Uma empresa espanhola de biotecnologia está procurando gerar energia renovável a partir do próprio solo em que nossas casas são construídas.

Descrita como a startup mais perturbadora do mundo em 2016 pelo Google, a Bioo (pronuncia-se Bee-oh) cria baterias que utilizam micróbios do solo para gerar eletricidade de uma maneira simples, mas engenhosa.

Quando o solo no qual a bateria é colocada é irrigado ou recebe chuva, nutrientes e micróbios no solo que se alimentam de matéria vegetal em decomposição infiltram-se na bateria, onde sua atividade alimentar cria prótons e elétrons. Quando combinado com o oxigênio que flui pelos orifícios da bateria, o processo gera eletricidade suficiente para acender luzes, telas ou pequenos eletrodomésticos.

O objetivo da Bioo é expandir sua tecnologia até que suas unidades movidas a solo possam gerar energia para uma casa inteira, o que pode não ser tão difícil, já que a fabricação não requer nenhum mineral tóxico ou de terras raras como alguns painéis solares fotovoltaicos.

A Bioo está usando vasos de plantas em grande parte de suas pesquisas porque as plantas expelem o excesso de energia de sua fotossíntese através das raízes, que podem ser capturadas para alimentar pequenos dispositivos.

Atualmente uma casa está um pouco fora do alcance do fundador Pablo Vidarte. No entanto, ele criou várias maneiras inovadoras de apresentar suas ideias e, com sorte, gerar os dados e o capital necessários para aumentar sua escala.

Uma dessas vitrines é a Instalação Viva , para a qual as plantas são usadas como interruptores biológicos de ligar / desligar. Depois de receber uma certa frequência de rádio, Vidarte descobriu que certos vasos de plantas podem produzir energia por meio de seus sistemas e ser usados ​​como interruptores elétricos vivos, ligando luzes, telas, música e até mesmo estendendo wi-fi, para uso em uma casa ou ambiente de varejo.

Bioo

12 Trabalhando na ilha espanhola de Ibiza, os maiores painéis Bioo da Vidarte alimentam a iluminação externa instalada em toda a propriedade da empresa, que acende à noite.

Ao contrário dos painéis solares, que requerem baterias para armazenar energia para uso quando o sol não está brilhando, ou das turbinas eólicas que param de se mover sem uma brisa, os micróbios do solo nunca dormem – e nunca param de gerar energia. O fluxo de energia é consistente, mesmo no meio da noite ou em um dia sem vento. O painel Bioo também economiza água embaixo de um jardim ou gramado, pois está gerando H20 extra que é expelido para o solo.

E os painéis de energia 100% renovável, que atualmente podem gerar 3W por metro quadrado, não interrompem a paisagem natural acima do solo. Muitos planejadores de cidades estão ansiosos para usá-los para alimentar as luzes, especialmente em parques.

“A tecnologia em si tem potencial para ser muito, muito barata”, diz Vidarte. “Afinal, requer apenas grafite e substâncias à base de carbono que são realmente fáceis de obter, são muito abundantes e também muito baratas.”

Fonte: Good news network

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.