De todos os poderes que moldam nossas vidas, nossas emoções destacam-se tanto em sua capacidade de influenciar drasticamente nosso bem-estar e nas formas misteriosas em que eles o fazem.

Por estarmos presos a uma forte emoção, muitas vezes perdemos a capacidade de distinguir entre racional e irracional, certo e errado e, em casos extremos, entre o real e o imaginado. As emoções podem nos levar a fazer coisas que mal pensávamos ser capaz – às vezes para o bem, mas muitas vezes para o mal. E de todas as emoções, a raiva se destaca como uma das mais poderosas e certamente as mais destrutivas.

Fúria, ressentimento, hostilidade e ódio crônicos são todas formas de raiva que, se persistirem, podem resultar em sofrimento pessoal intenso, danos a pessoas próximas a nós e até mesmo a morte em massa. No século XX, centenas de milhões de pessoas morreram nas mãos de movimentos políticos que se alimentaram do ressentimento das massas, fato que deve nos despertar para o perigo de ignorar nossa raiva.

No entanto, nem toda raiva é patológica e destrutiva. Às vezes, a raiva é uma resposta justificada a maus tratos e até mesmo a raiva pode ser em nosso benefício, se a nossa vida estiver em perigo.

“Aqueles que não demonstram raiva das coisas que deveriam provocar a ira são considerados tolos” (Aristóteles)

A raiva também pode nos fornecer a energia e a auto-afirmação necessárias para transformar nosso eu, atingir nossas metas e nos engajar em atividades construtivas. A raiva é um sinal de que algo dentro de nós quer viver e se afirmar, enquanto sua antítese, apatia, significa que uma vontade de morte nos superou. Mas o problema que todos enfrentamos é como aproveitar o lado construtivo da raiva, evitando suas tendências destrutivas. O objetivo deste artigo é examinar como podemos fazer isso e começar a examinar a conexão entre impotência e raiva.

“De fato, nenhuma emoção social é mais difundida hoje do que a convicção de impotência pessoal, a sensação de estar sendo assediado, sitiado e perseguido.” (Arthur M. Sclesinger, Jr.)

Enquanto Lorde Acton estava certo em afirmar que “o poder absoluto corrompe absolutamente” (Lord Acton), o inverso também é verdadeiro. A impotência absoluta corrompe absolutamente. Quando sentimos que nossas vidas contam por pouco; quando nossa apatia leva à estagnação em uma forma de trabalho que produz apenas um salário e um vazio na alma; quando estamos cercados de governos e corporações cujo poder excede em muito qualquer coisa da qual somos capazes; e quando nos encontramos perdidos em um mar de “Pessoas sem rosto” (WH Auden), não podemos nos conectar, impactar ou alcançar, primeiro a impotência e depois a raiva e a raiva, parece ser o resultado.

“Nosso problema particular … neste ponto da história”, escreveu Rollo May, “é a perda generalizada do senso de significado individual, uma perda que é percebida interiormente como impotência … Muitas pessoas sentem que não têm e não podem ter poder, que mesmo a auto-afirmação lhes é negada, que eles não têm mais nada a afirmar e, portanto, que não há solução para uma violenta explosão ”.

Mas, além das forças sociais, a própria vida, ou os encargos existenciais que todos enfrentamos, também podem desencadear os sentimentos de impotência que geram raiva. No nascimento, somos lançados em uma realidade que pode ser hostil, frustrante e hostil aos nossos desejos. O desamparo que sentimos diante da fria indiferença da realidade é agravado pelo fato de que, embora façamos o nosso melhor para negá-lo desesperadamente, no fundo sabemos que nosso desejo primordial de nos perpetuar está fadado ao fracasso. A morte está esperando por todos nós. “Não seja gentil nessa noite boa”, escreveu o poeta Dylan Thomas. “Raiva, raiva contra a morte da luz.” (Dylan Thomas)

No entanto, apesar de a raiva ser uma resposta natural e às vezes saudável aos sentimentos de impotência, a maioria de nós tem sido condicionada culturalmente a suprimir nossa raiva. Criamos intrincados rituais sociais para manter uma auto-imagem altruísta comum, por trás da qual escondemos a raiva e o ressentimento que habitam dentro de nós. E, ao fazê-lo, nos tornamos psicologicamente instáveis, fracos e propensos a distúrbios psicossomáticos e tempestades de raiva que podem surgir de nosso inconsciente aparentemente não provocado. Dado o quão impotente e propenso a raiva, muitos estão nos dias de hoje, devemos encontrar uma maneira construtiva de lidar com a presença da raiva, e para nos ajudar a fazer isso, vamos nos voltar para o conceito de daimônico.

O daimônico é um termo grego antigo que foi originalmente usado para se referir a um poder que veio sobre o homem de fora – um espírito ou intermediário entre os deuses e os seres humanos. Rollo May reconceitualizou o daimônico em termos psicológicos modernos e definiu-o como “qualquer função natural que tenha o poder de dominar toda a pessoa”. (Rollo May, Love and Will)

Sexo, amor, raiva, raiva e desejo Por poder, todas as paixões daimônicas têm o poder de nos possuir e sobrepujar nossas faculdades conscientes. Eles são poderosos impulsos instintivos que empurram amoralmente para a sua realização e, portanto, podem potencialmente nos animar ou nos prejudicar. Embora os benefícios das paixões daimônicas como sexo e amor sejam óbvios, como resultado do condicionamento cultural, a maioria das pessoas não tem consciência do lado construtivo da raiva. “Nossa cultura”, escreve May, “exige que reprimimos a maior parte de nossa raiva e, portanto, estamos reprimindo a maior parte de nossa criatividade.” (Rollo May, Rollo May: Man and Philosopher)

A necessidade de ser criativo não se limita a artistas ou a certos tipos de personalidade, mas a necessidade de ser criativo é despertada em todos nós sempre que conflitos internos ou externos se manifestam em nossa vida. A presença de conflito e caos significa a necessidade de algum tipo de mudança em nossa visão de mundo ou mudança em nosso caráter ou ambiente.

Quando somos criativos, em vez de reagir ao caos e entrar em conflito com a passividade e impotência, reagimos de maneira proativa transformando nossa mente ou dando forma a algum componente no mundo externo para nos ajudar a entender o caos, lidar com isso, e, finalmente, transcendê-lo. “O processo criativo”, escreve o poeta Brewster Ghiselin, “é um processo de mudança, de desenvolvimento, de evolução, na organização da vida subjetiva” (Brewster Ghiselin, The Creative Process).

Dado o papel da criatividade na transformação do caos e do conflito em ordem, forma e sentimentos de impotência no poder, a falta de uma saída criativa suficiente em nossa vida é a principal culpada por muitos dos nossos problemas pessoais.

No entanto, como disse Pablo Picasso, “todo ato de criação é antes de tudo um ato de destruição”. (Pablo Picasso) Quer estejamos criando um estado de espírito mais poderoso ou algo de extremo valor no mundo externo, precisamos primeiro afastar o velho e obsoleto, a fim de abrir caminho para o novo. “Você deve querer se queimar em sua própria chama”, escreveu Nietzsche. “Como você pode querer se tornar novo a menos que você tenha se tornado cinzas!” (Nietzsche, Assim falou Zaratustra)

E para nos ajudar a nos dedicarmos a essa destruição criativa, a coragem, a assertividade e a energia que acompanham a raiva podem ser indispensáveis. Enquanto estamos condicionados a negar a raiva dentro de nós, muitos grandes pensadores, personalidades e artistas ao longo dos tempos têm enfatizado a necessidade de explorar e utilizar essa paixão demoníaca como um estímulo para a criatividade e a autotransformação; por isso, em O Casamento do Céu e do Inferno de William Blake “Satanás é o símbolo da criatividade, atividade e energia lutando para ser livre.” (Jeffrey Russell, O Príncipe das Trevas) A raiva pode ser a paixão demoníaca da destruição necessária para qualquer forma de criação duradoura e significativa.

“… Criar, concretizar as possibilidades, sempre envolve aspectos destrutivos e construtivos. Sempre envolve destruir o status quo, destruir velhos padrões dentro de si mesmo, destruir progressivamente o que se apegou desde a infância e criar formas e modos de vida novos e originais … Toda experiência de criatividade tem sua potencialidade de agressão ou negação em relação a outras pessoas. no ambiente ou em padrões estabelecidos dentro de si mesmo. ”(Rollo May, The Meaning of Anxiety)

Dado que a raiva é uma resposta natural a sentimentos de impotência e a supressão da raiva perigosa, precisamos reconhecer nossa raiva e não permitir que ela inconscientemente cause estragos em nossa vida e no mundo ao nosso redor. Pois, se pudermos nos tornar mais conscientes e aceitar a raiva dentro de nós, podemos usá-la para nos revigorar, nos impulsionar criativamente para objetivos distantes e nos transformar em um indivíduo mais auto-afirmativo e decisivo. Mas se nos conformamos com nosso condicionamento cultural e ignoramos ou suprimimos sua presença, nossa raiva acabará por se transformar de uma paixão demoníaca em um poder demoníaco, com resultados potencialmente devastadores.

“Aprender a viver criativamente com o daimônico ou ser violentamente devorado por ele. Nós decidiremos nosso próprio destino. Vamos escolher com sabedoria. ”(Raiva, Loucura e o Daimônico, Stephen Diamond)

Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) The Problem of Anger – How to Use the Power of Your Dark Side (https://www.youtube.com/watch?v=cViZ6wVysKk)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.