O mito da caverna de Platão nos permitiu entender como o filósofo percebia o mundo. Uma relação entre o mundo físico e o mundo das ideias que criam uma realidade repleta de luzes e sombras. Por um lado, temos a realidade como ela é. Por outro lado, nos encontramos em uma realidade ficcional onde nossas crenças e ilusões desempenham um papel importante. No entanto, antes de mergulharmos neste universo, não deveríamos saber o que o mito da caverna nos diz?

No mito, encontramos homens que, desde o nascimento, estão acorrentados ao fundo de uma caverna. Deste lugar, eles podem ver apenas uma coisa: uma parede. Eles nunca foram capazes de sair e nunca foram capazes de olhar para trás para saber a origem das correntes que os prendem. No entanto, há uma parede atrás deles e, um pouco mais adiante, um incêndio. Entre a parede e o fogo estão homens carregando objetos. Graças ao fogo, as sombras dos objetos são projetadas na parede e os homens acorrentados podem vê-los.

Eu via imagens que eram apenas mentiras e falsas realidades. Mas como eu poderia olhar para elas se, desde criança, essa é a única realidade que tenho visto?

Uma realidade ficcional

Esses homens sempre viram a mesma coisa desde que nasceram; eles não sentiram nem a necessidade nem a curiosidade de se virar e ver o que refletia essas sombras. Mas era uma realidade enganosa e artificial. Essas sombras os distraíram da verdade. No entanto, um desses homens ousou olhar para trás e ver além das coisas.

No começo, ele se sentiu perdido e perturbado, especialmente a luz que ele via na parte de trás (o fogo). Ele começou a duvidar. Ele pensara que as sombras eram a única coisa que existia quando não era. Toda vez que ele andava, suas dúvidas o faziam tentado a retornar ao seu mundo de ilusões.

Apesar de tudo, com paciência e determinação, ele continuou seu avanço. Acostumando-se pouco a pouco a esse mundo tão desconhecido para ele. Sem ser vencido pela confusão ou ser enganado pelos caprichos do medo, ele saiu da caverna. Mas quando ele correu de volta para contar aos seus companheiros, eles o cumprimentaram com uma zombaria. Um desprezo que refletia a incredulidade dessas pessoas na história do aventureiro.

É curioso ver como a visão oferecida pelo mito da caverna pode ser transposta para as notícias. Esse modelo que todos seguimos e por causa do qual, se sairmos do caminho que nos ditam, começamos a ser julgados e criticados. Considere que aceitamos muitas verdades absolutas sem parar por um momento para questioná-las, sem perguntar se o mundo está realmente próximo ou distante dessa realidade.

Por exemplo, pensar que o erro é uma falha pode afetar o fato de que abandonamos qualquer projeto com o menor contratempo. No entanto, se não nos deixar levar por essa idéia, desenvolveremos nossa curiosidade e o erro deixará de ser um demônio cheio de negatividade. Assim, a mudança de perspectiva não apenas nos impedirá de temê-la, mas também nos fará aprender com esses erros quando os cometermos.

Sair da caverna é um processo difícil

No mito da caverna, o homem que decide libertar-se das correntes que o aprisionam toma uma decisão muito difícil; o segundo, em vez de ser bem visto por seus companheiros, é rapidamente tomado como um ato de rebelião. Algo mal visto e que poderia tê-lo empurrado para abandonar essa tentativa. Quando este homem finalmente decide, ele começa a seguir este caminho sozinho, para ir além dessa parede e do fogo, o que o faz duvidar ao mesmo tempo em que ele o cega. Dúvidas o atacam, ele não pode mais distinguir o verdadeiro do falso.

Ele deve se livrar de crenças que há muito o habitam. Idéias que não são apenas enraizadas, mas também a base da árvore de suas crenças. No entanto, como ele se move em direção à saída da caverna, ele percebe que o que ele acreditava não era verdade. Então, o que resta dele? Ele deve convencer aqueles que zombam dele de que existe uma liberdade à qual podem aspirar se decidirem abandonar o aparente conforto em que vivem.

O mito da caverna retrata a ignorância como a realidade que se torna desconfortável quando nos tornamos conscientes de sua presença. Diante da menor possibilidade da existência de outra visão do mundo, a história nos revela que a nossa inércia nos leva a destruí-la porque a consideramos uma ameaça à ordem estabelecida.

As sombras não são mais projetadas, a luz deixou de ser artificial e o ar já está acariciando meu rosto.


Nossa condição humana pode impedir-nos de nos livrar deste mundo de sombras, mas podemos pelo menos fazer um esforço para tornar essas sombras cada vez mais distintas. O mundo perfeito e icônico das idéias pode ser uma utopia para a nossa natureza, mas isso não significa que renunciar à nossa curiosidade é melhor do que confiar no conforto do que conhecemos hoje (ou o que nós acho que sabemos).

Quando crescemos, dúvidas, inconsistências e perguntas nos ajudam a remover as vendas que às vezes tornam a vida muito mais difícil do que realmente era.

 

 

Artigo originalmente publicado em Nos pensées

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS