Dispositivos semelhantes a tanques chamados de alambiques solares usam o sol para evaporar água suja ou salgada e condensar o vapor em água potável.

Acontece que esses alambiques grandes e caros só podem produzir água suficiente para uma família pequena.

No entanto, os pesquisadores agora desenvolveram um novo material que acelera o processo de evaporação e, portanto, permite que pequenos alambiques forneçam todos os requisitos de água de uma família grande.

Se a tecnologia pudesse ser barata o suficiente, poderia dar uma resposta à crescente crise da água e dar acesso a água limpa a milhões de pessoas pobres em todo o mundo.

Guihua Yu, cientista de materiais da Universidade do Texas em Austin, e colegas descobriram uma maneira de contornar essa limitação.

Seu método envolve hidrogéis, misturas de polímeros e um polímero absorvente de água chamado álcool polivinílico. Ele também possui um absorvedor de luz chamado polipirrol (PPy) – que eles colocam sobre a superfície da água em uma fonte solar.

De acordo com o relatório publicado na Science Advances , o mecanismo do aparelho vê as moléculas de água no interior do gel serem fortemente ligadas ao PVA, cada uma formando vários elos químicos conhecidos como ligações de hidrogênio.

Com a maior parte de sua capacidade de ligação ligada ao PVA, as moléculas de água ligadas conseguem se ligar livremente a outras moléculas de água e compartilhar menos ligações com seus vizinhos, criando assim ‘água intermediária’ que evapora mais rapidamente e mais rapidamente do que a água comum.

Na evaporação, eles são imediatamente substituídos por outras moléculas de água no imóvel.

A tecnologia de Yu viu o dobro do limite teórico de água sendo produzido usando o aparelho.

Yu e seus colegas também conseguiram misturar um terceiro polímero, chamado quitosana, que também atrai fortemente a água.

A adição de quitosana à mistura criou um gel que poderia reter ainda mais água e, como resultado, aumentou a quantidade de água intermediária, produzindo quase 12 vezes a quantidade produzida pelas versões comercialmente disponíveis atualmente. Os resultados do estudo foram relatados no Science Advances.

Fonte: Science mag

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.