Este é um dos inúmeros estudos que comprovam o impacto positivo da conexão social e da intimidade, ao mesmo tempo em que destacam o impacto negativo do isolamento e da separação.

A professora assistente de neurociência comportamental na CU Boulder Zoe Donaldson conduziu recentemente um estudo de um ano de ratos da pradaria, que estão em 3-5% dos mamíferos (junto com os humanos) que tendem a manter relacionamentos duradouros.

“Para manter relacionamentos ao longo do tempo, deve haver alguma motivação para estar com aquela pessoa quando você está longe dela. Nosso artigo é o primeiro a identificar a base neural potencial para essa motivação se reunir”, explica Donaldson.

O que leva o instinto dos mamíferos a criar laços duradouros? Esta foi a pergunta para a qual Donaldson e sua equipe buscaram uma resposta. E não uma resposta baseada na filosofia ou emoção, mas uma resposta baseada na neurociência e na prova concreta.

Donaldson e sua equipe usaram câmeras minúsculas e uma nova tecnologia chamada imagem de cálcio in vivo para analisar os cérebros de ratos da pradaria em três momentos distintos:

  1. Durante seu primeiro encontro com outro arganaz
  2. Três dias após o acasalamento com outro rato
  3. 20 dias depois de morar na mesma área que o companheiro

Quando os arganazes estavam juntos na mesma área, seus cérebros pareciam e reagiam da mesma maneira. No entanto, depois de separar os ratos, foi descoberto que um único agrupamento de células no núcleo accumbens disparou quando eles foram reunidos.

Na verdade, o estudo provou que quanto mais tempo os arganazes estavam emparelhados antes de serem separados, mais próximo se tornava seu vínculo e o aglomerado brilhante que se acendia se tornava mais forte durante sua reunião.

É interessante notar que um agrupamento totalmente diferente de células iluminou-se quando elas foram apresentadas a um rato estranho, sugerindo que essas células específicas podem realmente estar lá com o propósito de formar e manter ligações com outras.

Este estudo confirma que os mamíferos monogâmicos (ratazanas e humanos) são especialmente programados para acasalar com outros. Temos um impulso biológico único que nos impele a nos reunirmos com as pessoas de quem cuidamos, e esse impulso pode ser uma das razões pelas quais caímos entre 3 a 5% de mamíferos que procuram a monogamia.

O que isso significa para o futuro dos estudos do comportamento humano?

No que diz respeito à pesquisa, isso é bastante inovador – pois poderia nos dar uma visão sobre vários tipos de terapias para indivíduos autistas ou indivíduos que lutam contra depressão severa e / ou outros distúrbios que tornam esses tipos de conexões emocionais difíceis.

Ainda há muito a aprender sobre essa série específica de eventos que acontecem quando nos reunimos com um cônjuge após um período de separação. Por exemplo, não está claro se esse “código neuronal”, por assim dizer, está associado à emoção nos humanos da mesma forma que está associado ao desejo nos ratos.

De acordo com Donaldson, a pesquisa neste departamento está apenas começando, e o resultado definitivo deste estudo é que os mamíferos estão literalmente programados para serem mamíferos monogâmicos.

A conexão social e a intimidade são essenciais para o nosso crescimento e desenvolvimento

Esta não é a primeira vez que um estudo como este é realizado, embora este estudo em particular tenha revelado novos agrupamentos neuronais que não haviam sido contabilizados anteriormente.

Tem havido muitos outros estudos de mamíferos (de pequenos roedores até seres humanos) que sugerem que não estamos apenas programados para buscar conexões íntimas através da monogamia, mas que também somos extremamente e profundamente moldados por (e talvez até dependentes sobre) as experiências que temos com esses companheiros.

Brene Brown , uma faculdade de pós-graduação em serviço social da University of Houston (especializada em conexão social), explica:

“Um profundo sentimento de amor e pertencimento é uma necessidade irresistível de todas as pessoas. Estamos biologicamente, cognitivamente, fisicamente e espiritualmente programados para amar, ser amados e pertencer. Quando essas necessidades não são atendidas, não funcionar como deveríamos . “

Essa ideia é apoiada por inúmeros estudos, incluindo o estudo revolucionário da Dra. Helen Fischer em 2005 , que incluiu as primeiras imagens de fMRI do “cérebro apaixonado”.

Este estudo concluiu que o cérebro humano não funciona apenas para amplificar emoções positivas quando vivenciamos o amor romântico , mas que as vias neurais responsáveis ​​por emoções negativas (como medo e ansiedade) estão na verdade desativadas.

Big Think

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.