Os monges zen aprendem um princípio fundamental: organizar a casa é como ordenar a mente e vice-versa. A casa funciona como uma metáfora para nós mesmos por dentro e às vezes mostra como somos.

Portanto, se somos pessoas que persistem em guardar coisas velhas, quebradas ou sujas, isso pode revelar maus apegos ao passado, rancores ou velhas mágoas não curadas. Se fizermos bagunça, adiarmos a limpeza da casa e formos tão descuidados que deixamos a comida estragar na geladeira, isso pode indicar que estamos procrastinando e que a ordem de prioridades não está equilibrada. Isso, de acordo com a filosofia Zen .

Ordem não é sinônimo de perfeição, como acontece em uma casa, pois para haver ordem deve haver um movimento persistente de caos. Ou seja, devemos estar fazendo pedidos e limpando constantemente e em perpetuidade para que haja harmonia no lar. O mesmo acontece conosco , não somos um trabalho de um dia, somos um trabalho perpétuo, devemos investir tempo, recursos e esforços para nos mantermos e não nos descuidarmos.

“Para levar esta metáfora para o próximo nível, os monges Zen recomendam tirar 20 minutos por dia para limpar a casa e, enquanto isso, refletir para nos colocar em ordem.”

Parece muito interessante limpar com tanta tranquilidade e reflexão, já que a maioria das pessoas se estressa muito enquanto arruma a casa. Ouvimos mães exaustas pegando tudo e reclamando da bagunça de outras pessoas. É claro que todos em casa devem colaborar, mas ao mesmo tempo, devemos parar de olhar para o trabalho doméstico com essa cara de mau e, sim, aproveitar esse espaço de tempo para nós também.

Este conselho consiste em limpar com cuidado , livrar-se do que não funciona assim como se livrar de rancores. Sacuda a poeira, assim como você se livra do descuido. Coloque as coisas em seus lugares, assim como você coloca suas prioridades em ordem. Dê amor ao espaço em que você habita, assim como deve dar amor ao seu próprio corpo. E assim por diante.

Devemos ter toda a atenção enquanto fazemos as tarefas domésticas, aprender enquanto limpamos a nos livrar das coisas que nos pesam e contaminam nossa alma; deixe de lado as preocupações, a relutância, a melancolia e faça cada atividade, por menor que seja, com paciência e amor.

Talvez se começarmos a arrumar a casa dessa forma, nossa vida comece a entrar nos trilhos também. E da mesma forma, não teremos mais desculpa para dizer que não temos tempo para nós mesmos, porque até o tempo que passamos consertando a casa e servindo aos outros é tempo de qualidade para nós.

Adaptado de habitosvida.com

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.