Maior radioatividade no mar Báltico. De acordo com a CTBTO, a Organização em apoio ao tratado global de proibição de testes nucleares, nos últimos dias, alguns sensores detectaram o aumento de partículas nucleares no Báltico e em alguns países vizinhos.

A notícia foi relatada pela porta-voz da ONG Lassina Zerbo, que disse que entre 22 e 23 de junho foi detectado um nível mais alto do que o habitual de isótopos de fissão nuclear, mas não preocupando a saúde humana.

O CTBTO supervisiona uma rede de centenas de estações de monitoramento que usam sísmica, hidroacústica e outras tecnologias para verificar testes nucleares em qualquer lugar do mundo. No entanto, essa tecnologia também pode ser usada para outros fins.

Uma de suas estações, a estação de Estocolmo, que monitora radionuclídeos no ar, notou níveis incomumente altos de três radionuclídeos na semana passada: césio 134, césio 137 e rutênio 103, associados à fissão nuclear. Zerbo também twittou um mapa mostrando a área envolvida:

O mapa não possui limites geográficos, mas mostra a origem das partículas nas 72 horas antes de serem detectadas: uma grande área cobrindo parcialmente a Dinamarca, Noruega, sul da Suécia, grande parte da Finlândia, Estados Bálticos e parte do oeste da Rússia incluindo São Petersburgo.

“Certamente esses são produtos de fissão nuclear, provavelmente provenientes de fontes civis”, disse um porta-voz da CTBTO em Viena, referindo-se à reação em cadeia atômica que gera calor em um reator nuclear. “Podemos indicar a região provável da fonte, mas está fora do mandato da CTBTO identificar a origem exata”, acrescentou.

Pelo mapa, parece que a fonte é a parte ocidental da Rússia, mas a última negou seu envolvimento. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse:

“Temos um sistema de monitoramento de segurança de nível de radiação absolutamente avançado e não há alarmes de emergência. Não sabemos a fonte dessa informação “.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) solicitou aos Estados membros que relatassem qualquer evento associado à presença de substâncias radioativas e se esses radioisótopos foram detectados nos países e reafirma que os 29 países membros

“Eles informaram voluntariamente à AIEA que não houve eventos em seu território que pudessem ter causado as concentrações de ar do Ru-103, Cs-134 e Cs-137. Eles também forneceram informações sobre suas medidas e resultados. Além disso, alguns países que não foram contatados pela AIEA – Argélia, Geórgia, Tajiquistão e Emirados Árabes Unidos – relataram voluntariamente informações sobre suas medições e que não houve eventos em seu território.

Além disso, o diretor geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, explicou que

“Os níveis reportados à AIEA são muito baixos e não representam riscos à saúde humana e ao meio ambiente. Espero que mais Estados-Membros nos forneçam informações e dados relevantes e continuaremos a informar o público. A AIEA continuará seus esforços para analisar as informações coletadas, a fim de identificar a possível origem e localização da liberação.

Ontem, a Autoridade Finlandesa de Segurança Nuclear (STUK) informou que havia detectado as três substâncias anteriormente, em uma amostra de ar coletada em Helsinque de 16 a 17 de junho . Isótopos de cobalto, rutênio e césio (Co-60, Ru-103, Cs-134 e Cs-137) também foram detectados em Kotka em uma amostra coletada de 15 a 22 de junho. Além disso, isótopos radioativos de zircônio e nióbio (Zr-95, Nb-95) também foram detectados na amostra de Kotka.

“A composição das substâncias radioativas detectadas sugere que elas são derivadas do combustível do reator nuclear. Devido às concentrações muito baixas observadas, as substâncias podem advir da operação ou manutenção normal de reatores nucleares. A STUK entrou em contato com usinas nucleares domésticas e a liberação de emissões não foi detectada nelas. Portanto, é improvável que as substâncias radioativas detectadas sejam de origem doméstica “, explicam as autoridades finlandesas.

Jan Johansson, especialista em proteção contra radiação, da autoridade sueca de segurança contra radiação, disse que, embora os valores sejam extremamente baixos

“O que se destaca aqui é a combinação dessas substâncias. Não é algo que geralmente vemos “, disse ele à Reuters.

Ninguém sabe qual é a origem. Felizmente, parece não haver nenhum risco para a saúde humana, pois, segundo fontes oficiais, é uma questão de quantidades mínimas, mas nem queremos pensar no que aconteceria se eles não fossem tão pequenos e se ninguém reivindicasse o ” paternidade”..

Fontes: Lassina Zerbo / Twitter , Reuters , IAEA,

Via GreenMe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.