O pensamento crítico é uma habilidade essencial para se tornar uma pessoa que pensa com autonomia e não se deixa contagiar de forma irrefletida pelas ideias em voga ou por aquelas que alguns grupos ou pessoas manipuladoras querem impor. Apesar disso, também é uma habilidade rara em uma sociedade projetada para nos dizer o que pensar, não para nos ensinar a pensar.

Mais de 2.400 anos atrás, Sócrates defendeu a importância do pensamento crítico por meio de uma série de ferramentas lógicas e racionais. Naquela época o mundo não abraçou sua ideia e nem mesmo entendeu a necessidade de aplicá-la em larga escala na sociedade. O mesmo é verdade hoje. O pensamento crítico tornou-se uma espécie de oxímoro. É “valorizado”, mas não desenvolvido.

Em 1997, um grupo de especialistas conduziu um estudo para a Comissão de Credenciamento de Professores da Califórnia para determinar até que ponto as faculdades e universidades estavam desenvolvendo o pensamento crítico por meio do currículo. A pesquisa analisou institutos e universidades do sistema educacional da Califórnia, bem como faculdades particulares, como a Universidade de Stanford.

Os pesquisadores descobriram que a maioria dos professores (89%) afirmou que o “pensamento crítico” era de vital importância em suas aulas, mas apenas 19% foram capazes de oferecer até mesmo uma definição moderadamente aceitável de pensamento crítico. Além disso, a maioria afirmou estar cultivando o pensamento crítico nos alunos, mas, quando solicitados a dar exemplos de pensamento crítico em suas aulas, poucos foram capazes de fornecer evidências reais de que estavam realmente promovendo o pensamento crítico em seus alunos.

A boa notícia é que, embora a escola não aprimore essa capacidade cognitiva tanto quanto deveria, todos podemos desenvolver um pensamento mais crítico para assumir uma postura mais reflexiva, consciente e independente perante o mundo.

Definição de pensamento crítico : não é o que você pensa, mas como você pensa

O pensamento crítico é a capacidade de organizar, verificar e avaliar adequadamente as informações que geramos ou recebemos usando critérios explícitos e consistentes. É a tendência de mostrar um ceticismo reflexivo que nos permite decidir autonomamente no que acreditar ou não.

Portanto, implica ser capaz de interpretar os dados, fatos e expressões, bem como analisar as ideias, intenções, conceitos e argumentos para chegar a uma conclusão pessoal. No entanto, o conceito de pensamento crítico não se volta apenas para fora, mas também possui um componente metacognitivo. Implica ser capaz de pensar o próprio pensamento; isto é, esteja ciente dos vieses cognitivos ou erros em nosso processo de pensamento para corrigi-los.

As habilidades essenciais de pensamento crítico

O pensamento crítico exige o desenvolvimento de uma série de habilidades básicas que se tornam os pilares do raciocínio autônomo. São habilidades que nos permitem pensar com mais liberdade, fora dos cânones estabelecidos.

Mentalidade aberta. Mente aberta não significa aceitar nada só porque é uma ideia nova e diferente, rejeitar ideias antigas, mas apenas estar disposto a analisar novas ideias. Significa não se fechar no que é diferente e novo, rejeitando-o apenas porque não se encaixa em nosso paradigma mental.

• Humildade intelectual. Humildade intelectual é a capacidade de reconhecer nossos erros, estereótipos e preconceitos, percebendo que não somos imunes a vieses cognitivos e emoções. Implica ter consciência de que não temos a verdade absoluta, mantendo-nos sempre abertos a diferentes ideias que possam contribuir em algo ou nos fazer crescer.

• Dúvidas saudáveis. O pensamento crítico se alimenta de dúvidas saudáveis. Não se trata de nos tornarmos cínicos que não acreditam em nada nem em nada, mesmo duvidando de nossa sombra e rejeitando as boas intenções e a bondade dos outros, mas alimentar um ceticismo reflexivo segundo o qual, não temos que acreditar em certas afirmações a pé só porque vêm das chamadas figuras de autoridade.

• Perseverança intelectual. Para ir além do que é visto e dado como certo, precisamos ser persistentes. O pensamento crítico geralmente envolve nadar contra a corrente, por isso precisamos estar altamente motivados para buscar a verdade pessoal, mesmo quando grande parte do mundo está indo contra ela. Essa perseverança intelectual é o que nos permitirá seguir buscando e analisando informações até encontrarmos uma resposta que nos satisfaça.

Exemplos de pensamento crítico na vida cotidiana

O pensamento crítico não se aplica apenas à ciência ou filosofia. O pensamento crítico na vida cotidiana também desempenha um papel essencial na tomada de muitas das decisões que determinarão nosso destino. Ele molda nossas convicções e nos ajuda a escolher as causas com as quais nos comprometemos e aquelas que não fazem sentido para nós.

Isso nos permite elucidar o que cada afirmação realmente contém. O pensamento crítico nos permite questionar as declarações que ouvimos ou fazemos, desde as mais simples, como “o sol está brilhando hoje”, até as mais complexas, como “todos os homens / mulheres são iguais” ou “Comunistas / capitalistas são maus”. Desta forma, o pensamento crítico nos impede de cair na armadilha de slogans desprovidos de significado ou estereótipos culturais, geracionais ou outros.

O pensamento crítico também é essencial para crescer como pessoas porque nos permite olhar para dentro. É o que nos permite nos perguntar: Fiz o meu melhor? Eu me comportei de maneira lógica? Se acontecesse de novo, você agiria de maneira diferente? Agi de acordo com meus valores ou fui levado pelo grupo? Fui vítima de meus estereótipos e preconceitos? Eu me apressei em tomar a decisão?

Este tipo de pensamento, em suma, permite-nos desenvolver uma visão crítica a partir de uma atitude mais aberta e reflexiva, para garantir que tomemos as nossas próprias decisões, o menos influenciados possível pelas opiniões, julgamentos e pressões dos outros.

Adaptado de Rincón de la Psicología

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.