Trabalhar muitas horas representa um risco para a saúde ocupacional que mata centenas de milhares de pessoas a cada ano, afirma a Organização Mundial da Saúde.

Pessoas que trabalham 55 ou mais horas por semana enfrentam um risco estimado 35% maior de um derrame e um risco 17% maior de morrer de doença cardíaca, em comparação com pessoas que seguem o padrão amplamente aceito de trabalhar 35 a 40 horas por semana, a OMS diz em um estudo que foi publicado segunda-feira na revista Environment International .

“Nenhum trabalho vale o risco de derrame ou doença cardíaca”, disse o Diretor-Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, conclamando governos, empresas e trabalhadores a encontrar maneiras de proteger a saúde dos trabalhadores.

O estudo global, que a OMS chama de o primeiro do gênero, constatou que, em 2016, 488 milhões de pessoas estavam expostas aos riscos de trabalhar por longas horas.

Ao todo, mais de 745.000 pessoas morreram naquele ano de excesso de trabalho que resultou em derrame e doenças cardíacas, de acordo com a OMS.

“Entre 2000 e 2016, o número de mortes por doenças cardíacas devido a longas jornadas de trabalho aumentou 42% e por acidente vascular cerebral em 19%”, disse a OMS ao anunciar o estudo, que conduziu com a Organização Internacional do Trabalho.

O estudo não cobre o ano passado, no qual a pandemia de COVID-19 colocou as economias nacionais em crise e reformulou a forma como milhões de pessoas trabalham. Mas seus autores observam que o excesso de trabalho está aumentando há anos devido a fenômenos como a economia de gig e teletrabalho – e eles dizem que a pandemia provavelmente acelerará essas tendências.

“O teletrabalho se tornou a norma em muitas indústrias, muitas vezes confundindo as fronteiras entre casa e trabalho”, disse Ghebreyesus. “Além disso, muitas empresas foram forçadas a reduzir ou encerrar as operações para economizar dinheiro, e as pessoas que ainda estão na folha de pagamento acabam trabalhando mais horas.”

Além disso, recessões como a que o mundo viu no ano passado são comumente seguidas por um aumento na jornada de trabalho, disseram os pesquisadores.

O estudo descobriu os maiores danos à saúde decorrentes do excesso de trabalho em homens e trabalhadores de meia-idade ou mais velhos. Regionalmente, as pessoas no sudeste da Ásia e na região do Pacífico Ocidental tiveram a maior exposição ao risco. As pessoas na Europa tiveram a exposição mais baixa.

Nos EUA, menos de 5% da população está exposta a longas jornadas de trabalho, de acordo com mapa que a OMS divulgou com o estudo. Essa proporção é semelhante ao Brasil e Canadá – e muito menor do que o México e em países na maior parte da América Central e do Sul.

Várias medidas podem ajudar a aliviar a carga sobre os trabalhadores, afirma o estudo, incluindo os governos que adotam e aplicam as normas trabalhistas sobre o tempo de trabalho.

Os autores também afirmam que os empregadores devem ser mais flexíveis no agendamento e combinar com seus funcionários um número máximo de horas de trabalho. Em outra etapa, o estudo sugere que os trabalhadores combinem as horas de trabalho para que ninguém trabalhe 55 ou mais horas por semana.

Para compilar o relatório, os pesquisadores revisaram e analisaram dezenas de estudos sobre doenças cardíacas e derrame. Eles então estimaram os riscos à saúde dos trabalhadores com base em dados extraídos de várias fontes, incluindo mais de 2.300 pesquisas sobre horas de trabalho realizadas em 154 países da década de 1970 a 2018.

Fontes: G1 / NPR

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.