Em cada um de nós vive um “daimon” e, segundo Carl Jung, ouvi-lo pode ser decisivo para a nossa vida. Essa voz vem de nossa energia criativa que nos pede mudanças e novos desafios. No entanto, nem sempre temos coragem de ouvi-lo.

De acordo com Thomas Carlyle, uma pessoa sem propósito é como um navio sem leme. Nada mais verdadeiro, pois poucas coisas contribuem para a nossa felicidade como termos objetivos. Uma das melhores formas de encontrar o caminho em meio ao caos da vida é despertar nosso daimon , invocá-lo do fundo do nosso ser para que nos permita crescer, encontrar motivação.

Diz- se que Sócrates estava possuído por um demônio que, a certa altura, sussurrou para ele qual seria seu chamado. O mesmo aconteceu com Goethe, que em seu livro Poesia e Verdade explicou que devia agradecer a sua criatura demoníaca pelos feitos poéticos e científicos que havia realizado. Esse “daimon” na verdade não era malicioso, mas muito estimulante.

Este conceito está enraizado na tradição grega e define a maior fonte de inspiração e criatividade . É, para colocá-lo ainda mais metaforicamente, o refúgio das musas e daquela voz interior que não apenas sussurra ideias, mas nos ilumina. A figura que incluiu esse conceito entre os fundamentos de sua psicoterapia foi Carl Jung .

Assim, em seu livro O desenvolvimento da personalidade revela um fato importante. Se queremos descobrir a nossa vocação, somos obrigados a ouvir a voz do nosso daemon , porque cada um de nós tem um demônio dentro, que dá conselhos, que oferece ideias e perspectivas para as quais dirigir a nossa atenção.

“Quando você deixa seu Daemon conduzi-lo, não tente pensar conscientemente. Deixe-se levar, espere e obedeça ”.

-Rudyard Kipling-

O daimon não é um demônio, embora na tradição grega tenha sido traduzido dessa forma. É uma entidade que podemos conceber quase como um gênio, como um ser divino que corresponde ao que os egípcios chamavam de Ba.

Para Aristóteles, o daimon simbolizava virtude e sabedoria, a essência mais iluminada do ser humano, dentro da qual seu potencial está escondido.

O problema com essa entidade é que ela está oculta. Todos nós o carregamos para dentro, nascemos com essa presença no fundo da mente, que contém a voz da criatividade , da intuição e da capacidade de se renovar. No entanto, a sociedade muitas vezes acaba limitando nosso daemon .

Às vezes a educação, o estresse, a ansiedade, uma abordagem rígida da vida e acima de tudo a rotina aprisionam essa entidade, esse gênio de que tanto precisamos. Dr. James Hillman, um dos mais importantes representantes da psicologia junguiana, em seu livro O código da alma. Caráter, vocação, destino, destaca um fato interessante.

Despertar o daimon requer conhecimento de si mesmo . Somente quando crescemos (como as raízes de uma árvore) podemos alcançar aquela entidade para ouvir sua voz. Fazer isso nos leva à felicidade, daí o termo “eudaimonia”.

Estratégias para treinar o daimon

Carl Jung nos lembra que às vezes o daimon tem necessidades que aqueles ao nosso redor não entendem . De vez em quando, temos ideias revolucionárias e inovadoras. Esse gênio interior é geralmente muito indisciplinado, pode sussurrar ideias que às vezes são contraditórias, estranhas e ousadas.

No entanto, nem sempre agimos de acordo, muitas vezes preferimos silenciar essas ideias porque podem parecer absurdas ou impossíveis. Tudo isso gera desconforto.

Rollo May, psicólogo e psicoterapeuta existencialista, destacou que viver seguindo o daimon não é fácil , mas se ousarmos, poderemos ter grande satisfação com isso. Então, vamos analisar a estratégia para poder ouvir sua voz.

Conheça a si mesmo e você se descobrirá

O daimon não aprecia pessoas que são inseguras ou que mudam de opinião com frequência. Essa voz está ligada à nossa essência mais autêntica , e só quando realmente nos conhecermos é que essa entidade singular virá sussurrar ideias que darão impulso ao nosso crescimento.

Assim, a pessoa que ainda faz seu caminho no mundo sem ter trabalhado no autoconhecimento não entenderá o que seu “demônio” pessoal lhe diz. Seria como falar duas línguas diferentes.

O daimon precisa de disciplina

O daimon nos pede para transformar nossos monstros em musas. O que isso significa? A criatividade surge por meio da disciplina diária , sabendo o que você quer, estabelecendo metas de longo prazo e trabalhando diligentemente no dia a dia.

Ouça a si mesmo, a necessidade de ter uma mente calma

Freqüentemente, presume-se que as mentes mais tempestuosas são as mais criativas. Temos como exemplo figuras como Virginia Woolf, Vincent Van Gogh, Gustave Courbert… Mas esses atormentados artistas tiveram um fim trágico, enquanto o daimon dá felicidade . O bem-estar de quem usa seu potencial criativo para uma vida plena.

Devemos, portanto, estar cientes do fato de que a criatividade mais produtiva vem de uma mente calma e um coração harmonioso . Lembre-se do que o diretor, roteirista e artista David Lynch costuma apontar: práticas como meditação ou relaxamento são os melhores canais para inovação. Emoções como raiva ou estresse são enormes fatores perturbadores.

O daimon se comunica conosco por meio de vários canais

Cada um de nós deve encontrar o melhor canal criativo e, para isso, precisamos explorar . Existem aqueles que precisam caminhar, outros encontram inspiração na música, compartilhando experiências com outras pessoas.

Alguns preferem a solidão e muitos usam a arte para fazer as ideias fluírem. Também podemos encontrar novas maneiras de ouvir sua voz.

Aprecie sua presença

Aceitando as ideias sugeridas pelo daimon, sua energia e sua vontade de nos fazer melhores e nos guiar na conquista da felicidade é sempre positiva. Afinal, é parte de nós e amar este recanto do nosso ser significa também nos reconhecermos como seres extraordinários, como pessoas capazes de conceber os sonhos mais incríveis e de os realizar.

“Felicidade é viver em harmonia com o seu daemon”.
-Aristóteles-

Adaptado de La Mente è Meravigliosa

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.