Na história dos Estados Unidos da América, a instituição da escravidão foi legalizada. A história diz que os trabalhadores escravos ajudaram a construir a antiga Mansão Executiva, hoje Casa Branca. No período de 1789-1877, a maioria dos presidentes americanos eram famosos por escravizar humanos. Apenas dois deles; John Adams e John Quincy Adams, que eram pai e filho, odiavam a escravidão e se distanciaram de sua perpetuação.

A escravidão é considerada um dos males sociais mais lamentáveis ​​da história humana. Os efeitos prejudiciais da escravidão foram a perpetuação de abusos grosseiros dos direitos humanos e a revogação da dignidade humana.

Escravos típicos dentro da Casa Branca foram submetidos a crueldade, tortura e tratamento desumano. Pode ser chocante notar que, em média, um chefe de Estado dos Estados Unidos possuía 60 escravos que trabalhavam na capital Washington, enquanto alguns escravizavam apenas humanos antes de ascender ao poder. Vejamos os dez principais líderes dos EUA que foram escravos recorde no cargo e antes da ascensão.

  1. Thomas Jefferson (1801-1809)

Surpreso que o charmoso presidente dos Estados Unidos, Jefferson, fosse dono de escravos? Sim, o terceiro presidente dos Estados Unidos era, na verdade, o proprietário de escravos mais notório entre seus pares. Tendo uma vez aludido que “Todos os homens são criados iguais”, a participação ativa de Jefferson na instituição escravista é uma surpresa.

Sobre as questões da escravidão, o presidente Jefferson provou ser um homem de muitas contradições. Talvez ele tenha sido confundido e teve que seguir uma narrativa populista. Antes de sua ascensão ao cargo mais alto, ele argumentou contra a escravidão e procurou garantir que ela não se estendesse a novos territórios. Durante seu mandato, tendo recebido uma avalanche de críticas e reações dos principais interessados ​​na instituição escravista, ele se retratou e escravizou a maioria dos humanos em Washington DC.

  1. Andrew Jackson (1829-1837)

Andrew Jackson, o sétimo presidente dos Estados Unidos, assume a segunda posição em nossa lista. Diz-se que ele possuiu cerca de 200 escravos durante sua presidência, 95 dos quais carregou consigo de sua plantação no Tennessee para a Casa Branca. Seu estilo de propriedade de escravos o torna apto para os 5 primeiros em nossa contagem. Jackson teria sido o mais cruel dos proprietários de escravos presidenciais durante a subsistência do sistema escravista.

A White Historical Association afirma que o presidente Jackson fez uso extensivo da punição de açoite para o que ele chamou de “escravos errantes”. Quando um de seus escravos escapou, ele teve que apostar seus $ 50 para qualquer um que soubesse de seu paradeiro. Dizia-se que essa recompensa era acompanhada de um bônus adicional para o descobridor que o chicotear por um recorde de cem chicotadas.

  1. Zachary Taylor (1849-1850)

Devido à sua rica experiência como proprietário de terras, Taylor foi o último presidente da América que escravizou 150 pessoas durante seu mandato. Taylor parecia interessado em promover esta instituição, mas as circunstâncias em torno de sua posse não criaram um terreno amplo para sustentar a escravidão. Ele liderou os Estados Unidos da América por um período muito breve, rejeitando apenas um ano e quatro meses.

Quando deu seu último suspiro, ele falhou tristemente em decidir sobre a questão acalorada da escravidão que ameaçava uma divisão dentro do Congresso. Talvez, seu histórico de falta de interesse por questões políticas possa ter sido a razão de seu fracasso em libertar a humanidade da escravidão.

  1. George Washington (1789-1797)

O presidente fundador dos Estados Unidos assume a quarta posição na lista de escravidão, tendo escravizado um número impressionante de 123 escravos na Casa Branca. No momento de sua morte, o presidente Washington supervisionava um sistema de propriedade de escravos semelhante ao que vigorava no estado da Virgínia.

No estado da Virgínia, a escravidão era a espinha dorsal da economia, pois fornecia mão de obra barata, porém eficaz. Na época de sua morte, seus escravos haviam dobrado para cerca de 300. No entanto, ao contrário de Jackson, Washington não imaginava a perpetuação contínua da escravidão e ansiava pela emancipação de seus escravos. O Washington Post capta isso, sua vontade foi instrutiva para que seus escravos recebessem a emancipação.

  1. James Madison (1809-1817)

O presidente Madison, o quarto presidente da América, nasceu e foi criado em uma família onde a escravidão foi promovida. Tendo crescido na Virgínia, onde a economia dependia da escravidão dos negros, ele passou a ter escravos como comandante-chefe dos Estados Unidos. Ele possuía cerca de 100 escravos que realizavam grande parte do trabalho de burro na Mansão Executiva, incluindo a proteção de seus objetos de valor contra pilhagem e roubo.

  1. James Monroe (1817-1825)

A história diz que o décimo presidente dos Estados Unidos era um proprietário de escravos de cerca de 90 escravos, tendo herdado 30 deles de sua propriedade familiar. Ele, entretanto, tinha uma postura um tanto indiferente em relação ao sistema escravista e propôs a American Colonization Society como um meio para acabar com o câncer da escravidão nos Estados Unidos da América. Ele descobriu várias maneiras de pelo menos reduzir os terríveis efeitos da escravidão e sua disseminação.

  1. John Tyler (1841-1845)

Como residente de uma sociedade em que a escravidão era a ordem do dia, John Tyler também possuía escravos que totalizavam 70 pessoas. Os escravos iriam trabalhar na propriedade do presidente na Virgínia. Seu pai, o juiz Tyler, também era um proeminente proprietário de escravos, escravizando um número considerável de escravos para aumentar seus interesses financeiros em uma plantação nos campos de Greenway, na Virgínia. Tyler herdou 13 escravos de seu pai e passou a adquirir mais ao iniciar seu próprio projeto agrícola.

  1. James K. Polk (1845-1849)

O presidente Polk, um democrata, era um escravizador que fazia uso da escravidão para promover seus interesses em sua propriedade no Tennessee. Ele se tornou presidente em um momento em que a questão dos escravos atingiu seu estágio mais polêmico. Durante sua gestão, Polk foi mestre de 35 escravos. Em sua morte, ele instruiu que seus escravos fossem libertados somente após a morte de sua esposa. Felizmente, isso não se concretizou, pois, logo após sua morte, grandes avanços foram feitos para deslegitimar a instituição escravista. As vítimas escravizadas foram depois libertadas muito antes do que o presidente Polk havia instruído.

  1. William Henry Harrison (1841)

Ele detém o recorde de menor presidente em exercício na história política dos Estados Unidos da América. William Henry Harrison, nascido na Virgínia, tinha uma história familiar de escravidão por gerações. Enquanto crescia, ele levou um estilo de vida muito confortável, que prosperou com mão de obra gratuita para seu desenvolvimento. Harrison certa vez defendeu a legalização da escravidão no estado de Indiana usando sua força como governador militar. Seus esforços pró-escravidão foram, entretanto, frustrados pelo governo de Jefferson.

  1. Martin van Buren (1837-1841)

Assim como o presidente Ulysses Grant, Van Buren, o fundador do Partido Democrata, possuía pelo menos um escravo antes de se tornar presidente. A Associação Histórica da Casa Branca documenta que Van Buren contratou afro-americanos escravizados e livres para trabalhar para várias empresas na capital do estado, Albany. Tendo mantido apenas um indivíduo sob escravidão, ele finaliza nossa lista de ex-líderes dos EUA que escravizaram humanos.

Por Munashe O’brian Gutu / African Exponent

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.