Rincon de la Psicología

“Um homem encontrou um casulo de borboleta deitado na estrada e levou para
casa para protegê-lo. Ele o colocou em boa proteção, mas no dia seguinte
percebeu que havia um pequeno buraco, notou melhor e viu que a pequena
borboleta estava lutando para sair do casulo.

Ele ficou assim por várias horas, observando a luta da borboleta para fazer seu
corpo passar por aquele pequeno buraco. No entanto, de repente, ela parou de
lutar, parecia que havia se rendido. O homem lamentou muito e, com grande
delicadeza, ampliou o espaço para que a borboleta pudesse sair.

Finalmente, a borboleta saiu, mas seu corpo estava inchado e suas asas eram
muito pequenas e curvadas. O homem achou que isso era normal e continuou a
observando, esperando que o inchaço diminuísse e que a borboleta abrisse as
asas e voasse para longe. Mas não foi assim, a pobre borboleta apenas se
arrastava em círculos. Ela nunca chegou a voar “.

Às vezes, para ajudar, devemos ficar à margem

Essa fábula nos diz que alguns obstáculos às vezes são necessários porque nos
ajudam a tornar-nos pessoas resilientes. Ao longo da vida, todos devem cometer
seus próprios erros para aprender com eles e amadurecer. Se intervirmos e
resolvermos problemas em seu lugar, estaremos tirando uma oportunidade de
aprendizado que pode ser muito valiosa mais tarde. Portanto, em algumas
circunstâncias, a melhor ajuda é ficar de fora.

Como regra geral, a vida apresenta diferentes rumos que desafiam nossas
capacidades atuais, mas, ao mesmo tempo, nos forçam a crescer e desenvolver
nosso potencial. Cada estágio de nossa existência apresenta diferentes
desafios que nos preparam para a próxima fase. No entanto, se sempre tivermos
alguém para resolver os problemas para nós, corremos o risco de que,
permanecendo sozinhos, sem esse controle, não tenhamos os recursos
necessários para lidar com um determinado problema e isso acabe nos
envolvendo.

Por exemplo, a mãe que sempre sai em defesa de seu filho quando tem
problemas com outras crianças, está lhe fazendo um favor a curto prazo, mas a
longo prazo o impede de desenvolver suas habilidades sociais, de modo que
quando crescer, ele será um adulto com uma Inteligência Emocional pobre e com
dificuldades de se relacionar com os outros.

Da mesma forma, há situações que não exigem nossa intervenção direta, mas
simplesmente nosso apoio emocional. Há problemas que não podemos resolver
para os outros, mas podemos apoiá-los, deixando-os saber que estamos ao
lado deles. De fato, não importa o quanto amamos uma pessoa, não podemos
suportar seu sofrimento ou resolver seus problemas em seu lugar, isso é algo
que eles devem fazer por si mesmos.

Quando é necessário intervir?

Se uma pessoa sempre tiver alguém que resolva problemas em seu lugar, ela se
tornará emocionalmente incapacitada. Uma vida sem obstáculos não permite
que você cresça, na verdade, nem sequer permite que você se conheça bem,
pois descobrimos quem realmente somos e até onde podemos chegar quando
estamos em situações extremas. Pegar um atalho, deixando os outros
resolverem nossos problemas, quase nunca é o melhor caminho. É verdade que
chegaremos mais cedo, mas se a próxima corrida for mais intensa, sairemos do
meio porque não estaremos prontos.

Portanto, não faça para os outros o que eles podem fazer sozinhos. Se você se
comportar de uma maneira super protetora, ajudará essa pessoa a nunca
estender suas asas e roubará um de seus tesouros mais valiosos: conhecer e
testar seu potencial. Além disso, estar sempre pronto para os outros e resolver
seus problemas mesmo às custas de nossas próprias necessidades pode ser
uma faca de dois gumes, uma vez que contribuímos para criar pessoas egoístas
que esperam que estejamos sempre à sua disposição. Portanto, é provável que
eles nem saibam apreciar os grandes sacrifícios que fizemos.

O segredo está em ajudar quando alguém realmente precisa dessa ajuda,
quando seus recursos psicológicos ou físicos não permitem que eles avancem.
E, mesmo assim, a ajuda quase nunca deveria resolver o problema, mas sim
fornecer as ferramentas para resolvê-lo ou ajudá-lo a encontrar o caminho.
Lembre-se que se você der um peixe a um homem, você mata a fome dele por
um dia, mas se você o ensinar a pescar, ele nunca ficará com fome novamente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.