Você sabe de onde vem a motivação para melhorar sua vida? Você está ciente do que o incentiva a se esforçar, dar o seu melhor e mudar as coisas?

Embora todos queiramos crescer como pessoas, aprimorar nossas habilidades e construir um mundo melhor, a verdade é que nem sempre fazemos isso. Nem sempre escolhemos a melhor opção, fazemos o que é melhor para nós ou seguimos o melhor caminho, mesmo sabendo qual é.

Às vezes, simplesmente deixamos que essa parte do nosso cérebro que deseja economizar recursos cognitivos seja superada. Aquela parte de nós que se sente segura na zona de conforto . Deixamos a preguiça vencer o jogo. Nós nos acomodamos na inércia e abrimos espaço para a procrastinação.

Superar essa apatia diária não é fácil. Todos nós sabemos que é muito mais fácil jogar-se no sofá depois de um dia de trabalho do que ir à academia ou correr, por mais que saibamos que o exercício físico é bom para nós.

No entanto, há momentos em que um acontecimento na vida precipita tudo, nos tira da preguiça e nos dá a força de que precisamos para fazer outras mudanças em nossas vidas. O paradoxo é que, embora muitas vezes esses eventos vitais exijam uma dose de esforço e considerável dedicação, em vez de sugar a energia de nós, eles nos dão um empurrão adicional.

Essa é a razão pela qual muitas pessoas podem tirar o melhor de si mesmas quando se tornam pais, lhes confiam um projeto de carreira desafiador ou terminam um longo relacionamento. A explicação para o que é conhecido como “paradoxo do esforço” está no custo de ativação, como explica Scott H. Young .

Você sabe o seu custo de ativação?

No nosso dia a dia é mais fácil viver no piloto automático . Nós nos deixamos levar pela inércia, permitindo que hábitos contrastantes determinem o fluxo de nossa vida. Desta forma evitamos tomar decisões continuamente e economizamos recursos físicos e cognitivos.

No entanto, uma vez que entramos nesse fluxo automático, é muito difícil sair.

Essa é a razão pela qual muitas pessoas, mesmo sendo obesas, continuam a comer alimentos calóricos e adiam continuamente sua dieta. Essa também é a razão pela qual muitas pessoas vivem em relacionamentos tóxicos que, de certa forma, subsistem em um equilíbrio precário. E é por isso que continuamos num trabalho que não nos satisfaz, mas nos dá segurança.

Mudar o fluxo de eventos e quebrar essa rotina tem o que podemos chamar de custo de ativação. Cada caminho de crescimento pessoal deve pagar esse preço. O custo de ativação é a quantidade de energia que devemos despender para mudar certos hábitos e introduzir transformações em nosso ambiente.

O interessante é que, uma vez que assumimos esse custo de ativação, é como se tivéssemos uma barra grátis para continuar com mudanças que antes pareciam muito difíceis ou caras. Um novo desafio em nossa vida que nos força a sair da rotina muitas vezes se torna o gatilho para outras mudanças positivas.

Quando temos um objetivo que realmente nos motiva, esse entusiasmo costuma se espalhar para outras áreas da vida e, de certa forma, diminui os custos de ativação. Portanto, não é incomum que uma grande mudança seja seguida por outras transformações em diferentes áreas de nossas vidas.

Na prática, uma vez que avançamos e ultrapassamos um certo limite de esforço, tudo o mais se torna mais fácil e até natural. É por isso que uma pessoa que decide começar a correr muitas vezes também começa a se alimentar de maneira mais saudável e está mais preocupada com seu bem-estar psicológico. Uma mudança leva à outra.

Esforço como motivador em si mesmo
“ Não há nada no mundo que valha a pena ter ou fazer a não ser que signifique esforço, dor, dificuldade … Nunca na minha vida tive inveja de um ser humano que teve uma vida fácil. Invejei muitas pessoas que tiveram vidas difíceis e lidaram bem ” , escreveu Theodore Roosevelt em 1910.

Roosevelt não era um masoquista, ele sabia que o esforço é um motivador poderoso em si mesmo, provavelmente o mais poderoso de todos os motivos que orientam nosso comportamento. Na verdade, psicólogos da Universidade de Toronto explicam que, embora geralmente associemos esforço a recompensa e muitas vezes busquemos recompensas para nos recompensar pelo esforço realizado, na realidade o esforço em si também é um valor e uma recompensa.

O esforço agrega valor ao que obtemos ou alcançamos, mas também tem um valor em si que não devemos descartar, porque é um agente poderoso que estimula o comportamento. Na verdade, alguns resultados podem ser muito mais recompensadores pelo esforço investido neles. Em outras palavras, não estamos tão satisfeitos com o que foi alcançado quanto com o esforço investido. Entendemos que o que realmente conta não é atingir a meta, mas crescer ao longo do caminho.

Isso significa que quando queremos fazer grandes mudanças na vida, mas nos sentimos presos à rotina e à preguiça, precisamos encontrar aquele motivo que vale a pena o esforço e que nos permitirá ultrapassar o custo de ativação. Esse motivo é obviamente pessoal. A boa notícia é que, assim que estivermos funcionando, será mais fácil continuar mudando.

No entanto, há uma “pegadinha” da qual devemos estar cientes. Muitas das coisas que devemos fazer para crescer como indivíduos, melhorar nossos relacionamentos interpessoais ou alcançar uma vida significativa simplesmente não são motivadoras o suficiente em si mesmas e o custo de ativação é muito alto para nós.

Para contornar essa armadilha, devemos encontrar aquele único motivo para fazer tudo o mais, um motivo que nos obriga a levar as coisas a sério e que seja significativo o suficiente para nos dar a energia necessária. Não existem atalhos, cada pessoa deve encontrar sua razão porque o que motiva uma pode ser irrelevante para outra.

Jennifer Delgado Suarez – Rincón de la Psicologia

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.