Por meio da criação de hortas sinérgicas no Senegal, um novo programa de reflorestamento visa fortalecer a autossuficiência das aldeias e, paralelamente, combater a desertificação.

A Agência de Reflorestamento do Senegal lançou o Tolou Keur , o projeto criado para estabelecer uma abordagem mais local para a obra da Grande Muralha Verde na África, um cinturão de árvores que serpenteia ao longo do extremo sul do Deserto do Saara na África, da costa do Atlântico até o mar Vermelho.

Envolve o estabelecimento de centenas de hortas circulares, destinadas a aumentar a segurança alimentar. No momento, três sites foram criados em Dakar, Fatick e Kédougou.

O programa tem a ambição de transformar a vida de milhares de pessoas. Na verdade, esse sistema apóia os pequenos produtores rurais, permitindo que aumentem sua oferta de alimentos e sua renda com a comercialização dos excedentes. O modelo pode ser construído em cerca de dez dias com um investimento muito limitado em termos de recursos econômicos e é muito eficiente do ponto de vista da produção.

Khadidiatou Diouf, 32, um treinador do programa Tolou Keur no departamento de ecovilas da Agência Senegalesa para Reflorestamento e Grande Muralha Verde, mostra como instalar um sistema de irrigação em um jardim recém-construído em Boki Diawe. [Zohra Bensemra / Reuters]

De acordo com os resultados, com as mesmas terras, a produtividade de uma safra sinérgica é maior do que a obtida com a agricultura intensiva. Em média, uma tonelada de alimentos é produzida em um terreno de meio hectare a cada mês.

As árvores mais resistentes, como acácias e cajus, são plantadas na parte externa. Aproximando-nos do centro, encontramos as plantas medicinais mais delicadas. Forma-se assim um microclima que permite reduzir o consumo de água.

A gerente de projetos Aly Ndiaye explica ao Le Monde , que já participou do desenvolvimento desse tipo de projeto graças ao programa de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS) no Brasil, onde mais de 10.000 unidades de produção foram criadas desde 2005.

Na aldeia de Belvédère, a 40 quilômetros de Dakar, foi criada uma horta de 5.000 m 2 . Em torno de um pequeno galinheiro, construído com materiais reciclados, árvores frutíferas, cerca de sessenta variedades de vegetais e plantas medicinais foram plantadas em círculo.

Antes não havia nada aqui – diz Djibril Sall, chefe da aldeia – Temos poucos recursos. Mas, graças a Tolou Keur , não precisamos mais ir ao mercado em busca de frutas, vegetais ou ovos. Agora temos tudo no lugar

Um projeto que visa combater a crise climática e ao mesmo tempo apoiar o empoderamento dos povos indígenas, como declara a chefe do projeto Karine Fakhoury:

Este não é um projeto externo, onde alguém vem de fora e diz às pessoas o que fazer. É algo totalmente local.

Via GreenMe

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.