas, e aqueles que as possuem, são inerentemente boas.”

Reproduzido com permissão do World Economic Forum. Leia o artigo original

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.