Fake news headline on a newspaper

A pesquisa foi realizada na semana anterior ao referendo de 2018 sobre a legalização do aborto na Irlanda, mas os pesquisadores sugerem que notícias falsas provavelmente terão efeitos semelhantes em outros contextos políticos, incluindo a corrida presidencial dos EUA em 2020.

“Em disputas políticas altamente emocionais e partidárias, como a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2020, os eleitores podem ‘lembrar’ notícias totalmente fabricadas”, diz a principal autora, Gillian Murphy, da University College Cork. “Em particular, eles provavelmente vão se lembrar de escândalos que refletem mal o candidato adversário.”

O estudo é novo porque examina desinformação e falsas memórias em relação a um referendo do mundo real, explica Murphy.

Ela e seus colegas, incluindo a pesquisadora de memórias Elizabeth Loftus, da Universidade da Califórnia, recrutaram 3.140 eleitores online e perguntaram se e como eles planejavam votar no referendo.

Em seguida, os pesquisadores apresentaram a cada participante seis notícias, duas das quais eram histórias inventadas que mostravam ativistas de ambos os lados da questão envolvendo comportamento ilegal ou inflamatório. Depois de ler cada história, os participantes foram perguntados se tinham ouvido falar sobre o evento descrito na história anteriormente; se assim fosse, eles relatariam se tinham memórias específicas sobre isso.

Os pesquisadores então informaram aos eleitores elegíveis que algumas das histórias lidas haviam sido fabricadas e convidaram os participantes a identificar qualquer um dos relatos que acreditavam ser falso. Finalmente, os participantes completaram um teste cognitivo.

Quase metade dos entrevistados relatou uma memória para pelo menos um dos eventos inventados; muitos deles relembram detalhes ricos sobre uma notícia fabricada. Os indivíduos a favor da legalização do aborto eram mais propensos a lembrar uma falsidade sobre os opositores do referendo; aqueles contra a legalização eram mais propensos a lembrar uma falsidade sobre os proponentes. Muitos participantes falharam em reconsiderar sua memória mesmo depois de saberem que algumas das informações poderiam ser fictícias. E vários participantes relataram detalhes que as notícias falsas não incluíam.

“Isso demonstra a facilidade com que podemos plantar essas memórias inteiramente fabricadas, apesar dessa suspeita de eleitores e mesmo apesar de um aviso explícito de que eles podem ter recebido notícias falsas”, diz Murphy.

Os participantes que pontuaram menos no teste cognitivo não eram mais propensos a formar falsas memórias do que os que tinham pontuações mais altas, mas os que tinham menos pontuações eram mais propensos a se lembrar de histórias falsas alinhadas com suas opiniões. Essa descoberta sugere que pessoas com maior capacidade cognitiva podem ter maior probabilidade de questionar seus vieses pessoais e suas fontes de notícias, dizem os pesquisadores.

Outros colaboradores do projeto incluem Rebecca Hofstein Grady e Linda J. Levine na UC Irvine e Ciara Greene da University College Dublin. Os pesquisadores dizem que planejam expandir esse estudo investigando a influência de falsas memórias relacionadas ao referendo Brexit e ao “movimento #MeToo”.

Loftus diz que compreender os efeitos psicológicos das notícias falsas é fundamental, uma vez que a tecnologia sofisticada está facilitando a criação não apenas de notícias e imagens falsas, mas também de vídeos falsos.

“As pessoas vão agir de acordo com suas memórias falsas, e muitas vezes é difícil convencê-las de que notícias falsas são falsas”, diz Loftus. “Com a capacidade crescente de tornar as notícias incrivelmente convincentes, como vamos ajudar as pessoas a evitar serem enganadas? É um problema que os cientistas psicológicos podem ser qualificados para trabalhar. ”


Fonte e Referências

Aps – Association for Psyshological Science: Fake News Can Lead to False Memories

“False memories for fake news during Ireland’s Abortion Referendum”. Gillian Murphy et al.

Michael Gilead, Moran Sela, Anat Maril. That’s My Truth: Evidence for Involuntary Opinion Confirmation. Social Psychological and Personality Science, 2018.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.