Adaptado do site Etapa Infantil

María Montessori disse: “A primeira tarefa da educação é agitar a vida, porém deixá-la livre para se desenvolver”. Sem dúvida, também é o mais difícil, especialmente para os pais, que geralmente tendem a superproteger seus filhos. No entanto, um dos principais objetivos da educação é desenvolver a autonomia e a independência das crianças. Como conseguir isso?

1. Não decida por eles

Para que as crianças desenvolvam autoconfiança, elas precisam aprender a tomar suas próprias decisões. Se os pais sempre decidirem por elas, não terão a oportunidade de desenvolver seus gostos ou cometer seus próprios erros. Como resultado, elas se tornarão pequenas dependentes e inseguras. Portanto, é aconselhável que perguntemos o que ela prefere e que, na medida do possível, respeitemos suas preferências e decisões.

2. Deixe que eles cometam seus próprios erros

Erros não são falhas, mas oportunidades de aprendizado. Toda vez que a criança cometer um erro e tentar novamente, estará desenvolvendo perseverança, tornando-se uma pessoa mais resiliente. Portanto, devemos deixar as crianças aprenderem por conta própria, cometerem seus próprios erros e ajudá-las somente quando realmente precisarem. Esse é um dos maiores presentes que podemos dar a eles.

3. dar-lhes obrigações

A infância é uma etapa preciosa e não deve ser caracterizada por preocupações e tensões. No entanto, isso não significa que os pais não desenvolvam responsabilidades desde o início. De fato, é conveniente dar obrigações às crianças, de acordo com a idade e sem que elas representem pressão excessiva.

4. Viva com eles, não sobre eles

Nos últimos anos, foi desenvolvido um estilo de paternidade que implica estar constantemente com as crianças, seja organizando a agenda ou superprotegendo-as excessivamente. No entanto, esse estilo parental é cansativo para os pais e sobrecarrega os filhos. Pelo contrário, um relacionamento saudável e em desenvolvimento é aquele em que todos desfrutam da empresa e respeitam a identidade de cada pessoa, mesmo que seja uma criança pequena.

5. Dê um bom exemplo

A idéia de “faça o que eu digo, não o que eu faço” não funciona com crianças. Não se pode pretender que as crianças não gritem se os pais levantam a voz continuamente ou que não mintam se ouvem os pais falsificarem a verdade. A chave é ser a pessoa que gostaríamos que nosso filho se tornasse, devemos lembrar que, quando se trata de educar valores, os exemplos valem mais que mil palavras.

6. Estabeleça limites

Muitos pais pensam que os limites são negativos, mas a verdade é que eles ajudam as crianças a entender o mundo e permitem que elas se sintam mais seguras porque sabem exatamente o que se espera delas. Obviamente, não se trata de impor limites excessivos e proibir tudo, mas é necessário que existam certas regras que garantam uma agradável convivência no lar.

7. Ouça-os

Muitos pais pensam que seus filhos não têm preocupações e que seus problemas são irrelevantes. Portanto, eles não prestam atenção suficiente, o que faz com que as crianças se distanciem e não confiem neles. No entanto, é importante estabelecer um canal de comunicação que permaneça aberto permanentemente e pratique a escuta ativa, para que as crianças saibam que sempre podem contar com os pais.

8. Reconheça seu esforço

Além dos resultados, os pais devem apreciar o esforço que a criança faz. Isso não significa que os resultados não contam, mas às vezes você aprende muito mais através da perseverança. Portanto, devemos garantir que recompensemos o esforço que a criança coloca nas tarefas, pois promoveremos a determinação, uma qualidade essencial para ter sucesso na vida.

9. Peça perdão quando estiver errado

Pedir perdão a nossos filhos quando estivermos errados não diminuirá nossa autoridade diante dos olhos deles; pelo contrário, os ensinará a serem humildes, a reconhecerem seus erros e a corrigi-los. Portanto, é sempre conveniente dar um passo atrás e tentar corrigir os danos causados por um erro.

10. Mostre a eles que você os ama

Nunca devemos nos cansar de dizer a nossos filhos o quanto os amamos. Carícias e abraços devem ser pão diário em casa, porque as crianças precisam quase tanto quanto de comida. Os sinais de amor não devem estar condicionados a bom comportamento ou boas notas; as crianças devem saber que seus pais as amam incondicionalmente. Uma criança amada será uma criança feliz e, acima de tudo, se tornará um adulto que não tem medo de amar.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.