Criamos manuais para praticamente tudo e achamos que podemos planejar tudo, influenciando assim nossas habilidades de criar, pensar e sentir. O curta “Pare de controlar” nos ensina que é preciso parar de interferir no natural se quisermos evoluir e crescer .

Gostamos de exercer controle. Vivemos com o propósito de manipular cada pequena coisa, esperamos que as coisas funcionem exatamente como queremos e como planejamos. Mas a verdade é que, se esperamos que nossos projetos se tornem realidade, devemos estar cientes de que não podemos ter 100% de certeza do que fazemos ou decidir fazer funcionar.

Um curta para refletir sobre a nossa maneira de ver a vida

Este curta-metragem conta a história de Dechen, um pequeno monge budista em preparação, que tem uma grande paixão pela jardinagem. No vídeo você poderá apreciar como uma flor é plantada, observá-la e cuidar dela com total dedicação. Vamos ver o que acontece em “Pare de controlar”:

Como você já deve ter visto no curta-metragem , a planta de Dechen vai perdendo força aos poucos, apesar dos cuidados dispensados ​​a ela pelo pequeno monge. A partir do momento em que é trazida para o templo, a flor começa a murchar, causando mal-entendidos e desconsolação em nosso protagonista.

Dechen não consegue aceitar a situação e, por isso, o líder dos monges Angmo é obrigado a intervir e repreender o seu pupilo. Felizmente, Dechen percebe que, ao remover a necessidade de poder e controle, sua flor começa a florescer novamente.

Abraçar a vida, uma matéria a ser ensinada

Para abraçar a vida, devemos desfazer as correntes que prendem a aleatoriedade, porque se fingirmos ter tudo sob nosso controle, nos privaremos do prazer da serendipidade, da flexibilidade e da inovação.

Freqüentemente reiteramos que muitas coisas acontecem quando menos esperamos e que mesmo que tudo exija esforço e trabalho , devemos deixar que aconteçam. Não podemos deixar de exercer o controle e acabar exagerando pelo medo da incerteza.

É simplesmente uma questão de “afrouxar” os limites que impomos a nós mesmos e tornar nossos pensamentos mais flexíveis. Aqui está uma série de conceitos sobre os quais você precisa ter clareza:

Não se trata de fazer um relacionamento tal como o idealizamos, pois cada pessoa é um mundo e, portanto, cada relacionamento será único.

Todos querem o melhor para os seus filhos e, por isso, procuramos encaminhá-los para o caminho que consideramos mais adequado. No entanto, o que há de mais positivo para uma criança é que ela sempre tenha a seguinte mensagem clara: VOCÊ DEVE SER VOCÊ MESMO.

O mesmo acontece com os projetos, quando vemos apenas um caminho acabamos perdendo uma infinidade de oportunidades que giram em torno de nós.

Por exemplo: queremos nosso parceiro do jeito que ele é ou como o idealizamos? Estamos permitindo que nossos filhos decidam e construam sua própria autonomia ou estamos exercendo um controle excessivo ao orientá-los no caminho que queremos que sigam? Quantas maneiras de embarcar nessa jornada existem e o que estamos fazendo?

Com isso queremos dizer que, às vezes, no esforço de acertar, acabamos desnaturando os eventos. Porque, afinal, para ter sucesso e ser brilhante, temos que ser ” loucos ” e deixar de lado o “bom senso”; só assim poderemos ver com outros olhos a realidade que todos veem, pois em cada história existem tantas facetas quantas pessoas e circunstâncias.

Adaptado de La mente è meravigliosa

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.