Para o filósofo Gregorio Luri , é muito mais sensato ensinar nossos filhos a superar as frustrações inevitáveis do que fazê-los acreditar na possibilidade de um mundo sem frustrações.

Luri, além disso, é especialmente crítico daqueles que querem filhos felizes. “Primeiro, acho que o que você tem que fazer é amar a vida, não a felicidade. E você não pode amar os dois ao mesmo tempo. Porque a felicidade só pode ser alcançada trazendo vida à vida. Isto é, através da idiotice. Além disso, não creio que existam crianças felizes ».

Assim assegura o ensaísta Navarro, para quem a infância não só não é feliz, como também é uma fase “terrível”.

«A vida é muito complexa. Outra coisa é que pode haver momentos de grande alegria na infância, o que não quer dizer nada, pois também pode haver dez minutos antes da sua morte “, adverte. “Assim, também deixando claro que não queremos filhos infelizes e que o oposto da felicidade não é infelicidade”, esclarece.

-Qualquer pai que for perguntado responderá que ele quer um filho feliz. E é esmagador o excesso de oferta de trabalhos de psicologia e notícias que indicam o caminho mais curto para alcançar a felicidade.

-Para esses pais eu pediria para que eles abrissem os olhos e me dissessem o que vêem. A vida é complexa, cheia de incertezas e com uma terrível sujeição ao acaso.

Estou começando a pensar que há um setor de educadores pós-modernos que se tornaram o mais fiel aliado da barbárie, que o que eles fazem é esconder a realidade e substituí-la com um buenista, ideologia Taffy e um mundo de “Teletubbies”.

Pessoalmente acho que a bravura e a coragem são mais atrativas para afirmar a vida. Tenha um filho feliz e terá um adulto escravo, ou de seus desejos não realizados ou de suas frustrações, ou de alguém que vai mandar nele no futuro.

Pessoalmente, encontro valentia e coragem para afirmar a vida, acho muito mais atraente. Algo que tem sido, por outro lado, a grande tradição ocidental desde Homero até dois dias atrás:

Querer a vida apesar desta ser injusta, mesquinha, austera, não porque achamos uma maneira de nos diluir em um caramelo. Agora a felicidade se entende como um recorte de aspirações.

– Tampouco queremos crianças infelizes.

“Não, em absoluto. Deve ficar claro que o oposto da felicidade não é a infelicidade, é a realidade. Devemos assumir a complexidade do mundo.

Como seres humanos, nosso dever não é ser feliz, é desenvolver nossas maiores habilidades. E a felicidade é uma ideologia que milita contra isso. Por quê?

Pela simplicidade de nossos teóricos, que nos levam a uma felicidade em cursivas. Tome cuidado para que seus filhos não fiquem infelizes, e então ensine-os a realidade, para lidar com suas frustrações, para lidar com um não.

Estamos criando filhos muito frágeis e caprichosos, sem resistência à frustração, e também convencidos de que alguém tem que garantir-lhes a felicidade. E se alguém não garante isso, eles se deparam com um infortúnio metafísico.

Porque quando nossos filhos saírem para o mercado, a sociedade não os medirá pelo seu grau de felicidade, mas pelo que sabem fazer, que é exatamente o que é pedido às pessoas com quem nos relacionamos.

Quando vamos ao dentista, não nos importamos que ele seja feliz, mas que ele seja profissional naquilo que faz. Se precisarmos de um encanador, queremos que ele seja eficiente, rápido e barato, se possível.

Mas é claro que não vamos avaliar se ele é um encanador feliz. Além disso, parece muito saudável que nossas relações sociais, especialmente com estranhos, sejam mediadas apenas por seu profissionalismo, sem necessidade de estar atento à emotividade.

-Em seu livro «melhor educados» tem um capítulo que diz: «Cuidado com o professor que quer fazer seu filho feliz». Também da escola?

– Aqueles que prometem “experiências”. Uma escola o que ela tem a oferecer é a possibilidade de realizar trajetórias, não experiências.

E no caso específico das crianças pobres, a possibilidade de mudar a trajetória, de se libertar e de abrir portas.

Se seus filhos frequentam uma dessas escolas onde Jorge Bucay é o intelectual de referência, competir é proibido, quando jogam, todos ganham e ninguém perde, se considera mais importante educar emocionalmente do que ensinar álgebra, então fiquemos atentos.

O mundo, seja o que for, não é fruto do nosso desejo. E é muito bom que não seja assim, porque, senão cada um de nós teria o nosso. E a realidade é o que um escritor catalão costumava dizer: “Diante da realidade, sempre se está na primeira fila”.

Isso deve ser entendido. E de qualquer maneira, você toma alguns sopapos na vida. A verdade é que você tem que estar pronto para isso. Mas … o que estamos preparando para nossos filhos?

Para ser feliz, as mães chinesas”, por exemplo, treinam seus filhos para poderem ir a qualquer universidade do mundo.

Podemos pensar que elas são muito rígidas, mas a realidade dos resultados de seus filhos exige que não as descriminemos, porque existe a possibilidade de que no futuro eles sejam nossos chefes.

Conclusão? Queremos filhos felizes, teremos que ir com nosso currículo de felicidade procurar trabalho em empresas chinesas.

De ABC / Via El Club de los Libros Perdidos

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.