O Papa Francisco – um dos líderes mais progressistas que a Igreja Católica já viu – disse que sexo e comida são prazeres “simplesmente divinos” que chegam “diretamente de Deus”, em uma entrevista com o escritor Carlo Petrini para seu livro TerraFutura. Ele condenou as visões anteriores da igreja sobre prazeres simples, como comida e sexo, chamando-o de “moralidade excessivamente zelosa” que “causou um dano enorme, que ainda pode ser sentido fortemente hoje”.

Francisco, que se afastou significativamente da visão da Igreja sobre o que é pecado, acrescentou: “o prazer de comer existe para mantê-lo saudável comendo, assim como o prazer sexual existe para tornar o amor mais bonito e garantir a perpetuação da espécie . ” Seu foco no sexo por prazer é especialmente notável, pois difere da firme insistência do Vaticano no sexo como meramente um veículo para a procriação que há muito resulta em uma condenação institucional do controle de natalidade e do aborto.

A abordagem do Papa Francisco em relação ao sexo tem evoluído lentamente ao longo dos anos – em 2016, ele reconheceu a alegria do sexo e como os casais podem precisar trabalhar para cultivar essa alegria ao longo de seu casamento; em 2018, ele disse aos jovens franceses que sexo era o sinal do amor apaixonado e duradouro entre um homem e uma mulher. Também em 2018, Francisco disse que as tendências homossexuais “não são um pecado”, enquanto supostamente assegurava a um homem gay que Deus o criou e que Deus o amou. Isso, combinado com seu último comentário igualando sexo e prazer, mostra como a abertura ao sexo como uma atividade prazerosa e recreativa pode abrir portas para as pessoas normalizarem não apenas uma vida sexual saudável, mas também sua própria sexualidade.

Remover o sexo das exigências da procriação também reflete na maneira como Francisco abordou o controle da natalidade – em 2016, ele deu aos padres católicos o poder de perdoar as mulheres que fizeram aborto, se elas confessassem seus pecados e pedissem o perdão de Deus . Embora afirmasse que o aborto era um “pecado grave”, ele também pediu aos padres que não evitassem ou ostracizassem as mulheres que haviam feito abortos. Em “ AMORIS LÆTITIA ”, um documento divulgado em 2016, ele também disse que a contracepção era uma decisão melhor deixada para os casais e sua consciência, e não regras gerais impostas pelo Vaticano.

Essas opiniões, combinadas com sua visão sobre sexo e prazer, sinalizam uma mudança da compulsão de procriação que permite espaço para os desejos humanos das pessoas e mais gentileza com suas decisões, mais do que o papado estendeu às pessoas no passado. Isso, no entanto, de forma alguma supera a necessidade de eles fazerem mais, em termos de aceitar uniões gays, remover o aborto da lista de pecados e aceitar de todo o coração o que a sociedade considera formas desviantes de fazer sexo e buscar prazer.

Com informações do Daily Mail

Créditos da foto: UnsplashNacho Arteaga

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.