O Papa Francisco doou dois ventiladores pulmonares, dispositivos médicos para médicos e enfermeiros e ovos de Páscoa ao hospital Cotugno, em Nápoles. Os produtos enviados pelo Vaticano foram entregues na presença do cardeal Crescenzio Sepe, arcebispo de Nápoles, “expressamente instruído pelo Santo Padre a entregar” o material “ao diretor geral dos hospitais Cotugno, Monaldi e Cto, Maurizio Di Mauro”, lê-se em uma nota da arquidiocese de Nápoles.

“Com um coração paterno e atencioso – lê novamente – o Papa Francisco pensou em Nápoles, testemunhando proximidade e partilha no hospital Cotugno, nos médicos e enfermeiras generosamente comprometidos, com todos os funcionários, com a Gerência, com aqueles que estão angustiados com o coronavírus. , aos doentes hospitalizados, bem como aos infectados e a todas as famílias ».

O arcebispo, “com alegria no coração por esse gesto de amor do Papa Francisco pelas Nápoles do sofrimento, foi prontamente ao hospital Cotugno, onde foi recebido pelo gerente geral da Azienda dei Colli, Maurizio Di Mauro, pelo diretor de saúde de Cotugno, Raffaele Dell’Aversano, por médicos e equipe paramédica “

O cardeal Sepe, continua a nota, “tornou-se o intérprete da profunda proximidade do Papa, suas orações e afeto, expressando sentimentos de grande admiração, estima e apreço a todos os profissionais de saúde pelo extraordinário e incansável trabalho que está sendo realizado”. fazendo para ajudar e tratar as muitas pessoas doentes, recebendo elogios de toda a Itália ».

Todos os produtos doados pelo papa foram descarregados e entregues na van que vinha do Vaticano, enquanto uma longa salva de palmas para o Santo Padre e para o cardeal Sepe como um sinal de agradecimento e gratidão começou pelos presentes.

No final, oração e bênção em frente à estátua da Imaculada Conceição. “A proximidade de Sua Santidade é uma grande emoção para todos nós”, disse Di Mauro. “Sou infinitamente grato ao papa e ao cardeal Sepe por esse gesto de solidariedade e por estar sempre perto de Cotugno”, acrescentou Di Mauro. Dell’Aversano acrescentou que “o gesto atencioso do Papa Francisco é uma fonte de apoio e incentivo para servir cada vez mais os doentes, vistos como pessoas antes e até como pacientes”.

Fonte: ilroma.net

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.