A Fundação Black Jaguar (BJF) tem apenas um objetivo, mas é muito grande: a ONG fundada pelo empresário e ambientalista holandês Ben Valks planeja reflorestar 1 milhão de hectares (2,4 milhões de acres) nas duas margens dos rios Araguaia e Tocantins. nos biomas Amazônia e Cerrado.

O corredor natural de 2.600 quilômetros (1.615 milhas) de comprimento, quando concluído, se estenderia 20 quilômetros (12,4 milhas) para fora de ambas as margens dos dois rios. Isso exigirá o plantio de cerca de 1,7 bilhão de árvores, segundo a entidade, e terá o duplo propósito de apoiar a produção agroflorestal e a preservação do meio ambiente.

O projeto BJF já está em andamento, com dezenas de milhares de árvores plantadas. Mas seu maior obstáculo está à frente; o cinturão verde planejado será estabelecido apenas em terras privadas, portanto, exigirá a cooperação de vários proprietários de terras inicialmente resistentes.

O mérito do projeto não está apenas na imensa escala – a restauração planejada atravessará seis estados brasileiros (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Pará e Maranhão). Também seria um longo caminho para proteger e fornecer conectividade da vida selvagem para os dois maiores e mais importantes biomas do Brasil: a savana do Cerrado (que ocupa 48% da área do projeto) e a Amazônia (que ocupa 52%). Ambos os biomas estão sob intensa pressão devido à expansão de pastagens e áreas de cultivo.

Código Florestal ajuda a tornar possível a via verde

Se ou quando essa vasta visão se concretizar, o território reflorestado formará o Corredor de Biodiversidade do Araguaia, conceito idealizado pela primeira vez em 2008 pelo biólogo Leandro Silveira, do Instituto Onça Pintada . Naquele ano, Silveira, um dos maiores conservacionistas de onças-pintadas do mundo, fundou o Fundo de Conservação de Onças-pintadas (JCF) . Agora a BJF está trabalhando para tornar o corredor verde uma realidade.

Uma das tarefas do JCF é mapear a distribuição de cinco espécies-chave na região e, especialmente, estudar a ecologia da onça-pintada na zona do corredor. O papel desafiador, mas crucial, do BJF é criar um corredor natural contínuo conectando os pontos verdes: conectando fragmentos de vegetação nativa existentes com floresta recém-replantada que cobrirá terras atualmente desmatadas e degradadas em propriedades rurais privadas.

É o Código Florestal Brasileiro – consagrado em lei federal em 1965 e revisado pela última vez em 2012 – que ajuda a viabilizar o projeto. Essa legislação exige que todos os proprietários privados na Amazônia e no Cerrado protejam uma proporção significativa da natureza em suas propriedades. Essas áreas de conservação privada recebem várias designações, incluindo áreas de preservação permanente (APP), reserva legal (RL) e áreas de uso restrito. De acordo com a lei federal 12.651 / 2012, toda propriedade rural privada deve possuir uma APP e uma RL.

Entre as funções ambientais de uma APP está a preservação dos recursos hídricos. O principal objetivo de uma RL é a preservação da vegetação nativa, de forma a garantir o uso econômico contínuo dos recursos naturais da propriedade de forma sustentável. O tamanho de um RL depende do bioma em que está localizado. No Cerrado, uma RL deve ocupar até 35% da área de uma propriedade privada; na Amazônia, até 80% deve ser conservado.

“Pensamos numa forma viável de recuperar o corredor, então fizemos um estudo para identificar quantas e quais propriedades [privadas] estavam obedecendo à lei [Código Florestal] e quais não. Também descobrimos a localização e o tamanho das áreas degradadas nas RLs e APPs e quantificamos os benefícios e custos ambientais, econômicos e sociais do futuro corredor ”, disse Andrea Lucchesi ao Mongabay. É professora de economia ambiental da EACH / USP (Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo) e coordenadora do estudo de viabilidade.

Encomendada pela BJF, e realizada por pesquisadores da EACH / USP e da Universidade de Illinois Urbana-Champaign, a pesquisa identificou 24 mil propriedades rurais na área do corredor, das quais 13.148 possuem déficit ambiental em RLs e APPs de 1 milhão de hectares. A equipe também mapeou outras características, incluindo posse da terra e áreas e espécies de vegetação nativa existentes.

No entanto, o estudo só foi capaz de determinar a propriedade clara de 81% da área total do corredor verde proposto. “O problema é que o CAR [Cadastro Ambiental Rural, que registra todas as propriedades rurais do Brasil] é autodeclaratório e encontramos muita sobreposição de terras entre propriedades, por exemplo”, disse o economista ambiental. Determinar os limites do terreno e estabelecer um título claro será um dos desafios para a concretização do projeto do corredor.

Este é um dos dois viveiros que a BJF construiu em fazendas parceiras para o projeto.
Imagem: Carlos Eduardo Oliveira / Fundação Big Jaguar

Os benefícios superam os custos

O estudo BJF concluiu que a restauração do corredor verde de um milhão de hectares, associada à implantação de sistemas de produção agroflorestal na floresta restaurada, pode resultar em US $ 21,1 bilhões em benefícios ambientais e econômicos nos próximos 50 anos (estimativa que depende de os ciclos de crescimento das árvores exploráveis ​​e técnicas de manejo florestal).

Outros benefícios do projeto incluem a captura de 262 milhões de toneladas de CO2 equivalente, uma redução de 527 toneladas de erosão do solo, receita de produtos madeireiros e não madeireiros e a criação de mais de 37.000 empregos. O custo total do projeto é estimado em US $ 2,2 bilhões.

Os gastos serão custeados pela BJF e incluirão a manutenção das áreas reflorestadas nos três primeiros anos do projeto, além do monitoramento florestal no 10º e 20º anos após o plantio. Cada proprietário rural que ingressar no BJF receberá seu próprio plano de restauração com base no tamanho da área possuída, uma estimativa do nível atual de degradação do solo, junto com sementes e mudas de espécies nativas que oferecem maior potencial de desenvolvimento econômico agroflorestal.

“Os dois modelos de restauração que adotamos [ambos] seguem princípios ecológicos para a conservação da biodiversidade” e a restauração de florestas e vegetação nativa, mas o segundo modelo também segue “princípios econômicos que incluem o uso sustentável do solo para a geração de madeira e produtos agrícolas ”, explicou Dimitrio Schievenin, engenheiro florestal da BJF e coordenador do projeto. “As áreas [reflorestadas] não podem ser desfiguradas, nem cortadas, e a retirada de uma ou duas árvores por hectare, quando crescidas, é comum nos planos de manejo sustentável em florestas nativas.”

Mudas de angico em viveiro temporário aguardando o plantio das chuvas. Imagem: Carlos Eduardo Oliveira / Fundação Big Jaguar

Um projeto em seus estágios iniciais

Até o momento, quase nenhum dos proprietários privados que assinaram contratos com a BJF demonstrou interesse em implementar um sistema de manejo madeireiro em suas terras, alegando que o uso requer um processo muito burocrático e mão de obra cara para cortar as árvores. Em vez disso, preferem o extrativismo agrícola, obtido com culturas florestais como baru (uma castanha do Cerrado de alto valor nutritivo), pequi (uma fruta rica em óleo com muitos usos), cupuaçu (uma fruta muito usada na culinária amazônica), e o buriti (palmeira cujo fruto é rico em vitaminas A, B e C).

As primeiras mudas de árvores do corredor foram plantadas em 2018 na região de Santana do Araguaia (no sul do Pará) e em Caseara (no Tocantins) – ambas localizadas na zona de transição do bioma Amazônia-Cerrado, aproximadamente no centro do longo corredor. Em dezembro, o total de plantações totalizou 100.000 mudas em 130 hectares (321 acres), incluindo uma área piloto. O trabalho de campo ganhou impulso no último trimestre de 2020, quando 30 mil mudas foram plantadas.

“Antes da pandemia [COVID-19], a meta era chegar em março de 2021 com mais 250 mil mudas [com plantio feito de outubro a março, no período das chuvas], mas reduzimos para 80 mil. No ano passado, alguns trabalhadores da equipe de campo contraíram o vírus e os proprietários de terras se trancaram e recusaram a entrada ”, explicou Schievenin.

Embora os números atuais estejam longe de cumprir as próximas metas de plantio – um milhão de árvores até o final de 2022 e dez milhões até 2025 na área de Santana do Araguaia – a BJF está confiante de que fará o trabalho dentro do prazo.

“É desafiador, mas não impossível. Até o ano passado estávamos focados na obtenção de recursos financeiros para o primeiro milhão de árvores, o que praticamente conseguimos. As áreas combinadas dos proprietários com os quais já assinamos um acordo representam 40% dos 600 hectares [1.482 acres] necessários para aquele milhão de árvores ”, disse a Coordenadora de Relações Institucionais do BJF, Marina Tavares, ao Mongabay. “Os outros 60% estão em propriedades de cinco novos agricultores com quem estamos negociando.”

Frutos e sementes da árvore chichá-do-Cerrado (Sterculia striata), uma das espécies utilizadas no projeto. Imagem: https://news.mongabay.com/2021/02/big-dream-ngo-leads-in-creating-1615-mile-amazon-cerrado-river-greenbelt/

Obstáculos a superar

Ingo Isernhagen, pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril (unidade do Ministério da Agricultura especializada no desenvolvimento de novas tecnologias) e membro do conselho consultivo do BJF, concorda que os objetivos da ONG são muito ambiciosos, mas observa que o projeto tem grande valor ecológico e econômico promessa para as áreas rurais do Brasil.

“O projeto cobre um longo gradiente latitudinal, norte-sul, que atravessa regiões dos biomas Cerrado e Amazônia”, disse a bióloga da Embrapa. “O Brasil tem um grande passivo em áreas degradadas, e a iniciativa BJF é um grande laboratório ao ar livre para restauração de ecossistemas no centro do país, na região de fronteira agrícola.”

Como a área de trabalho do projeto atual está localizada na zona de transição Amazônia-Cerrado, “A equipe de campo precisa estar [muito] atenta às variações nas fisionomias da vegetação e buscar fontes de sementes e mudas que levem em conta essas diferenças nas regiões. Existem espécies versáteis [crescendo na área do projeto], mas mais uma típica do Cerrado não necessariamente vai bem em ambientes do bioma Amazônia, e vice-versa ”.

Outro desafio logístico: o esforço de coleta de sementes e plantio de mudas da ONG exige um bom número de trabalhadores de campo. No entanto, Isernhagen explicou que a escassez de mão de obra qualificada em restauração florestal é um problema que ocorre na região há alguns anos.

Essa falta de mão de obra qualificada é compensada de alguma forma pelas técnicas de restauração do BJF: a ONG não só faz o plantio manual de mudas, mas faz a semeadura direta com maquinário agrícola (o que traz ganho de escala e diminui mão de obra). O projeto também depende fortemente da regeneração natural. “Tem áreas que foram desmatadas recentemente e não têm tantos anos de cultivo, então há uma boa chance de que a vegetação [nativa] se recupere sozinha”, disse o especialista da Embrapa.

O maior desafio até agora para a BJF, segundo os entrevistados, não é do lado técnico ou financeiro, mas depende da disposição dos proprietários das 24 mil propriedades rurais em aderir ao empreendimento.

“Às vezes há muita resistência dos proprietários; seus perfis são diversificados. Enquanto alguns concordam que a restauração ecológica traz ganhos para a produção agrícola e [eles] se preocupam em estar dentro da lei, outros desconhecem as novas tecnologias e têm meia cabeça de gado por hectare em suas terras ”, disse Isernhagen, e assim eles não compre imediatamente as vantagens da participação.

“Procuramos mostrar os benefícios que eles terão além da regularização ambiental, como melhoria do clima e do solo, controle de pragas por meio da biodiversidade e manutenção dos recursos hídricos”, disse Schievenin. “Infelizmente, não há senso de urgência. Os [proprietários rurais] acham que a restauração [da floresta] não será problema deles, mas de seu filho ou neto. [Mas] aqueles que aderiram à iniciativa até agora já têm uma consciência ecológica ”.

Os pássaros são os principais beneficiários do replantio florestal. Este repousa sobre uma muda recém-plantada em maio de 2020.
Imagem: Carlos Eduardo Oliveira / Fundação Big Jaguar

A bela arte da negociação

Um caso em questão: Guilherme Tiezzi, proprietário de uma fazenda de 500 hectares no município de Caseara, no estado do Tocantins. Quando soube do plano do corredor verde, ele ficou, em suas próprias palavras, super animado.

“Um mês depois, eu estava em Amsterdã para falar com [o fundador da BJF] Ben [Valks]. Fui o primeiro agricultor a assinar o acordo ”, disse Tiezzi ao Mongabay.

Ele e sua irmã herdaram a propriedade de seu pai, que desmatou 60% da terra como pasto para gado. A visão do familiar mais jovem, porém, era bem maior e, trabalhando junto com a ONG, esse técnico agrícola investiu na construção do primeiro viveiro de mudas do projeto, instalado nas terras de Tiezzi. A BJF plantou 500 mudas em 200 hectares (494 acres) da fazenda, que hoje funciona como Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) dentro das áreas de APP e RL da propriedade. Nos outros 300 hectares (741 acres), o agricultor está desenvolvendo sistemas agroflorestais e de integração lavoura-pecuária-floresta. Para isso, ele já plantou dezenas de espécies de plantas nativas e, em um futuro próximo, espera introduzir galinhas, porcos e peixes na mistura.

“É mais fácil desmatar tudo e instalar monoculturas porque chove muito na região”, e tudo cresce rápido, disse Tiezzi. “Mas se todo mundo plantar apenas soja, no médio prazo o solo se deteriora, os animais ao redor morrem e os ecossistemas param de se regenerar. Minha intenção é manter a floresta em pé e gerar negócios ao mesmo tempo. Como a BJF, acredito que o ganho econômico para os proprietários rurais é o caminho para o sucesso na restauração em grande escala. ”

No entanto, Tiezzi, um desbravador, é atualmente uma espécie de exceção, na opinião de Eduardo Malta; Malta é especialista em restauração ecológica da ONG Instituto Socioambiental (ISA), e foi uma das coordenadoras de um projeto do ISA que, com seus parceiros, plantou 1 milhão de árvores em 300 hectares de APPs em um único ano (2017) por volta de a Reserva Indígena do Xingu.

“No Mato Grosso e no Pará recebemos muitos olhares sujos dos proprietários de terras. Eles pensaram que perderiam área de produção ”, Malta lembrou de sua experiência de plantio de árvores ISA.

“Mesmo assim, conseguimos convencer alguns deles apresentando uma proposta consistente, com muita clareza e transparência”, lembrou. “Também não havia [presidente Jair] Bolsonaro ou [ministro do Meio Ambiente Riccardo] Salles na época, e mais pessoas estavam dispostas a cumprir a legislação [Código Florestal federal]. A atual situação política passa a mensagem de que não há necessidade de reflorestar e os proprietários acham que podem adiar para mais tarde, ou que a lei ainda pode mudar ”.

1,7 bilhão de árvores estão programadas para serem plantadas ao longo do rio Araguaia. — Imagem: Fundação Big Jaguar

Embora muitos proprietários rurais vejam a cobertura do BJF dos custos do projeto como um grande incentivo, Malta sugere que o projeto poderia progredir mais facilmente se os proprietários tivessem um envolvimento maior – incluindo ajuda financeira direta e fornecimento de funcionários da fazenda para participarem das plantações do projeto. “Do contrário, [os proprietários] não têm nada a perder se não se comprometerem. Fornecemos tudo em alguns casos, às vezes funcionava, às vezes não. Um proprietário, por exemplo, liberou o gado onde havíamos plantado, e outro vendeu a propriedade e não nos informou ”.

Apesar dos inúmeros desafios, a BJF segue em frente, conquistando mais a cada dia. No mês passado, a ONG recebeu aprovação do município de Santana do Araguaia para construir um terceiro viveiro de mudas, a ser equipado com painéis solares, sistema de captação de água da chuva e com capacidade de produção anual de 500 mil mudas. De acordo com Valks, o fundador da Black Jaguar Foundation, o viveiro faz parte de um plano municipal mais amplo para criar um parque de 40 hectares (99 acres), dos quais dois hectares (5 acres) serão ocupados pelo viveiro.

“Especialmente em um país como o Brasil, um país muito complexo, é incrível ver que os municípios começam a abraçar nossa missão”, disse Valks da BJF à Mongabay. “Temos certeza de que nosso projeto terá sucesso. Devemos acreditar no positivo da humanidade, para que possamos agir e, pelo menos, fazer um grande esforço para trazer de volta o equilíbrio entre o homem e a natureza. ”

Fonte: World Economic Forum

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.